Conecte-se Conosco

Agronegócio

Drenagem do aeroporto Salgado Filho feita por arrozeiros é concluída

Publicado

em

Foto: Emerson Foguinho/Divulgação

A operação realizada de forma voluntária pelos arrozeiros e empresas parceiras para a drenagem das águas das enchentes no Aeroporto Internacional Salgado Filho de Porto Alegre se encerrou nesta terça-feira, dia 4 de junho. As bombas cedidas para o trabalho entraram em operação em 25 de maio por meio do projeto Drenar RS que contou com a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) e empresas como WR, InfoSafras, Gebras, Agropecuária Canoa Mirim, Expoente, Numerik, CCM, Garanto, Grupo Cavalhada, Instituto Caldeira e Idealiza, juntamente com outros voluntários. Empresas como Agrimec, SLC John Deere, Sotrima Massey Fergusson, Grupo Ceolin, Tomasetto Engenharia, Grupo Quero Quero e Coragon Agropecuária também se integraram à ação.

O diretor executivo e jurídico da Federarroz, Anderson Belloli, ressaltou a disponibilidade e o engajamento dos arrozeiros e parceiros no trabalho. “Assim como boa parte da sociedade civil, a Federação conseguiu, juntamente com arrozeiros e outros parceiros, dar uma resposta à altura do que se espera do setor agropecuário do nosso Estado”, observou. Belloli destacou, ainda, que os arrozeiros estiveram ao lado da sociedade gaúcha desde os primeiros momentos, no sentido de “tirar as pessoas de regiões alagadas, acomodá-las em outros locais com segurança, conseguir doações e alimentar muitas dessas pessoas prejudicadas”, ressaltou.

Belloli referiu também que a iniciativa do projeto Drenar RS, que trabalhou na drenagem de águas em Pelotas, foi fundamental na ação feita no aeroporto da capital e Região Metropolitana. “Trouxemos aqui para Porto Alegre e estendemos até Novo Hamburgo este projeto de modo a mitigar todo o dano, o sofrimento das pessoas neste momento de extrema tristeza para o nosso Estado”, enfatizou.

O produtor Daniel Jaeger Gonçalves, que coordenou a ação no Salgado Filho, lembrou que o trabalho de drenagem das águas do aeroporto começou há 11 dias e destacou a importância da ajuda dos produtores da região de Pelotas (RS) que planejaram toda a operação, juntamente com o Departamento Municipal de Águas e Esgotos, o Dmae, e a Fraport, a concessionária do aeroporto. “Viemos para cá e juntamente com vários voluntários arrozeiros e do agronegócio em geral, empresários, uma construtora, Forças Armadas começamos essa operação de guerra, onde pegamos sol, chuva, frio”, comentou.

Publicidade

Gonçalves destacou que além das bombas foi necessário comprar encanamentos e madeiras, entre outros materiais. “Cada dia era um desafio, as bombas desligavam, tínhamos que colocar em funcionamento novamente. Mas a grande questão é que todo mundo pegava junto e aí conseguimos na sequência ver os primeiros resultados com dois ou três dias de bombeamento, o que motivou a todos”, recordou. O produtor não tem uma estimativa ainda do volume de água drenado, mas observou que foi tirada água não só do aeroporto mas também de bairros do entorno. “O sentimento é de dever cumprido ao ver a pista seca e já visualizar os primeiros trabalhos no sentido de reconstrução do local”, pontuou.

O produtor Lauro Soares Ribeiro, um dos responsáveis que trouxe a iniciativa para a Região Metropolitana após ação em Pelotas, lembrou que tudo começou com uma vontade de ajudar. “Após termos êxito no trabalho em Pelotas, viemos para Porto Alegre onde fizemos reuniões com o Dmae e a Fraport e entendemos que poderíamos ajudar, o que foi feito com a organização da Federarroz”, informou.

O produtor André Velho, de Mostardas (RS), primeiro a trazer suas bombas para o bairro Anchieta, afirmou que os produtores rurais de arroz e soja da Metade Sul do estado têm bastante experiência com drenagem e por isso tomaram a iniciativa de procurar os órgãos oficiais para oferecer a sua expertise. “Enviamos bombas flutuantes para o Dmae que foram instaladas na estação de bombeamento 6 no bairro Anchieta e depois surgiu o projeto do aeroporto”, salientou, colocando ser gratificante para os produtores a ajuda para acelerar essas drenagens. “Esse é o espírito de cooperação que temos entre o nosso grupo de produtores da Metade Sul. O campo e a cidade dependem um do outro e precisam andar juntos,” finalizou.

O produtor Cláudio Evangelista Tavares, de Tapes (RS), disse que se agregou ao projeto porque conhece irrigação, e quando ficou sabendo que a entidade estava apoiando a proposta, se colocou à disposição. “Trabalhamos 11 dias ininterruptamente e graças a Deus pudemos dar como encerrado esse ciclo no aeroporto, na parte que nos cabia”, ressaltou.

Partindo do modelo topográfico de elevação foi possível calcular o volume de água, não só do aeroporto mas dos bairros do entorno. O tempo calculado foi de cinco a seis dias de drenagem, que atrasou um pouco devido às chuvas no período. Foram drenados cerca de quatro milhões de metros cúbicos de água em 300 hectares de área. No total foram 14 bombas cedidas por produtores de Camaquã, Mostardas e Uruguaiana e da empresa Agrimec, de Santa Maria.

Publicidade

Texto: Nestor Tipa Júnior, Rejane Costa, Ieda Risco e Artur Chagas/AgroEffective

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Mercado de tilápia enfrenta queda nos preços

Publicado

em

Foto: Canva

Em maio, o mercado de tilápia no Brasil enfrentou uma demanda lenta, enquanto a oferta de peixes se manteve elevada, resultando em uma pressão significativa sobre os preços em todas as regiões monitoradas. Essa tendência, destacada por pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ocorreu mesmo com o forte ritmo de exportações do produto.

Os pesquisadores do Cepea observam que esse período do ano costuma registrar desvalorizações no preço da tilápia, em grande parte devido à redução da demanda provocada pela chegada das temperaturas mais amenas. Esse fenômeno sazonal contribui para a diminuição no consumo interno, acentuando a queda nos preços.

Apesar do cenário doméstico desafiador, as exportações brasileiras de tilápia mostraram um desempenho robusto. Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume exportado de filés e produtos secundários de tilápia totalizou 1.389 mil toneladas em maio. Esse número representa um aumento expressivo de 65,7% em relação ao mês anterior e de 40% na comparação com maio de 2023.

AGROLINK – Aline Merladete

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Agronegócio

Conab Realiza Novos Leilões para Comercialização e Escoamento de Borracha Natural

Publicado

em

Reprodução

Nesta quinta-feira (13), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) realizará dois leilões públicos com o objetivo de apoiar a comercialização e o escoamento da borracha natural cultivada nos estados da Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Tocantins. A ação faz parte das medidas para a safra 2023/2024.

Oferta e Destinação dos Recursos

Serão ofertadas 2.028 toneladas através do Prêmio para Escoamento de Produto (PEP) e 11.492 toneladas pelo Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural e/ou sua Cooperativa (Pepro). A iniciativa é respaldada pela Portaria Interministerial nº 15, de 22 de fevereiro de 2024, dos Ministérios do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, da Agricultura e Pecuária, da Fazenda e do Planejamento e Orçamento, publicada em março. Essa portaria autorizou recursos de até R$ 70 milhões para apoiar o escoamento da safra 2023/2024, abrangendo os estados mencionados e destinando-se a qualquer região do Brasil.

Participação nos Leilões

Publicidade

No PEP, podem participar usinas de beneficiamento e comerciantes que comprovem a compra do produto pelo preço mínimo. Já no Pepro, o prêmio é destinado ao produtor ou cooperativa que realize a venda do produto pela diferença entre o preço mínimo e o valor do Prêmio Equalizador arrematado. Em ambos os casos, é necessário comprovar o escoamento conforme as condições estabelecidas no Aviso.

Os participantes devem estar registrados na Bolsa de Mercadorias pela qual desejam atuar e estar em situação regular no Sistema de Registro e Controle de Inadimplentes da Conab e no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (CADIN). Além disso, é preciso ter cadastro no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais e demais Agentes (Sican) da Conab, e estar regular no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (Sicaf), perante a Fazenda Federal e a Seguridade Social, entre outros requisitos especificados no edital.

Objetivo e Impacto

O apoio à comercialização por meio dos instrumentos PEP e Pepro visa estimular a cadeia produtiva nacional da borracha cultivada, estabilizando o mercado e garantindo renda ao produtor rural. Essa iniciativa é parte central da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), que busca assegurar uma remuneração justa aos produtores e promover a estabilidade do mercado.

Fonte: Portal do Agronegócio

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Agronegócio

Comercialização da soja brasileira safra 2023/24 atinge 65,7% da produção estimada, aponta DATAGRO

Publicado

em

Foto: iStock

A comercialização da safra 2023/24 de soja no Brasil alcançou 65,7% da produção estimada até o final de maio, conforme levantamento realizado pela DATAGRO Grãos. Esse percentual está acima dos 58,6% registrados no mesmo período do ano passado, mas ainda distante dos 87,5% do recorde da safra 2019/20 e dos 72,4% da média dos últimos cinco anos.

O avanço mensal foi de 13,7 pontos percentuais, superando os 9,4 p.p. do mês anterior, os 7,0 p.p. de 2023 e a média normal de 7,4 p.p. “O ritmo melhor dos negócios confirmou nossas expectativas, pois a esperada valorização dos preços aconteceu. Também houve a necessidade de alavancagem de recursos para a compra de insumos da safra 2024/25”, explicou Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da DATAGRO Grãos.

Considerando a atual estimativa de produção de 147,6 milhões de toneladas, os produtores brasileiros negociaram até a data analisada 97,0 milhões de toneladas de soja. No mesmo período do ano passado, esse volume negociado estava em 94,2 milhões de toneladas.

Safra 2024/25

Publicidade

As negociações da safra 2024/25 também apresentaram um avanço significativo. O levantamento da DATAGRO Grãos aponta que 8,6% da produção esperada foi comprometida, um salto mensal de 3,4 p.p., acima dos 2,9 p.p. no mesmo período do ano passado e da média plurianual de 3,3 p.p. No entanto, esse fluxo está abaixo dos 9,4% comprometidos em 2023 e distante dos 33,1% do recorde da safra 2020/21, além de inferior à média plurianual de 17,2%.

De acordo com as projeções iniciais da consultoria, a safra 2023/24 pode alcançar 160,5 milhões de toneladas, representando um crescimento de 9% em relação à temporada atual.

Milho

As negociações da safra 2023/24 de milho de verão no Centro-Sul do Brasil também avançaram em maio. O levantamento da DATAGRO Grãos indica que 40,4% da produção esperada foi comprometida, um salto mensal de 11,0 p.p., alinhado com a média plurianual e acima dos 9,5 p.p. do levantamento anterior e dos 9,3 p.p. no mesmo período do ano passado. Assim, a comercialização está aquém dos 49,2% comprometidos em igual momento de 2023 e distante dos 63,0% da média normal.

“Em termos absolutos, temos vendas de 7,2 milhões de toneladas de uma safra de 17,8 milhões de toneladas. Na mesma época de 2023, tínhamos vendas de 9,9 milhões de toneladas”, comentou França Junior.

Publicidade

A comercialização da safra de inverno 2024 no Centro-Sul, estimada em 81,3 milhões de toneladas, alcançou 31,7%, comparado a 22,8% no levantamento anterior, 34,3% na mesma data do ano passado e uma média plurianual de 49,0%.

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência