Conecte-se Conosco

Pecuária

Confinamento de gado em Mato Grosso sobe 30%, aponta levantamento

Publicado

em

foto: arquivo/assessoria

O IMEA (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) fez, mês passado, o primeiro levantamento das intenções de confinamento no Estado e o resultado, divulgado ontem, aponta que a perspectiva de 74,1% dos confinadores é realizar atividade ao longo do ano o que representa 724,90 mil cabeças. Esse patamar é 30,57% superior ao consolidado de 2023.

Segundo os técnicos do instituto, essa alta se deve à redução nos custos da diária confinada, que fechou em R$ 12,21/cabeça/dia (operacional + alimentar), menor custo nos últimos três anos nos levantamentos realizados em abril. Essa queda foi influenciada, principalmente, pela maior desvalorização nos preços do milho em relação ao boi gordo, fortalecendo a relação de troca do pecuarista.

Outro item que se tornou atrativo para os confinadores foi a retração do custo na aquisição de animais, uma vez que o ágio da arroba do boi magro sobre a do boi gordo ficou em 7,60%, menor valor nos últimos dez anos para o período. No entanto, a baixa lucratividade e o preço do boi gordo ainda são as principais preocupações entre os pecuaristas entrevistados.

Só Notícias

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pecuária

Pecuaristas Devem Considerar Capacidade de Carga dos Misturadores de Ração

Publicado

em

Divulgação

 

Garantir uma nutrição eficiente para os bovinos é essencial em qualquer sistema de produção, seja confinamento, semiconfinamento ou Terminação Intensiva a Pasto (TIP). Nesse contexto, os misturadores de ração desempenham um papel fundamental, porém, é crucial que os pecuaristas estejam atentos à escolha desses equipamentos, considerando não apenas a capacidade volumétrica, mas também a capacidade de carga.

Diferença Crucial

Para entender a importância dessa distinção, é necessário compreender a diferença entre capacidade de carga e capacidade volumétrica. Enquanto a capacidade de carga se refere ao peso máximo que o equipamento pode suportar, a capacidade volumétrica diz respeito ao espaço interno disponível.

Publicidade

Frequentemente, produtores cometem o erro de escolher misturadores baseando-se apenas na capacidade volumétrica, sem levar em conta a capacidade de carga. Isso pode resultar em menor produtividade e rentabilidade, como alerta Mariana Rodrigues, Diretora de Operações e Marketing da Siltomac, ao destacar que alguns misturadores no mercado possuem capacidade de volume de 29m³, mas uma capacidade de carga limitada a apenas 11 toneladas.

Soluções Eficientes

Diante dessa realidade, a Siltomac oferece um portfólio diversificado de misturadores que atendem às diferentes demandas do campo. Com destaque para a Linha R e a Linha RR, que garantem capacidade de carga superior e eficiência na distribuição da ração.

Um exemplo é o premiado Misturador Acoplado 25.7RR, reconhecido por sua robustez e pela capacidade de promover a homogeneidade na mistura e distribuição da ração nos cochos, garantindo até 98% de eficácia. Além disso, a empresa apresenta o misturador de 32m³, com capacidade de carga de 15 toneladas, evidenciando a superioridade em relação a concorrentes.

Ao considerar tanto a capacidade volumétrica quanto a capacidade de carga, os pecuaristas podem garantir uma alimentação mais eficiente para seus rebanhos, promovendo assim maior produtividade e rentabilidade em suas operações.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Cotação da vaca gorda em Mato Grosso cai; do boi tem ‘sustentação’

Publicado

em

foto: assessoria/arquivo

Após duas semanas de desvalorização, a arroba do boi gordo apresentou sustentação, com queda de -0,11% no comparativo semanal, cotada a R$ 202,45/@, no Estado. A cotação da vaca gorda à vista baixou 0,92%, semana passada, e foi negociada a R$ 181,51/@.

O bezerro de 7@s (sobreano) foi cotado a R$ 8,99/kg na última semana, alta de 0,32%, reflexo da maior procura pela categoria em Mato Grosso.

Mesmo com queda de 4,68% na semana passada, as escalas permanecem alongadas, fechando a média semanal em 10,80 dias úteis no Estado. A informação é do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), no boletim semanal da pecuária.

Só Notícias

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Estratégias para a pecuária do futuro serão apresentadas pela primeira vez em Mato Grosso do Sul

Publicado

em

Foto: Assessoria

Após três etapas em Mato Grosso, com um público total superior a 1.500 pessoas, o 11º Simpósio Nutripura chega ao Mato Grosso do Sul para o seu último dia de campo de 2024. O evento, que vai apresentar as práticas e tecnologias que vêm garantindo maior produtividade, sustentabilidade e rentabilidade na pecuária de corte, acontece no dia 14 de junho, em São Gabriel D’Oeste.

Desta vez, o dia de campo acontece na Agropecuária Palmares, uma das propriedades mais produtivas da região. Na ocasião, especialistas irão demonstrar as estratégias adotadas na fazenda, desde o planejamento do sistema produtivo, o cuidado com os solos e a pastagem, o uso de ferramentas inovadoras, até a gestão do confinamento.

Parceira Nutripura há 8 anos, a Palmares conta hoje com o apoio de profissionais da empresa em todas as etapas da produção. Além disso, também utiliza o sistema KonectPasto, ferramenta que usa a inteligência artificial para o monitoramento das pastagens.

A adoção do pacote tecnológico trouxe resultados expressivos à Agropecuária Palmares, que atingiu uma produtividade superior a 130 arrobas por hectare na última safra, sendo mais de 60 arrobas produzidas exclusivamente a pasto. Também foram observados ganhos ambientais expressivos além de um lucro médio de R$ 2.500 por hectare – rentabilidade semelhante à obtida pela agricultura na região.

Publicidade

Todas as soluções desenvolvidas pela Nutripura serão apresentadas no dia de campo, assim como a fórmula para transformar a pecuária em uma atividade muito mais sustentável, produtiva e rentável. As inscrições para o evento já estão disponíveis através do site nutripura.com.br/simposio.

Cairo Lustoza/AguaBoaNews

Colaborou:  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência