Conecte-se Conosco

Pecuária

Gripe aviária pode se tornar uma ameaça global, dizem especialistas

Publicado

em

Reprodução

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou 889 casos de gripe aviária em seres humanos em 23 países, resultando em 463 mortes, uma taxa de mortalidade alarmante de 52%. Os especialistas alertam que, sem uma vigilância adequada e uma resposta rápida, a gripe aviária pode se tornar uma ameaça global. significativa.

O H5N1, chamado também de “gripe aviária”, vem evoluindo em câmera lenta, mas de forma constante. A possibilidade de que a gripe aviária possa se transformar em uma pandemia transmitida entre humanos e alcançar proporções mundiais é real, embora os especialistas ainda não possam precisar quando isso pode ocorrer.

Cientistas que monitoram a disseminação da gripe aviária estão cada vez mais preocupados com as lacunas na vigilância, que podem impedir uma resposta rápida a uma nova pandemia. Em entrevistas à Reuters, mais de uma dúzia de especialistas em doenças expressaram suas preocupações sobre a atual situação.

Publicidade

Scott Hensley, professor de microbiologia na Universidade da Pensilvânia, destacou a seriedade da situação: “Parece quase uma pandemia se desenrolando em câmera lenta. Agora mesmo, a ameaça é bem baixa… mas isso pode mudar num piscar de olhos.” A prontidão para uma possível transmissão entre humanos é crucial para que as autoridades de saúde global possam iniciar rapidamente o desenvolvimento de vacinas, testes em larga escala e medidas de contenção.

A vigilância sobre a gripe aviária nos EUA apresenta sérias limitações. Atualmente, o monitoramento federal de vacas leiteiras está restrito a testes realizados antes do transporte entre estados. No entanto, os esforços de teste variam amplamente entre os estados, e os testes em pessoas expostas a gado infectado são escassos. Ron Fouchier, virologista da gripe no Erasmus Medical Center em Roterdã, enfatizou a necessidade de dados mais detalhados: “É preciso saber quais são as explorações positivas, quantas vacas são positivas, quão bem o vírus se espalha, durante quanto tempo estas vacas permanecem infecciosas, a via exata de transmissão.”

A Dra. Jeanne Marrazzo, diretora do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, também expressou preocupações sobre a vigilância humana: “A vigilância em humanos é muito, muito limitada.” Ela descreveu a rede de vigilância da gripe humana dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA como “um mecanismo passivo de relato e apresentação”. Embora o Departamento de Agricultura dos EUA seja mais proativo em testar vacas, não divulga publicamente quais fazendas são afetadas.

Desde 2020, muitos cientistas têm monitorado a nova cepa de gripe aviária H5N1 em aves migratórias. No entanto, a disseminação do vírus para 129 rebanhos leiteiros em 12 estados dos EUA indica uma mudança preocupante, aproximando-o da possibilidade de transmissão entre humanos. Infecções também foram identificadas em outros mamíferos, incluindo alpacas e gatos domésticos.

Fonte: Pensar Agro

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pecuária

Conheça a ‘vaca raiz’, que vive sem cuidados especiais e produziu 103 kg de leite em MG

Publicado

em

Lilica produziu mais de 100 kg de leite no concurso em Santa Bárbara do Monte Verde — Foto: Arquivo Pessoal

 

Com mais de 650 kg e 2 metros de comprimento, uma vaca, conhecida como Lilica, tem chamado atenção no interior de Minas Gerais em relação à quantidade de produção de leite. Em um torneio, no último fim de semana, ela produziu mais de 100 kg de leite em um único dia, quatro vezes a média.

Da raça girolando meio-sangue, o animal é considerado ‘raiz’, visto que não recebe nenhum tipo de tratamento diferente das outras 450 vacas da fazenda de Fábio Portugal, em Santa Bárbara do Monte Verde.

“A Lilica realmente é uma vaca diferenciada, pois ela come a mesma ração feita com silagem e milho e recebe o hormônio Lactrotopin, que estimula a produção de leite, assim como as outras”, contou o dono do local.

Publicidade

Segundo o pesquisador e especialista na área de genética da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Marcos Vinicius Gualberto, a média de produção de uma vaca, em geral, é em torno de 23 kg por dia.

O organizador do evento, em que Lilica foi a grande vencedora, contou que ela produziu 103,540 kg em um único dia.

“Isso é muita coisa! Principalmente se for considerar que a segunda colocada produziu 82 kg”, disse Nathan.

Apesar de sempre ter produzido muito leite e estar na terceira lactação, Fábio Portugal explicou que a quantidade dessa leva foi uma surpresa.

Mas Lilica não tem o recorde mundial, que é de uma outra vaca. Há um ano, Baleia, como é chamada, produziu 132,2 kg de leite durante o Torneio de Gado Leiteiro de Passos.

Publicidade

Vaca Lilica pesa mais de 650 kg e tem mais de 2 metros e meio de comprimento — Foto: Arquivo Pessoal

 

Raça preferida para produção de leit

Ainda de acordo com o pesquisador da Embrapa, Marcos Vinicius, a raça girolando produz 80% do leite no Brasil. Além disso, Minas Gerais é destaque na maior concentração de animais.

Ao g1, o especialista também destacou que a girolando é a raça que mais cresce no país com a produção de sêmen. Com isso, o animal vem ganhando cada vez mais reconhecimento nacional e internacional.

Por Luiza Sudré, g1 Zona da Mata — Santa Bárbara do Monte Verde

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Pecuária

Mercado de leilões na pecuária gaúcha está mais otimista para o semestre

Publicado

em

Segundo a Trajano Silva Remates, mesmo após a tragédia climática os números nos remates vêm surpreendendo – Foto: Divulgação

 

 

Os leilões de reprodutores bovinos que ocorreram até agora estão finalizando com números um pouco melhores do que o imaginado. A avaliação é do leiloeiro e diretor da Trajano Silva Remates, Marcelo Silva. As enchentes de maio, que trouxeram uma baixa imediata no mercado pecuário, já começaram um movimento de reversão e as expectativas para este segundo semestre, em especial para as vendas de primavera, são promissoras.

Conforme o especialista, a enchente, de uma maneira muito impactante, no imaginário, projetou um cenário mais pessimista do que realmente vem acontecendo. “Diria que a primavera, no que se refere à bovinocultura, já tem uma previsão de que os números não sejam tão ruins. Eu me arriscaria a dizer que podemos pensar em touros com uma média de entre 15 e 18 mil, e as fêmeas, claro, dependem individualmente da sua qualidade ou não”, reforça.

Publicidade

Silva destaca que nas exposições das raças Brangus e Angus em Uruguaiana (RS), no mês de junho, fêmeas diferenciadas valeram entre R$ 40 mil e R$ 60 mil. Já as fêmeas registradas, mas de um padrão normal, oscilaram entre R$ 6 mil e R$ 10 mil. “Então, para resumir, é um cenário que eu vejo melhor do que o esperado”, ressalta.

Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Pecuária

Pecuária Gaúcha Mantém Otimismo Cauteloso para o Segundo Semestre de 2024

Publicado

em

Foto: Eduardo Marcanth Rosso

 

A pecuária no Rio Grande do Sul, um dos principais pilares econômicos do estado, enfrentou um primeiro semestre de 2024 repleto de desafios, incluindo condições climáticas extremas e flutuações nos preços de insumos essenciais. A Comissão de Relacionamento com o Mercado do Instituto Desenvolve Pecuária destaca que, apesar das dificuldades, o setor mantém um otimismo cauteloso para a recuperação no segundo semestre.

Fernanda Costabeber, presidente da comissão, observa que os primeiros meses foram fortemente impactados pela seca histórica no início de 2023, seguida por chuvas excessivas. Essas condições atrasaram o crescimento das pastagens e mantiveram os preços do gado elevados devido à escassez de animais prontos para o abate. Em contraste, o Brasil Central possui uma abundância de animais, o que pressiona os preços no mercado local e incentiva a importação de carne de outros estados para atender à demanda interna.

Além dos desafios climáticos, os pecuaristas enfrentaram a instabilidade nos mercados internacionais de commodities, como milho e soja, essenciais para a alimentação dos rebanhos. “A volatilidade dos preços impactou diretamente os custos operacionais, tornando a gestão das propriedades ainda mais desafiadora”, acrescenta Costabeber. No entanto, o setor encontrou suporte nas exportações contínuas, especialmente para a China e o Oriente Médio, que ajudaram a manter a demanda por carne bovina estável. As renegociações de dívidas após recentes enchentes também proporcionaram algum alívio financeiro para os produtores.

Publicidade

Durante este período turbulento, o Instituto Desenvolve Pecuária desempenhou um papel crucial, promovendo a troca de informações e a capacitação técnica. “Organizamos eventos como o Fórum da Cadeia Produtiva da Carne Bovina, que reuniram produtores, indústria e comércio para discutir os desafios e as oportunidades emergentes no setor”, destaca Costabeber.

Além disso, muitas propriedades avançaram na adoção de tecnologias e práticas de manejo mais eficientes e sustentáveis. O governo estadual e entidades setoriais estão planejando novos programas de financiamento e apoio técnico para incentivar a inovação e a sustentabilidade entre os pecuaristas. “As expectativas para o restante do ano são de otimismo moderado, com planos de continuar promovendo a inovação e a sustentabilidade como pilares para a recuperação e crescimento do setor”, conclui Costabeber.

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Tendência