Conecte-se Conosco

Pecuária

Diarreia em bezerros: Como evitar?

Publicado

em

Comum nas fazendas brasileiras, ocorrência pode ser uma das principais causas de morbidade e mortalidade nos neonatos – Divulgação

 

A criação bem-sucedida de bezerros depende da prevenção de doenças, sendo a diarreia uma das principais preocupações para os produtores. O quadro pode resultar em desidratação, perda de peso e até mesmo morte, afetando diretamente a produtividade e os lucros da fazenda. Essa condição não apenas afeta a saúde e o bem-estar dos animais, mas também tem um impacto significativo na produtividade e nos custos de produção.

“Com origem multifatorial, diversos agentes podem estar envolvidos no desencadeamento do processo, como bactérias (Escherichia coli, Salmonella sp., Clostridium perfringens), vírus (rotavírus e coronavírus); protozoários (Eimeria sppp. Cryptosporidium spp., Giardia.); verminoses, fatores nutricionais (ingestão excessiva de leite e sucedâneos do leite, ou rações similares) e de meio ambiente (ambientes com higienização imprópria e práticas de manejo inadequadas)”, explica Marcos Malacco, médico-veterinário e gerente técnico de pecuária da Ceva Saúde Animal.

Considerando a presença de alguns desses agentes no ambiente e, consequentemente, na flora intestinal dos animais, as diarreias infecciosas de origem bacteriana e viral são de difícil diagnóstico e geralmente ocorrem em associação, dificultando o isolamento de agentes primários.

Publicidade

Os bezerros diarreicos, normalmente apresentam fezes pastosas ou aquosas fétidas, às vezes com sangue, muco ou até mesmo porções da mucosa intestinal. Os animais também podem apresentar apatia, desidratação, perda ou ausência de apetite, febre, respiração acelerada, perda de peso e dificuldade em se manter de pé.

Durante o quadro os animais perdem quantidades consideráveis de água e
eletrólitos – minerais, como sódio, fósforo, potássio, cloro e outros. Com isso, surgem os sinais comuns à desidratação como o afundamento da órbita ocular e pele e mucosas secas. Animais doentes devem, ser isolados do restante do rebanho, a fim de prevenir a transmissão aos demais indivíduos.

Além das altas taxas de morbidade e mortalidade, a diarreia também impacta o desenvolvimento dos animais. Os bezerros afetados apresentam atrasos no crescimento e ganho de peso e dependendo do nível de lesões a nível intestinal não se recuperam plenamente tendo o desenvolvimento comprometido para o resto da vida.

“Como a diarreia afeta o trato gastrointestinal, pode haver prejuízos na digestão e absorção dos nutrientes. Isso compromete o desenvolvimento adequado e pode resultar em perdas econômicas significativas para os criadores”, afirma Malacco.

A diarreia prolongada também compromete o sistema imunológico dos bezerros, tornando-os mais suscetíveis a outras doenças e infecções. Nesse cenário, a prevenção desempenha um papel crucial na redução da incidência de diarreia em bezerros. As estratégias incluem:

Publicidade

Bom manejo da colostragem: O fornecimento de colostro de qualidade e em quantidade adequada logo após o nascimento é fundamental para garantir a transferência de imunidade passiva aos bezerros. As fêmeas gestantes devem ser levadas para local adequado (maternidades), tranquilos, com bom sombreamento, água de boa qualidade e em quantidade adequada, sem excessos de matéria orgânica que possa contaminar excessivamente os seus tetos e o coto umbilical dos recém-nascidos. No caso do gado de corte o bom dimensionamento dessas maternidades (evitar excesso de animais) além de cuidados para que tenham cobertura vegetal mais baixa, facilitando a observação dos animais recém-nascidos é muito importante. Outro ponto de destaque é a separação das novilhas que irão parir das vacas, pois estas últimas podem impedir o acesso das novilhas à suas crias, impedindo a ingestão do colostro em tempo hábil ou mesmo fazendo com que as novilhas abandonem as crias.

Manejo Sanitário: Além dos cuidados com o local onde ocorrerão as parições, buscando mantê-los o mais limpo possível, sem excessos de lama e matéria orgânica, a “cura do umbigo” é fundamental, empregando-se soluções de iodo 7% a 10%. Ela deve ser realizada no dia do nascimento, mergulhando-se o coto umbilical em frascos de boca larga contendo a solução de iodo. Frascos “sem retorno” empregados na desinfecção dos tetos de vacas leiterias funcionam muito bem e evitam a contaminação da solução com matéria orgânica, fato que pode reduzir a capacidade desinfetante do iodo. O corte do coto umbilical deve ser evitado e só ser realizado quando ele se encontrar muito comprido. Outro cuidado importante é se evitar a instalação de miíases (“bicheiras”) uma vez que tal situação retardará a cicatrização umbilical. Os mesmos procedimentos mencionados deverão ser empregados no gado leiteiro. Caso as crias sejam levadas a instalações onde permanecerão até o desaleitamento, cuidados de higiene e desinfecção devem ser redobrados mantendo tais instalações bem como os utensílios empregados para a alimentação dos animais (baldes, mamadeiras, etc), limpos e secos. A água de bebida também deverá ser de qualidade.

Estratégias de Manejo: O desmame gradual, a minimização do estresse ambiental e o monitoramento regular da saúde dos bezerros são importantes para prevenir a diarreia. Um ambiente calmo e livre de estresse contribui significativamente para o bem-estar e a saúde dos animais.

Adicionalmente, a vacinação desempenha um papel importante na prevenção de infecções virais e bacterianas que podem causar diarreia em bezerros. Os criadores devem consultar o médico veterinário para desenvolver um programa de vacinação adequado às necessidades específicas de seu rebanho e ambiente.

“Fazendas que implementam medidas preventivas rigorosas conseguem uma redução significativa nos casos de diarreia em bezerros, resultando em melhorias na saúde e produtividade do rebanho. O monitoramento regular da saúde dos animais e a rápida intervenção em caso de sinais de diarreia são fundamentais para o sucesso dessas estratégias”, explica Malacco.

Publicidade

O tratamento eficaz da diarreia em bezerros requer uma abordagem rápida e precisa que engloba: a reidratação e reposição de eletrólitos; além do tratamento visando o controle a do agente infeccioso e a inflamação à nível intestinal. Assim deve-se associar medicamentos antibiótico e anti-inflamatório por período adequado. Nos casos virais, deve-se avaliar a necessidade desse tratamento a fim de se minimizar a possibilidade de infecções por agentes bacterianos oportunistas.

Para auxiliar os pecuaristas a lidarem com esse desafio, a Ceva oferece ao mercado o Zeleris® um medicamento que combina o antibiótico florfenicol com o anti-inflamatório meloxicam. Essa combinação é altamente eficaz no tratamento da diarreia em bezerros.

“O florfenicol é um antibiótico eficaz contra uma variedade de bactérias, incluindo aquelas mais frequentemente envolvidas nas diarreias. Já o meloxicam é um anti-inflamatório não esteroidal que ajuda a reduzir a inflamação, a dor (cólicas) e a febre associadas à diarreia”, detalha Malacco.

Na maioria das situações Zeleris® é administrado em uma única dose, o que o torna um tratamento conveniente e fácil de administrar. A formulação do medicamento permite rápido e duradouro controle de infecções por bactérias sensíveis ao Florfenicol e das inflamações, o que favorece a rápida recuperação.

Sobre Ceva Saúde Animal

Publicidade

A Ceva Saúde Animal (Ceva) é a 5ª empresa global de saúde animal, liderada por veterinários experientes, cuja missão é fornecer soluções de saúde inovadoras para todos os animais e garantir o mais alto nível de cuidado e bem-estar. Nosso portfólio inclui medicina preventiva, como vacinas, produtos farmacêuticos e de bem-estar para animais de produção e de companhia, como também equipamentos e serviços para fornecer a melhor experiência para nossos clientes. Com 7.000 funcionários em 47 países, a Ceva se esforça diariamente para dar vida à sua visão como uma empresa OneHealth: “Juntos, além da saúde animal”.

Faturamento Global de 2023: €1,5 bilhão.

www.ceva.com.br

Gisele Assis

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pecuária

Pecuaristas Devem Considerar Capacidade de Carga dos Misturadores de Ração

Publicado

em

Divulgação

 

Garantir uma nutrição eficiente para os bovinos é essencial em qualquer sistema de produção, seja confinamento, semiconfinamento ou Terminação Intensiva a Pasto (TIP). Nesse contexto, os misturadores de ração desempenham um papel fundamental, porém, é crucial que os pecuaristas estejam atentos à escolha desses equipamentos, considerando não apenas a capacidade volumétrica, mas também a capacidade de carga.

Diferença Crucial

Para entender a importância dessa distinção, é necessário compreender a diferença entre capacidade de carga e capacidade volumétrica. Enquanto a capacidade de carga se refere ao peso máximo que o equipamento pode suportar, a capacidade volumétrica diz respeito ao espaço interno disponível.

Publicidade

Frequentemente, produtores cometem o erro de escolher misturadores baseando-se apenas na capacidade volumétrica, sem levar em conta a capacidade de carga. Isso pode resultar em menor produtividade e rentabilidade, como alerta Mariana Rodrigues, Diretora de Operações e Marketing da Siltomac, ao destacar que alguns misturadores no mercado possuem capacidade de volume de 29m³, mas uma capacidade de carga limitada a apenas 11 toneladas.

Soluções Eficientes

Diante dessa realidade, a Siltomac oferece um portfólio diversificado de misturadores que atendem às diferentes demandas do campo. Com destaque para a Linha R e a Linha RR, que garantem capacidade de carga superior e eficiência na distribuição da ração.

Um exemplo é o premiado Misturador Acoplado 25.7RR, reconhecido por sua robustez e pela capacidade de promover a homogeneidade na mistura e distribuição da ração nos cochos, garantindo até 98% de eficácia. Além disso, a empresa apresenta o misturador de 32m³, com capacidade de carga de 15 toneladas, evidenciando a superioridade em relação a concorrentes.

Ao considerar tanto a capacidade volumétrica quanto a capacidade de carga, os pecuaristas podem garantir uma alimentação mais eficiente para seus rebanhos, promovendo assim maior produtividade e rentabilidade em suas operações.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Cotação da vaca gorda em Mato Grosso cai; do boi tem ‘sustentação’

Publicado

em

foto: assessoria/arquivo

Após duas semanas de desvalorização, a arroba do boi gordo apresentou sustentação, com queda de -0,11% no comparativo semanal, cotada a R$ 202,45/@, no Estado. A cotação da vaca gorda à vista baixou 0,92%, semana passada, e foi negociada a R$ 181,51/@.

O bezerro de 7@s (sobreano) foi cotado a R$ 8,99/kg na última semana, alta de 0,32%, reflexo da maior procura pela categoria em Mato Grosso.

Mesmo com queda de 4,68% na semana passada, as escalas permanecem alongadas, fechando a média semanal em 10,80 dias úteis no Estado. A informação é do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), no boletim semanal da pecuária.

Só Notícias

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Estratégias para a pecuária do futuro serão apresentadas pela primeira vez em Mato Grosso do Sul

Publicado

em

Foto: Assessoria

Após três etapas em Mato Grosso, com um público total superior a 1.500 pessoas, o 11º Simpósio Nutripura chega ao Mato Grosso do Sul para o seu último dia de campo de 2024. O evento, que vai apresentar as práticas e tecnologias que vêm garantindo maior produtividade, sustentabilidade e rentabilidade na pecuária de corte, acontece no dia 14 de junho, em São Gabriel D’Oeste.

Desta vez, o dia de campo acontece na Agropecuária Palmares, uma das propriedades mais produtivas da região. Na ocasião, especialistas irão demonstrar as estratégias adotadas na fazenda, desde o planejamento do sistema produtivo, o cuidado com os solos e a pastagem, o uso de ferramentas inovadoras, até a gestão do confinamento.

Parceira Nutripura há 8 anos, a Palmares conta hoje com o apoio de profissionais da empresa em todas as etapas da produção. Além disso, também utiliza o sistema KonectPasto, ferramenta que usa a inteligência artificial para o monitoramento das pastagens.

A adoção do pacote tecnológico trouxe resultados expressivos à Agropecuária Palmares, que atingiu uma produtividade superior a 130 arrobas por hectare na última safra, sendo mais de 60 arrobas produzidas exclusivamente a pasto. Também foram observados ganhos ambientais expressivos além de um lucro médio de R$ 2.500 por hectare – rentabilidade semelhante à obtida pela agricultura na região.

Publicidade

Todas as soluções desenvolvidas pela Nutripura serão apresentadas no dia de campo, assim como a fórmula para transformar a pecuária em uma atividade muito mais sustentável, produtiva e rentável. As inscrições para o evento já estão disponíveis através do site nutripura.com.br/simposio.

Cairo Lustoza/AguaBoaNews

Colaborou:  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência