Conecte-se Conosco

Agronegócio

Polêmica em torno do leilão da Conab agita a política, mas mantém o mercado de arroz estável

Publicado

em

Assessoria

A realização do leilão promovido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a importação de 300 mil toneladas de arroz beneficiado, na última quinta-feira (06.06), provocou – ao contrário do que se esperava – estabilidade no mercado de arroz e a expectativa é de que o cenário que perdure ao longo desta semana.

A operação, que negociou 263,3 mil toneladas, ocorreu em meio a uma intensa disputa jurídica e desde então está cercada de denúncias e suspeitas de favorecimento e outros problemas. Até uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) já foi solicitada para investigar a compra.

Em consequência, especialistas dizem que o mercado atual está “confuso, incerto e desanimado”. A liberação do leilão aumentou as preocupações no setor. Houve cancelamentos de negócios por parte dos vendedores, que esperavam adquirir o produto subsidiado a preços mais baixos, impactando imediatamente a dinâmica de negociação.

Edegar Pretto, presidente da Conab, mencionou a politização do leilão e as ações judiciais que tentaram impedir a operação. Segundo ele, o objetivo do leilão era garantir acesso mais fácil e barato ao arroz para a população. “Aqueles que se opuseram ou não entenderam a iniciativa ou viram uma oportunidade de fazer oposição,” afirmou.

Publicidade

Pretto enfatizou que toda a documentação está em conformidade com a legislação. “Questionaram se a ação era precipitada. Precipitado era o preço subir mais de 19% em um mês, como aconteceu em Santa Catarina. Em algumas regiões, o aumento foi de 100%. O governo precisava agir para garantir a segurança alimentar e combater a fome. Tínhamos plena certeza da legalidade da operação,” justificou.

Apesar das turbulências, a semana registrou preços praticamente estáveis. A média da saca de 50 quilos de arroz no Rio Grande do Sul (com 58/62% de grãos inteiros e pagamento à vista) foi cotada a R$ 120,73 no dia 6, um aumento de 0,06% em relação à semana anterior. Em comparação ao mesmo período do mês passado, houve uma alta de 11,09%, e um aumento de 48,49% em relação ao mesmo período de 2023.

A situação permanece delicada, com o setor aguardando os próximos desdobramentos tanto no mercado quanto nas investigações sobre a operação do leilão da Conab.

NOTA – Nesta segunda-feira (10.06) a Wisley A de Sousa Ltda. uma das empresas participantes do leilão e sobre a qual se levou suspeitas, emitiu nota informando: “Com mais de 17 anos de experiência no comércio atacadista de alimentos, a empresa Wisley A de Sousa Ltda, que foi a maior arrematante de lotes, vai fornecer 147,3 mil toneladas de arroz, dentro do cronograma estabelecido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e cumprindo rigorosamente as normas de controle e qualidade.

A empresa, com sede em Macapá (AP) assumiu este compromisso ciente de que a importação é necessária para reduzir o preço final ao consumidor de um produto essencial na alimentação dos brasileiros.

Publicidade

A Wisley tem solidez e mais de 17 anos de experiência no comércio atacadista, na armazenagem e na distribuição em todo Brasil de produtos alimentícios, com um faturamento mais de R$ 60 milhões apenas no ano passado. Resultado que vem crescendo ano após ano, com a ampliação do leque de marcas alimentícias que a empresa representa e distribui no Norte do país, região que apresenta a maior complexidade de logística do Brasil.

A empresa lamenta que grupos com interesses contrariados estejam tentando afetar sua imagem e deturpar a realidade num momento em que é essencial o país encontrar formas de assegurar o abastecimento de arroz para a população. Por isso, a Wisley está disposta a acelerar a importação de modo que o consumidor final não seja penalizado com o aumento que pode chegar de até 40% no preço do arroz aos brasileiros.

A empresa tem orgulho de sua origem na região Norte do país, e não poupará esforços para apoiar o Brasil em momento crítico, no qual sua experiência, excelência logística e transparência podem fazer a diferença”.

Fonte: Pensar Agro

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Mercado de tilápia enfrenta queda nos preços

Publicado

em

Foto: Canva

Em maio, o mercado de tilápia no Brasil enfrentou uma demanda lenta, enquanto a oferta de peixes se manteve elevada, resultando em uma pressão significativa sobre os preços em todas as regiões monitoradas. Essa tendência, destacada por pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ocorreu mesmo com o forte ritmo de exportações do produto.

Os pesquisadores do Cepea observam que esse período do ano costuma registrar desvalorizações no preço da tilápia, em grande parte devido à redução da demanda provocada pela chegada das temperaturas mais amenas. Esse fenômeno sazonal contribui para a diminuição no consumo interno, acentuando a queda nos preços.

Apesar do cenário doméstico desafiador, as exportações brasileiras de tilápia mostraram um desempenho robusto. Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume exportado de filés e produtos secundários de tilápia totalizou 1.389 mil toneladas em maio. Esse número representa um aumento expressivo de 65,7% em relação ao mês anterior e de 40% na comparação com maio de 2023.

AGROLINK – Aline Merladete

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Agronegócio

Conab Realiza Novos Leilões para Comercialização e Escoamento de Borracha Natural

Publicado

em

Reprodução

Nesta quinta-feira (13), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) realizará dois leilões públicos com o objetivo de apoiar a comercialização e o escoamento da borracha natural cultivada nos estados da Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Tocantins. A ação faz parte das medidas para a safra 2023/2024.

Oferta e Destinação dos Recursos

Serão ofertadas 2.028 toneladas através do Prêmio para Escoamento de Produto (PEP) e 11.492 toneladas pelo Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural e/ou sua Cooperativa (Pepro). A iniciativa é respaldada pela Portaria Interministerial nº 15, de 22 de fevereiro de 2024, dos Ministérios do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, da Agricultura e Pecuária, da Fazenda e do Planejamento e Orçamento, publicada em março. Essa portaria autorizou recursos de até R$ 70 milhões para apoiar o escoamento da safra 2023/2024, abrangendo os estados mencionados e destinando-se a qualquer região do Brasil.

Participação nos Leilões

Publicidade

No PEP, podem participar usinas de beneficiamento e comerciantes que comprovem a compra do produto pelo preço mínimo. Já no Pepro, o prêmio é destinado ao produtor ou cooperativa que realize a venda do produto pela diferença entre o preço mínimo e o valor do Prêmio Equalizador arrematado. Em ambos os casos, é necessário comprovar o escoamento conforme as condições estabelecidas no Aviso.

Os participantes devem estar registrados na Bolsa de Mercadorias pela qual desejam atuar e estar em situação regular no Sistema de Registro e Controle de Inadimplentes da Conab e no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (CADIN). Além disso, é preciso ter cadastro no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais e demais Agentes (Sican) da Conab, e estar regular no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (Sicaf), perante a Fazenda Federal e a Seguridade Social, entre outros requisitos especificados no edital.

Objetivo e Impacto

O apoio à comercialização por meio dos instrumentos PEP e Pepro visa estimular a cadeia produtiva nacional da borracha cultivada, estabilizando o mercado e garantindo renda ao produtor rural. Essa iniciativa é parte central da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), que busca assegurar uma remuneração justa aos produtores e promover a estabilidade do mercado.

Fonte: Portal do Agronegócio

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Agronegócio

Comercialização da soja brasileira safra 2023/24 atinge 65,7% da produção estimada, aponta DATAGRO

Publicado

em

Foto: iStock

A comercialização da safra 2023/24 de soja no Brasil alcançou 65,7% da produção estimada até o final de maio, conforme levantamento realizado pela DATAGRO Grãos. Esse percentual está acima dos 58,6% registrados no mesmo período do ano passado, mas ainda distante dos 87,5% do recorde da safra 2019/20 e dos 72,4% da média dos últimos cinco anos.

O avanço mensal foi de 13,7 pontos percentuais, superando os 9,4 p.p. do mês anterior, os 7,0 p.p. de 2023 e a média normal de 7,4 p.p. “O ritmo melhor dos negócios confirmou nossas expectativas, pois a esperada valorização dos preços aconteceu. Também houve a necessidade de alavancagem de recursos para a compra de insumos da safra 2024/25”, explicou Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da DATAGRO Grãos.

Considerando a atual estimativa de produção de 147,6 milhões de toneladas, os produtores brasileiros negociaram até a data analisada 97,0 milhões de toneladas de soja. No mesmo período do ano passado, esse volume negociado estava em 94,2 milhões de toneladas.

Safra 2024/25

Publicidade

As negociações da safra 2024/25 também apresentaram um avanço significativo. O levantamento da DATAGRO Grãos aponta que 8,6% da produção esperada foi comprometida, um salto mensal de 3,4 p.p., acima dos 2,9 p.p. no mesmo período do ano passado e da média plurianual de 3,3 p.p. No entanto, esse fluxo está abaixo dos 9,4% comprometidos em 2023 e distante dos 33,1% do recorde da safra 2020/21, além de inferior à média plurianual de 17,2%.

De acordo com as projeções iniciais da consultoria, a safra 2023/24 pode alcançar 160,5 milhões de toneladas, representando um crescimento de 9% em relação à temporada atual.

Milho

As negociações da safra 2023/24 de milho de verão no Centro-Sul do Brasil também avançaram em maio. O levantamento da DATAGRO Grãos indica que 40,4% da produção esperada foi comprometida, um salto mensal de 11,0 p.p., alinhado com a média plurianual e acima dos 9,5 p.p. do levantamento anterior e dos 9,3 p.p. no mesmo período do ano passado. Assim, a comercialização está aquém dos 49,2% comprometidos em igual momento de 2023 e distante dos 63,0% da média normal.

“Em termos absolutos, temos vendas de 7,2 milhões de toneladas de uma safra de 17,8 milhões de toneladas. Na mesma época de 2023, tínhamos vendas de 9,9 milhões de toneladas”, comentou França Junior.

Publicidade

A comercialização da safra de inverno 2024 no Centro-Sul, estimada em 81,3 milhões de toneladas, alcançou 31,7%, comparado a 22,8% no levantamento anterior, 34,3% na mesma data do ano passado e uma média plurianual de 49,0%.

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência