Conecte-se Conosco

Agricultura

Alfaces da Embrapa se desenvolveram em temperaturas de 30°C durante 45 dias

Publicado

em

Reprodução

 

As cultivares de alface crespa da Embrapa, BRS Leila e BRS Mediterrânea, obtiveram o melhor desempenho em experimentos com temperaturas mais altas. Os pesquisadores simularam um cenário de aumento de 5ºC de temperatura, passando da média de 25ºC para 30ºC, durante 45 dias. Diferentemente de outras nove cultivares testadas no mesmo experimento, as duas se desenvolveram bem nas novas condições.

O estudo avaliou o efeito da temperatura sobre o desenvolvimento de plantas de alface, com o intuito de antecipar efeitos das mudanças no clima do planeta. “Para isso, trabalhamos dois valores de temperatura do ar, conforme a média histórica observada e projetada em um cenário extremo de mudanças climáticas globais (MCGs) para o Brasil: 25ºC/20ºC e 30ºC/25ºC (dia e noite, respectivamente)”, detalha o pesquisador da Embrapa Hortaliças (DF), Carlos Pacheco.

Os experimentos foram conduzidos na Câmara de Crescimento Vegetal do centro de pesquisa, capaz de simular parâmetros atmosféricos como temperatura, umidade relativa do ar e concentração de gás carbônico, por exemplo. O pesquisador lembra que as hortaliças folhosas são mais suscetíveis ao calor e, entre elas, a alface é a mais consumida do País de acordo com a Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (Abcsem), o que torna o trabalho importante para o esforço de adaptação às mudanças no clima.

Publicidade

Características que fizeram a diferença

As duas cultivares da Embrapa apresentam características capazes de contornar o aumento de temperatura, segundo explica o pesquisador Fábio Suinaga, desenvolvedor de ambos materiais. “A BRS Leila apresenta um atraso no florescimento da planta, o que a faz resistir, em média, dez dias a mais de calor em comparação às demais alfaces testadas”, relata o cientista.

Já a BRS Mediterrânea atinge o ponto de colheita mais rápido, sete dias antes das cultivares similares no mercado. “Com um ciclo produtivo mais curto, ela fica menos exposta ao calor e evita o florescimento precoce”, detalha Suinaga. Ele explica que esse florescimento antes do tempo causa efeitos deletérios como alongamento do caule, redução do número de folhas e produção de látex, substância que confere sabor amargo à folhosa. Tudo isso reduz o valor comercial da alface.

Já as cultivares comerciais, sob as mesmas alterações de temperatura, apresentaram uma série de desordens, como pendoamento, queima de borda, clorose, necrose, morte de plantas, em resumo não podiam ser comercializadas. “Quando se observa que as nossas cultivares ficaram firmes apesar dos 30º C é uma demonstração de que temos um material genético adaptado às certas condições adversas”, comemora o pesquisador.

A Câmara de Crescimento Vegetal

Publicidade

A principal ferramenta de avaliação das cultivares pelos pesquisadores, para avaliação da tolerância ao calor, tem sido um equipamento que funciona como um simulador.

A Câmara de Crescimento Vegetal é um ambiente fechado capaz de simular cenários climáticos futuros. Em um espaço reduzido, é possível testar o comportamento das plantas, cultivadas em vasos, a partir da projeção de diferentes fatores como temperatura, umidade, CO2, radiação e outros. “Nesse ambiente simulado, as plantas são expostas às condições extremas para que se identifique as mais resilientes às altas temperaturas e a outros fatores como o déficit hídrico, por exemplo”, acrescenta.

Próximo passo: testes de estresse hídrico

Pacheco informa que o trabalho faz parte de uma série de estratégias de enfrentamento às condições climáticas. A equipe pretende continuar os estudos com outras frentes, a fim de selecionar materiais cada vez mais tolerantes ao calor. “Neste momento estamos trabalhando a tolerância ao calor, e na segunda etapa devemos focar no estresse hídrico (por excesso ou falta de água), envolvendo a tolerância à salinização, seguida pelo comportamento com relação ao uso de bioinsumos”, anuncia Pacheco.

Participantes e mais informações

Publicidade

Também participaram desse trabalho, os pesquisadores Leonardo Boiteux, Maria Esther Fonseca, Lucimeire Pilon e Mariana Fontenelle.

Veja mais sobre as alfaces da Embrapa: BRS Leila e BRS Mediterrânea.

Colaborou:  Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Mercado de trigo enfrenta desafios com estoques limitados

Publicado

em

Foto: Canva

 

O mercado de trigo no Brasil continua a mostrar uma demanda crescente por produtos de qualidade superior, mas enfrenta desafios significativos com estoques limitados e condições climáticas preocupantes. Com a temporada de plantio em andamento, produtores e comerciantes estão atentos às mudanças no clima e às compras externas, que podem influenciar diretamente os preços e a disponibilidade do trigo no mercado.

Segundo informações do Cepea, os estoques de trigo no país estão restritos, e a preocupação com a falta de chuva nas últimas semanas aumenta. No Paraná, as atividades de semeadura estão praticamente finalizadas, com 99% da área já plantada. No entanto, no Rio Grande do Sul, a semeadura está atrasada, atingindo apenas 85% do previsto para este ano, o que representa um atraso em comparação com a temporada anterior.

Os baixos índices pluviométricos nas últimas semanas têm sido uma preocupação constante para os agricultores, que dependem das condições climáticas favoráveis para garantir uma boa colheita. Além disso, as compras externas de trigo também são monitoradas de perto pelos agentes do mercado, que buscam alternativas para suprir a demanda interna diante dos desafios atuais.

Publicidade

Com as atividades de campo avançando de maneira desigual entre as regiões produtoras, o mercado brasileiro de trigo permanece em alerta. A qualidade do produto, aliada à capacidade de atender à demanda interna, será determinante para a estabilidade do setor nos próximos meses. Os agentes do mercado esperam que as condições climáticas melhorem e que os estoques possam ser reforçados para atender às necessidades do consumidor brasileiro.

AGROLINK – Aline Merladete

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Agricultura

Peixe BR: exportação de peixes de cultivo cresceu 72% no 2º trimestre ante o 1º

Publicado

em

Foto: Gabriel Pupo Nogueira/ Embrapa

 

A exportação de peixes de cultivo cresceu 72% no segundo trimestre deste ano, ante o primeiro trimestre de 2024, com faturamento de US$ 23,7 milhões entre abril e maio, mostra informativo do Comércio Exterior da Piscicultura, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), realizado em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR).

Em nota, a entidade diz que o destaque foi a tilápia, com 92% do total. O principal destino dos peixes brasileiros foram os Estados Unidos, com 87% do total. Em volume foram exportadas no trimestre 3.332 toneladas, 89% a mais do que no mesmo período de 2023.

“Com esse bom trimestre, fechamos o primeiro semestre do ano com receita equivalente a 96% de todo o faturamento de 2023”, disse o presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros. Em volume, as 5.417 toneladas exportadas no semestre representam 76% do total embarcado em 2023.

Publicidade

O Paraná segue como maior exportador. No segundo trimestre de 2024, foram US$ 9,8 milhões (72% do total exportado pelo Brasil). Em seguida, aparece São Paulo, com US$ 3,6 milhões (14% a mais do que no primeiro trimestre do ano, com 26% do total).

“Com o resultado, a balança comercial da piscicultura reduziu o déficit para US$ 231 milhões – já que foram importados US$ 246 milhões em produtos da piscicultura mundial. O salmão segue como a espécie mais importada pelo Brasil, representando US$ 218 milhões”, disse a Peixe BR.S

Estadão Conteúdo

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Agricultura

JBS Aloca R$ 400 Milhões para Expansão da Produção de Salmão na Austrália

Publicado

em

Reprodução

A JBS, uma das maiores empresas globais no setor de alimentos, anunciou um investimento de 110 milhões de dólares australianos (equivalentes a mais de R$ 400 milhões) para expandir a produção de salmão na unidade Huon Aquaculture, localizada em Whale Point, na Tasmânia. O aporte será destinado à construção de um novo incubatório com capacidade para produzir mais de 7 milhões de peixes. As obras estão previstas para começar em 2025 e devem ser concluídas até 2027.

Com essa expansão, a Huon Aquaculture poderá prolongar o cultivo dos peixes em tanques terrestres, reduzindo o tempo e os custos associados ao ambiente marinho. Desde 2019, a Huon lidera o uso de instalações desse tipo na Tasmânia, com a inauguração de seu primeiro berçário em Whale Point.

Henrique Batista, CEO da Huon, destacou que “o projeto reforça o perfil inovador e pioneiro da Huon. O salmão passará a maior parte do seu ciclo produtivo em terra, fortalecendo nossa capacidade instalada. Além disso, o investimento permitirá que o índice de reuso de água na unidade alcance 99%. O percentual restante é utilizado em outras etapas da produção: os resíduos são tratados e aplicados como adubo na produção de cerejas por agricultores locais.”

Durante a construção do novo incubatório, serão gerados 150 empregos. Atualmente, a Huon emprega mais de 1.000 pessoas na Austrália. A companhia mantém um compromisso com a economia circular, transformando resíduos do processamento em rações, petiscos para animais de estimação e fertilizantes, e destacando-se pelo monitoramento rigoroso das suas operações.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência