Conecte-se Conosco

Café

CNA discute desafios e oportunidades para o setor cafeeiro

Publicado

em

Reprodução

A Comissão Nacional do Café da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu para abordar temas cruciais para o setor cafeeiro. Entre os tópicos discutidos estavam questões trabalhistas, o orçamento e execução do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), além dos impactos da legislação ambiental europeia sobre a cadeia produtiva do café.

Na abertura do encontro, Fabrício Andrade, presidente da Comissão, fez um panorama do cenário atual da produção de café, destacando os desafios enfrentados e as iniciativas em andamento para fortalecer o setor. Andrade enfatizou a importância da legislação trabalhista, do acesso ao crédito rural e da agregação de valor ao café brasileiro como pilares essenciais para o crescimento sustentável da cafeicultura.

Rodrigo Hugueney, coordenador trabalhista da CNA, apresentou detalhes sobre o Projeto de Lei nº 715/23, recentemente aprovado na Câmara dos Deputados. O projeto visa assegurar aos trabalhadores rurais safristas o direito de continuar recebendo benefícios sociais, como o Bolsa Família, durante os períodos de contrato por safra. Hugueney destacou o papel da CNA na aprovação da proposta, que visa formalizar as relações de trabalho no campo e proporcionar maior segurança jurídica aos trabalhadores rurais. “A CNA trabalhou para a aprovação da proposta que corrige uma lacuna legislativa que dura algumas décadas e traz mais segurança jurídica para as relações de trabalho no campo. Agora, vamos trabalhar as estratégias para atuação no Senado”, ressaltou.

A reunião também abordou o orçamento do Funcafé para a safra 2024/2025 e as estratégias da CNA para melhorar a linha de custeio, com foco especial nos pequenos e médios produtores. Raquel Miranda, assessora técnica da comissão, detalhou a execução orçamentária do exercício anterior e as prioridades para o próximo período, incluindo investimentos em pesquisa, levantamento de safra e promoção do café brasileiro. Miranda salientou a necessidade de reduzir a taxa de juros aplicada, atualmente em 11% ao ano, que se mostra inviável para pequenos e médios produtores. “A CNA tem dialogado com o governo federal para sensibilização da importância deste pleito e dos benefícios que trará ao setor produtivo”, destacou.

Publicidade

Outro tema relevante do encontro foi a implementação da Lei Antidesmatamento da União Europeia e seus impactos para o setor cafeeiro brasileiro. Felipe Spaniol, coordenador de Inteligência e Defesa de Interesses da CNA, abordou as implicações da Regulamentação da União Europeia para Produtos Livres de Desmatamento (EUDR), que exige que empresas comercializando ou exportando para a UE implementem um sistema de diligência devida. Spaniol enfatizou as ações em andamento para proteger os interesses dos produtores brasileiros frente aos novos requisitos de sustentabilidade.

Fonte: CenárioMT

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Café

Cafeicultura – Específico para aplicação via solo, fungicida causa colapso na parede celular do fungo da ferrugem-do-cafeeiro

Publicado

em

Tecnologia recém-lançada também inibe crescimento de hifas ou filamentos de células, segundo informa a companhia Sipcam Nichino Brasil – Reprodução

 

Posicionado para controle da ferrugem-do-cafeeiro (Hemileia vastarix), o novo fungicida Elios 800 WG tem adesão crescente na cafeicultura brasileira, segundo informa a fabricante, a Sipcam Nichino Brasil. De acordo com a companhia, a solução, sistêmica e do grupo triazol, é específica para aplicação via solo e age rapidamente para provocar colapso na parede celular do fungo causador da doença, além de inibir o crescimento de hifas ou filamentos de células.

“Trata-se de uma solução adequada quando a cultura estiver no estágio da floração. Consideramos ideal uma aplicação por safra, no momento certo, e também que seja observada a distribuição uniforme do fungicida na linha de plantio”, ressalta Eric Ono, engenheiro agrônomo da Sipcam Nichino.

Para especialistas em patógenos da cafeicultura, a ferrugem-do-cafeeiro tem sido descrita como a doença mais grave da cultura. Não controlada, explicam, leva à perda de colheitas e plantações. “Sua ocorrência causa queda precoce de folhas e secagem dos ramos. Perdas em produtividade são elevadas”, diz Ono. Conforme o agrônomo, umidade relativa alta e baixa luminosidade, ante temperaturas de 20º C a 25º C, são condições ideais ao surgimento da doença.

Publicidade

Recém-lançado no país, no mês de abril último, reforça a Sipcam Nichino, o fungicida Elios 800 WG faz parte do amplo portfólio da companhia para a cafeicultura, formado também pelas soluções Fujimite® 50 SC (acaricidas), Trebon® 100 SC (inseticida) e Brisa®, Fezan® Gold e Metiltiofan® e Cuprozeb® (fungicidas), além dos bioestimulantes Abyss®, Blackjak®, Stilo® Verde e Nutex® Premium.

Criada em 1979, a Sipcam Nichino resulta da união entre a italiana Sipcam, fundada em 1946, especialista em agroquímicos pós-patentes e a japonesa Nihon Nohyaku (Nichino). A Nichino tornou-se a primeira companhia de agroquímicos do Japão, em 1928, e desde sua chegada ao mercado atua centrada na inovação e no desenvolvimento de novas moléculas para proteção de cultivos.

Fernanda Campos

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Café

Cafeicultura sustentável torna Seguro Rural mais barato

Publicado

em

Cafeicultura sustentável torna Seguro Rural mais barato – Mapa

 

O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), o Conselho Nacional do Café (CNC) e a multinacional Pró Natura Internacional assinaram na última terça-feira, 16 de julho, o acordo de Cooperação Técnica (ACT) do projeto “Cafeicultura Brasileira Sustentável – Sistema de Compensação de Crédito de Carbono na Apólice de Seguro Rural no Brasil”.

O projeto utiliza créditos de carbono para beneficiar financeiramente os produtores que adotarem práticas sustentáveis. Na prática isso significa que os cafeicultores brasileiros terão uma proteção financeira adicional contra os riscos agrícolas.

“Esse é um trabalho inédito, e que tem vários focos. Ele trabalha a questão da sustentabilidade, os riscos e as mudanças climáticas, alinhados com o seguro rural”, destaca o secretário de Política Agrícola do Mapa, Guilherme Campos.

Publicidade

No documento assinado, o acordo visa implantar e desenvolver a viabilidade dos ativos obtidos pelo crédito de carbono, proporcionando a redução de custos para o produtor no pré-custeio da safra. Além disso, o desempenho dos produtores em relação à pegada de carbono será continuamente avaliado.

Segundo o diretor do Departamento de Gestão de Risco, Jônatas Pulquério, o objetivo do acordo é a redução do custo da apólice do seguro rural por meio da compensação financeira da venda dos créditos de carbono. Com isso, o trabalho é feito por meio de uma política de seguro favorável ao produtor rural, em consonância com as boas práticas agronômicas e o enfrentamento às mudanças climáticas.

Com a assinatura do documento, iniciam-se agora os estudos para definição dos percentuais a serem abatidos sobre a apólice do seguro e o modelo desse benefício, bem como a escolha da cooperativa que irá compor o trabalho.

Assessoria/Mapa

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade

 

Continue Lendo

Café

Produção e Exportação de Café da Colômbia Registram Aumento Significativo em Junho

Publicado

em

Divulgação

 

A produção de café na Colômbia, reconhecida como o maior fornecedor mundial de arábica lavado, alcançou 1,17 milhão de sacas de 60 kg em junho, representando um aumento de 23% em comparação com o mesmo período do ano anterior, informou a Federação Nacional dos Cafeicultores. Em junho de 2023, a produção havia sido de 956 mil sacas. Além disso, houve um crescimento de 4,6% na produção em relação a maio deste ano.

Expansão nas Exportações

As exportações de café colombiano também apresentaram um desempenho notável em junho, com um aumento de 36%, totalizando 1,02 milhão de sacas de 60 kg, comparado ao mesmo mês do ano anterior. No acumulado do primeiro semestre de 2024, a produção de café atingiu 5,82 milhões de sacas, um aumento de 16%, enquanto as exportações somaram 5,74 milhões de sacas, registrando um crescimento de 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

Publicidade

Nos últimos 12 meses, a produção de café na Colômbia cresceu 14%, chegando a 12,1 milhões de sacas, e as exportações aumentaram 7,6%, totalizando 11,3 milhões de sacas. Esses números destacam a capacidade do país, o terceiro maior produtor mundial de café após Brasil e Vietnã, de produzir aproximadamente 14 milhões de sacas por ano.

Sustentabilidade e Qualidade

Conhecida por seus cafés suaves e de alta qualidade, a Colômbia possui 840 mil hectares dedicados ao cultivo de café, sustentando cerca de 540 mil famílias que dependem dessa atividade econômica. Em 2023, a safra de café colombiana encerrou um ciclo de três anos consecutivos de queda, com um aumento de 2%, totalizando 11,3 milhões de sacas de 60 kg.

Esses resultados positivos reforçam a posição da Colômbia como um importante player no mercado global de café, destacando tanto a resiliência dos produtores quanto a qualidade superior do café colombiano.

Fonte: Portal do Agronegócio

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência