Conecte-se Conosco

Agronegócio

Cuiabá sedia Conferência Internacional da Agroindústria Sustentável

Publicado

em

Divulgação

Mato Grosso já é líder global em produção agrícola, e a transição do agronegócio para a agroindustrialização, com a transformação de matéria-prima em produtos finais, promoverá ao estado um novo ciclo de crescimento, atração de investimentos e reconhecimento internacional no desenvolvimento econômico.

Com a população mundial em constante crescimento, a demanda por alimentos aumenta significativamente e encontra em Mato Grosso vasto território para produção. A transformação dos produtos agrícolas em itens industrializados aumenta significativamente o valor agregado. Em vez de exportar commodities brutas, como soja e milho, o estado pode beneficiar-se da produção de biocombustíveis, alimentos processados e outros produtos industrializados.

Essa diversificação econômica reduz as flutuações nos preços das commodities agrícolas e dependências nas exportações para poucos mercados, além de aumentar a geração de empregos nas várias etapas do processo produtivo, incentivar o desenvolvimento e a adoção de novas tecnologias e práticas agrícolas e desenvolvimento em infraestrutura e logística.

“Com um foco crescente na sustentabilidade, a indústria transforma soja e milho em biocombustíveis, usando de forma eficiente recursos naturais, gestão de resíduos e implementação de técnicas de agricultura regenerativa. Essas práticas não só ajudam a preservar o meio ambiente, mas também atendem à demanda global por produtos sustentáveis”, afirma Silvio Rangel, presidente do Sistema Federação das Indústrias de Mato Grosso (Sistema Fiemt).

Publicidade

Com extensão territorial equivalente aos países da França e Alemanha, segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Mato Grosso lidera a produção nacional de algodão (70%), milho (38%), etanol de milho (72%), soja (26%), carne bovina (18%) e gergelim (66%), tudo isso utilizando apenas 12,7% do território para agricultura e 24% pastagem. Além disso, 62,5% do território é de terras indígenas, unidades de conservação e área preservada pelos produtores.

“Na próxima década, o estado deverá aumentar em 52% a produção de algodão, 79% a produção de milho e 46% produção de soja; no setor de proteína, o crescimento deverá ser de 40% de carne bovina, 80% de aves e 39% suínos: temos condições de evoluir sem a abertura de novas áreas”, destaca Vilmondes Tomain, presidente do Sistema Famato.

Conexão entre agro e indústria

Essa combinação de alta produtividade agrícola, um crescente setor industrial e um compromisso com a sustentabilidade torna Mato Grosso o local ideal para sediar um evento de agroindústria, promovendo o desenvolvimento econômico, tecnológico e ambiental do setor.

O estado possui 78.729 trabalhadores diretos na agroindústria. A indústria de abate de bovinos concentra o maior número de trabalhadores (22.975), seguida pela fabricação de álcool (8.934) e abate de suínos (7.556). Além disso, 23% do total da massa salarial do agronegócio é agroindustrial.

A agroindústria não se limita à geração de empregos, ela também impacta a economia local de forma significativa. A cada R$ 1 milhão investido na fabricação de farelo de soja, 23 novos empregos são gerados em Mato Grosso. Para o óleo de soja, esse número salta para 25 novos empregos.

Publicidade

A fabricação de etanol, por sua vez, gera 21 novos empregos a cada R$ 1 milhão investido, enquanto as atividades têxteis, que utilizam o algodão como matéria-prima, geram 28 novos empregos. A atividade de abate de bovinos contribui com 35 novos empregos para cada R$ 1 milhão investido.

Programação:

A Conferência Internacional da Agroindústria Sustentável será realizada nos dias 15 e 16 de agosto, no Centro de Eventos Fatec Senai, em Cuiabá. A abertura oficial será às 18h, com presença de autoridades locais e nacionais e uma palestra inaugural do professor Marcos Troyjo, abordando a economia global e os desafios da agroindustrialização brasileira.

Dia 16/08

Painel 1: Biocombustíveis – Etanol em consolidação

Discussões sobre o panorama nacional, linhas de financiamento e o uso de etanol em motores agrícolas, com moderação de Giuseppe Lobo, diretor executivo das Indústrias de Bioenergia de Mato Grosso (Bioind), e participação de Guilherme Nolasco, diretor presidente da União Nacional de Etano de Milho (Unem), Mauro Mattoso, chefe departamento do Complexo Alimentar e de Biocombustíveis do BNDES, Tiago Stefanello Nogueira, presidente do Conselho de Administração da Evermat e João Testa, especialista de produto Case IH.

Publicidade

Painel 2: Transição energética

Foco em biometano e vinhaça de cana, biodiesel em máquina agrícolas e as perspectivas futuras para o hidrogênio como combustível, com moderação de Rodrigo Guerra, vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Biodiesel de Mato Grosso (Sindibio MT), e participação de Tomaz Carraro Pereira, gerente de planejamento estratégico e novos negócios da Uisa, Ricardo Tomczyk, diretor de relações institucionais da Amaggi, Rodrigo Mello, diretor regional do Senai do Rio Grande do Norte e senador Veneziano Vital do Rego.

Painel 3: Bioeconomia

Debates sobre agricultura regenerativa, bioinsumos e nanotecnologia, com destaque para ações governamentais em bioeconomia. A moderação será de Cleiton Gauer, superintendente do Imea MT, com participação da Drª Poliana Cardoso Gustavson, gerente de P&D da AgriValle, Arthur Almeida, head de parcerias e marketing do Grupo Scheffer, Thomas Altmann, lídere de desenvolvimento marketing e bioinsumos da Syngenta e Valéria Burmeister Martins, coordenadora de bioeconomia e recursos genéticos do Ministério da Agricultura (Mapa).

Painel 4: Inovação agroindustrial

Publicidade

Apresentações sobre tecnologias embarcadas, inovação em sistemas agrícolas e cases de sucesso na agroindústria. A moderação será de Carlos Braguini, diretor regional do Senai MT, com participação de startups que integram os programas Brazilian Techs Connection Illinois 2024 (BTEC) Agro.Ind e de o pesquisador chefe do Instituto Senai de Inovação em Sistemas Embarcados de Santa Catarina, Paulo Violada.

Painel 5: economia circular

Exemplos de integração entre lavoura e diversas formas de criação animal e piscicultura, promovendo a sustentabilidade e a reutilização de resíduos. A moderação será realizada pelo superintendente do AgriHub, Paulo Ozaki, e terá participação de Paulo Lucion, presidente da Nutribras Group, Fernando Maziero Pozzobon, diretor presidente do Grupo Fermap e Aline Bortoli, sócia-proprietária da Natter.

Painel 6: Irrigação: vetor de diversificação e agroindustrialização

Discussões sobre o potencial da irrigação em Mato Grosso e sua importância para a diversificação e agroindustrialização do estado, com mediação do secretário da secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec MT), César Miranda, e participação dos professores PhD Ivo Zution (Nebraska — EUA) e Everardo Mantovani (Universidade Federal de Viçosa — UFV).

Publicidade

O encerramento do evento será com a palestra magna com o professor Paulo Vicente Falcão, da Fundação Dom Cabral (FDC) com o tema: do agronegócio à agroindustrialização.

Fonte: Assessoria

Colaborou:  Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

País colheu 97,8% do milho verão da safra 2023/24, afirma Conab

Publicado

em

Foto: Leandro Balbino/Canal Rural Mato Grosso

 

 

A colheita da safra brasileira de milho verão 2023/24 alcançou, no país, 97,8% da área semeada até o último domingo (21), informou a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em levantamento semanal. Em relação à semana anterior, houve avanço de 1 ponto porcentual e, em comparação com a igual período do ano passado, atraso de 0,8 ponto porcentual. Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul já concluíram a colheita, enquanto a retirada do cereal dos campos ainda estava em 99% na Bahia, 92% no Piauí e 79% no Maranhão.

A colheita de milho de segunda safra 2023/24 atingia 79,6% da área no país até domingo, avanço de 5,4 pontos porcentuais em relação à semana anterior e de 31,7 pontos porcentuais ante igual período do ano passado. Mato Grosso, maior produtor nacional do grão, está com a colheita mais adiantada, com 97,7% da área já retirada, enquanto Maranhão tem os trabalhos mais lentos, com 44% da área colhida.

Publicidade

A colheita de algodão 2023/24 alcançava, até domingo, 20,5% da área plantada, avanço de 3,8 pontos porcentuais na semana e 2,3 pontos porcentuais à frente de 2022/23. Goiás lidera o ranking, com 52% da área colhida. Já Mato Grosso, o maior produtor da fibra, havia colhido até domingo 15,8% da área.

Quanto à safra de inverno 2023/24, a Conab informou que o plantio de trigo alcançou 96,8% da área estimada até o último domingo, avanço de 4,7 pontos porcentuais na semana e atraso de 1,1 ponto porcentual na comparação com a temporada passada. No Sul, que concentra a produção do cereal, a semeadura continua nos três estados produtores. O Rio Grande do Sul semeou 97% da área prevista; Paraná, 99%, e Santa Catarina, 64%. A Secretaria de Agricultura do Paraná considera o plantio de trigo concluído no estado.

Já a colheita de trigo alcançava, até domingo, 3,9% da área estimada em 2023/24, avanço de 0,4 ponto porcentual em relação à semana passada e atraso de 1,9 ponto porcentual ante igual período do ano passado. Apenas Goiás (73%) e Minas Gerais (23%) já iniciaram a retirada do cereal do campo.

Henrique Almeida/Estadão Conteúdo

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Agronegócio

Boletim Logístico da Conab aponta aumento na exportação de soja e retomada de vendas externas recordes

Publicado

em

Conab

 

 

As exportações de soja atingiram 13,95 milhões de toneladas em junho deste ano, com acréscimo de 3,7% em relação ao mês anterior, quando chegaram a 13,45 milhões. De acordo com o Boletim Logístico da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta terça-feira (23), esse resultado aponta para a retomada do movimento de vendas externas recordes.

Segundo a análise do Boletim, o aumento das cotações refletem a dinâmica atual do mercado interno, com fatores econômicos globais e locais que influenciam diretamente o comportamento dos preços e da oferta. Outros aspectos, como a valorização do dólar, também impactam significativamente, pois torna o produto brasileiro mais competitivo nas negociações externas, ao mesmo tempo em que aumenta os custos para produtores, sobretudo no plantio da próxima safra.

Publicidade

O estudo aponta ainda que a crescente demanda por óleo de soja para usos industriais e de biocombustíveis destaca a versatilidade e a importância desse produto no mercado brasileiro e global. O retorno dos prêmios de exportação aos níveis de 2022 sugere uma recuperação e um fortalecimento das posições do Brasil como um dos principais exportadores de soja e seus derivados.

No caso do milho, as vendas internacionais no mesmo período atingiram 850 mil toneladas, contra 420 mil toneladas observadas no mês passado. Os índices do milho nos portos brasileiros registraram aumentos impulsionados por vários fatores, entre eles o incremento nas cotações globais do cereal, a elevação dos prêmios de exportação e a valorização do dólar. No entanto, os preços internos continuam enfraquecidos, devido a fatores como os avanços nas colheitas da primeira e segunda safras, uma demanda relativamente baixa, entre outros.

Nas exportações pelos portos do Arco Norte, em junho/2024 foram expedidas 36,3% da soja e 49% da movimentação acumulada de milho. Por Santos, também foram escoadas 35,7% da soja e 26,9% do milho, enquanto o porto de Paranaguá totalizou 12,6% do montante nacional da oleaginosa e uma diminuição do cereal, de 19,2% para 6,5%, no mesmo período. Já pelo porto de São Francisco do Sul, foram escoadas 6,2% da soja e 9,6% do milho.

Fretes – Na Região Sudeste do país, o Boletim destaca que, em Minas Gerais, os produtos agropecuários responderam por 38,3% do valor total das vendas externas do estado. Pela primeira vez na série histórica, a média mensal das exportações foi superior a US$ 1 bilhão no período de janeiro a maio/2024. Com isso, na avaliação das transportadoras, o grande volume de soja que continua armazenado fará com que o setor siga aquecido ao longo do segundo semestre, que poderá inclusive ser reforçado pelo aporte de embarques de milho da safra atual, cuja comercialização no estado e volume exportado, em relação ao ano passado, não ultrapassou 50% da produção.

Já em São Paulo, o mercado de fretes também esteve aquecido devido ao incremento na comercialização do milho. Apesar da baixa demanda por fertilizantes, as cotações foram de alta em quase todos os trechos pesquisados.

Publicidade

No Centro-Oeste, os fretes com origem no Distrito Federal registraram variações de aumento em quase todas as praças pesquisadas, com destaque para as rotas com destino a Santos, Guarujá e Osvaldo Cruz, em São Paulo. Em Mato Grosso, a colheita do milho segunda safra, em conjunto com a reta final dos embarques de soja para liberação de espaço e a conjuntura de intensas negociações, causaram forte impacto na logística mato-grossense e elevada demanda por transportes, o que impulsionou a alta das cotações em todas as praças estaduais.

O frete a partir de Mato Grosso do Sul também ficou mais caro em junho, pelos mesmos motivos de colheita do milho segunda safra, necessidade de abertura de espaço nos armazéns e demanda por soja aquecida. Já em Goiás, apesar do incremento na demanda por fretes, em função do avanço da colheita do milho, as empresas se queixam dos baixos preços dos produtos.

Quanto à Região Nordeste, no estado do Maranhão houve um aumento da demanda por serviços de transporte dos grãos e, consequentemente, a tendência de elevação dos preços dos fretes rodoviários no estado, com o deslocamento dos grãos para o porto de Itaqui, para o Terminal Ferroviário de Porto Franco e para outros estados.

Na Bahia, onde o fluxo logístico com o transporte de grãos e fertilizantes foi intenso em junho de 2024, identificaram-se altas nos fretes e no volume transportado em relação ao mês anterior. No Piauí, o mercado de fretes também segue bastante aquecido, com forte aumento na demanda, que provocou uma reação nos fretes nas diversas rotas de escoamento do estado. Na média, oincremento nos valores ficou em cerca de 4,27%, em comparação ao mês anterior.

Na Região Sul, o Paraná, com exceção da praça de Ponta Grossa, que manteve o preço anterior, apresentou aumento em todos os demais trechos, especialmente a partir de Cascavel (16,34%) e de Campo Mourão (10%).

Publicidade

O Boletim Logístico da Conab traz ainda informações sobre os desembarques de adubos e fertilizantes nos portos brasileiros e ainda dados sobre a movimentação de estoques da Conab, realizada por transportadoras contratadas via leilão eletrônico. O periódico mensal coleta dados em dez estados produtores, com análises dos aspectos logísticos do setor agropecuário, posição das exportações dos produtos agrícolas de expressão no Brasil, análise do fluxo de movimentação de cargas e levantamento das principais rotas utilizadas para escoamento da safra. Confira a edição completa do Boletim Logístico – Julho/2024, disponível no site da Companhia.

Conab

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Agronegócio

Torneio Leiteiro chega à marca de 30 edições na Exposul trazendo o que tem de melhor do setor na região

Publicado

em

Assessoria

 

 

O segmento de produção de leite da região sul marcará presença na 50ª Exposul, dentro de um dos mais tradicionais Torneios Leiteiro de Mato Grosso, que neste ano atinge a marca de 30 edições. Por conta disso, a comissão organizadora prevê uma disputa acirrada e premiação recorde para as vacas vencedoras da competição.

Para receber o tradicional “banho de leite” dos campeões ao final da competição, o coordenador do Torneio Leiteiro da Exposul, Leonardo Freitas, projeta uma disputa acirrada entre as nove propriedades da região já confirmadas vindas de Itiquira, Dom Aquino, São José do Povo e Rondonópolis. “Nós esperamos para este ano um aumento na média da produção da campeã, e também dos outros animais com uma maior média durante o torneio, com a expectativa que as primeiras colocadas ultrapassem a marca recorde do estado”, explicou.

Publicidade

Pensando nas próximas edições, o Torneio Leiteiro abre espaço para as novilhas e vacas jovens que nas propriedades já se destacam, e devem brigar pelo título da competição em um futuro próximo. Estes animais ficarão expostos no pavilhão juntamente com as competidoras deste ano. “É a oportunidade para quem quer adquirir um animal aqui da região, saber de que propriedade é sua origem e visitá-la depois. Pois aqui em Rondonópolis, nós somos um polo produtor de animais leiteiros, composto por Itiquira, São José do Povo, Dom Aquino, Campo Verde, que significa que o produtor não precisa ir para outro estado comprar animais de qualidade”, destacou.

A competição que prestigia a cadeia produtiva leiteira da região, seguirá o modelo dos últimos anos com três dias de ordenha e pesagem da produção de leite no Pavilhão Juscelino da Costa Martins, com os primeiros colocados recebendo premiação em dinheiro e troféus.

SHOWS – A Cinquentona, como a Exposul está carinhosamente sendo chamada terá uma grade de respeito com shows com Luan Santana (07/08), Simone Mendes (08/08), Matheus & Kauan (09/08) e encerrando a feira Zé Neto & Cristiano e DJ Jiraya Uai (10/08). Além destas atrações, nos dois primeiros dias de festa, 05 e 06 de agosto, a comunidade terá portões abertos com shows religiosos e arrecadação de alimentos.

VENDA PASSAPORTES – Os valores dos passaportes e ingressos que estão no 2º lote são passaporte/pista de R$ 270,00 e passaporte/área vip de R$ 480,00, ambos com acesso ao parque e todos os shows, e o passaporte estacionamento R$ 100 reais.

Os pontos de vendas nesta edição são Rancho Country, Padaria Vip, West Country, TXC Shopping, Casa de Carnes Santa Fé, Casa Jardim, Selaria Jaciara, Pika Pau Conveniência e pelo site Guicheweb.

A Exposul 50 conta com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Rondonópolis, Governo do Estado de Mato Grosso, Câmara Municipal de Rondonópolis, Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat), Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT), Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Sistema Famato) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar MT).

Publicidade

Primeira Hora

Colaborou:  Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência