Conecte-se Conosco

Pecuária

Desempenho do frango, boi e suíno vivos em maio e nos cinco primeiros meses de 2024

Publicado

em

Análise revela tendências e desafios nos preços dos produtos – Divulgação

Os resultados são preliminares, mas já deixam claro que em maio corrente apenas o suíno vivo obterá no mês preços melhores que os de abril. Aliás, os melhores do ano. Bem ao contrário do boi em pé que, neste mês, opera com a menor cotação não apenas de 2024, mas dos últimos oito meses. Ainda assim, uma situação melhor que a do frango vivo que, também em queda em maio, tende a fechar o mês com o menor valor nominal dos últimos 10 meses.

Por sinal, os resultados negativos do frango vivo e do boi em pé se repetem na base de comparação anual. O frango, com menor desvalorização (3,23% a menos). O boi, com queda de 14% em relação a maio de 2024. Aliás, o boi alcança no momento valor nominal correspondente a menos de dois terços da cotação máxima já registrada – R$344,71 por arroba em março de 2022.

No ano (isto é, na média registrada entre janeiro e maio) salva-se apenas o frango vivo, cujo valor médio se encontra quase 2,5% acima do registrado nos cinco primeiros meses de 2023. Isto, porém, não significa valorização: a base (janeiro/maio de 2023) é que foi extremamente baixa. Porém, ainda é um desempenho melhor que o do suíno (cujo preço no ano já recuou mais de 5%) e, sobretudo, do boi em pé, com preço médio 16,3% inferior ao alcançado entre janeiro e maio do ano passado.

Fonte: AviSite

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

 

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pecuária

Vacinação Contra Raiva de Herbívoros em Goiás Entra na Etapa Final

Publicado

em

Divulgação

A Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) alerta os pecuaristas que o prazo para a vacinação contra a raiva de herbívoros em Goiás termina neste sábado, 15 de junho. Todos os animais das espécies bovina, bubalina, equídea (equina, muar, asinina), caprina e ovina, independentemente da idade, devem ser imunizados nos 119 municípios classificados como de alto risco para a raiva. Esta campanha segue o calendário estabelecido pela Portaria nº 182, de 10 de abril de 2024.

Em Goiás, a vacinação é realizada em duas etapas: a primeira ocorre de 1º de maio a 15 de junho, e a segunda de 1º de novembro a 15 de dezembro. O presidente da Agrodefesa, José Ricardo Caixeta Ramos, enfatiza a importância da vacinação como principal método de controle da raiva entre herbívoros. “A imunização do rebanho é a melhor forma de prevenir a raiva, uma zoonose com alta letalidade que pode causar sérios prejuízos sanitários e econômicos ao Estado. Por isso, é crucial que os produtores sigam rigorosamente o calendário de vacinação”, reforça Ramos.

Procedimentos para Comprovação da Vacinação

A Portaria nº 182 determina que os produtores adquiram as vacinas em revendas cadastradas e façam a declaração da vacinação até 30 de junho de 2024 no Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás (Sidago). A responsabilidade pelo controle da comercialização e do estoque de vacinas recai sobre o responsável legal da revenda, que deve utilizar o Sidago para registrar a entrada e a venda de vacinas. Além disso, o armazenamento e a refrigeração adequada das vacinas são obrigatórios.

Publicidade

Controle de Morcegos Hematófagos

Além da vacinação, a Agrodefesa realiza o controle da população de morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus, principais transmissores da raiva ao rebanho. Este controle é parte do Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), que inclui a captura e o tratamento dos morcegos com uma pasta anticoagulante. “Essa ação visa reduzir a população de morcegos, prevenindo a disseminação da raiva em Goiás”, explica o diretor de Defesa Agropecuária da Agrodefesa, Augusto Amaral.

Declaração de Rebanho

Os produtores também devem ficar atentos ao prazo para a declaração de rebanho, que se encerra em 30 de junho, em todos os 246 municípios goianos. No Sidago, devem ser informados a quantidade de animais, mortes, nascimentos e a evolução de todas as espécies na propriedade. Este ano, a declaração deve incluir a idade detalhada dos bovinos e bubalinos entre zero e 12 meses.

Para auxiliar os produtores, a Agrodefesa disponibilizou um manual explicativo para a emissão da declaração de rebanho e vacinação contra a raiva, acessível em: Manual de Declaração 2024.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Pecuaristas Devem Considerar Capacidade de Carga dos Misturadores de Ração

Publicado

em

Divulgação

 

Garantir uma nutrição eficiente para os bovinos é essencial em qualquer sistema de produção, seja confinamento, semiconfinamento ou Terminação Intensiva a Pasto (TIP). Nesse contexto, os misturadores de ração desempenham um papel fundamental, porém, é crucial que os pecuaristas estejam atentos à escolha desses equipamentos, considerando não apenas a capacidade volumétrica, mas também a capacidade de carga.

Diferença Crucial

Para entender a importância dessa distinção, é necessário compreender a diferença entre capacidade de carga e capacidade volumétrica. Enquanto a capacidade de carga se refere ao peso máximo que o equipamento pode suportar, a capacidade volumétrica diz respeito ao espaço interno disponível.

Publicidade

Frequentemente, produtores cometem o erro de escolher misturadores baseando-se apenas na capacidade volumétrica, sem levar em conta a capacidade de carga. Isso pode resultar em menor produtividade e rentabilidade, como alerta Mariana Rodrigues, Diretora de Operações e Marketing da Siltomac, ao destacar que alguns misturadores no mercado possuem capacidade de volume de 29m³, mas uma capacidade de carga limitada a apenas 11 toneladas.

Soluções Eficientes

Diante dessa realidade, a Siltomac oferece um portfólio diversificado de misturadores que atendem às diferentes demandas do campo. Com destaque para a Linha R e a Linha RR, que garantem capacidade de carga superior e eficiência na distribuição da ração.

Um exemplo é o premiado Misturador Acoplado 25.7RR, reconhecido por sua robustez e pela capacidade de promover a homogeneidade na mistura e distribuição da ração nos cochos, garantindo até 98% de eficácia. Além disso, a empresa apresenta o misturador de 32m³, com capacidade de carga de 15 toneladas, evidenciando a superioridade em relação a concorrentes.

Ao considerar tanto a capacidade volumétrica quanto a capacidade de carga, os pecuaristas podem garantir uma alimentação mais eficiente para seus rebanhos, promovendo assim maior produtividade e rentabilidade em suas operações.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Cotação da vaca gorda em Mato Grosso cai; do boi tem ‘sustentação’

Publicado

em

foto: assessoria/arquivo

Após duas semanas de desvalorização, a arroba do boi gordo apresentou sustentação, com queda de -0,11% no comparativo semanal, cotada a R$ 202,45/@, no Estado. A cotação da vaca gorda à vista baixou 0,92%, semana passada, e foi negociada a R$ 181,51/@.

O bezerro de 7@s (sobreano) foi cotado a R$ 8,99/kg na última semana, alta de 0,32%, reflexo da maior procura pela categoria em Mato Grosso.

Mesmo com queda de 4,68% na semana passada, as escalas permanecem alongadas, fechando a média semanal em 10,80 dias úteis no Estado. A informação é do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), no boletim semanal da pecuária.

Só Notícias

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência