Conecte-se Conosco

Agricultura

Açaí: fruto do momento impulsiona a agricultura familiar em Barcarena

Publicado

em

Com incentivos do Fundo de Sustentabilidade Hydro, produtores da região empreendem criando diversos produtos a partir do açaí.

 

O açaizeiro, de onde se extrai o açaí, é uma planta de ocorrência natural na região amazônica e compõe um ingrediente tradicional do cardápio das populações locais, constituindo inclusive, parte da identidade amazônica. Hoje, ele está popularizado em todo o território brasileiro e no exterior pelas suas características nutricionais. E é considerado, atualmente, o mais importante produto não madeireiro da região amazônica.

Segundo dados da Embrapa Amazônia Oriental, em 2023, a produção foi de 1,5 milhões de toneladas de frutas. O Brasil é o maior produtor e exportador mundial de açaí, que já é conhecido no mercado internacional há aproximadamente vinte anos e é vendido principalmente para os EUA, Japão e, cada vez mais, também para a Europa. O fruto é particularmente importante como alimento básico para a população local na região amazônica. Outros produtos do açaizal também são importantes para as populações locais, como o palmito, as folhas usadas para a confecção de chapéus e tapetes, o tronco como material de construção, óleos obtidos da fruta para cosméticos e resíduos de sementes (aproximadamente 80% da fruta é composta pela semente).

Desde 2007, o açaí tem sido o item com maior valor de produção vegetal no Brasil, superando a erva-mate e correspondendo a 14% do valor de produção de extração vegetal no país. Apesar de frutificar o ano todo, a maior parte da colheita do açaí ocorre nos meses de julho a dezembro. Na “cadeia curta do açaí´, existem pontos de venda onde o fruto é extraído no momento do consumo, chamados de batedeiras, que são micro empreendimentos de processamento do fruto do açaí geralmente para consumo imediato. Estima-se que em Belém, por exemplo, existam cerca de 10.000 batedores, segundo o serviço de informações da Casa do Açaí.

Publicidade

Mas não é só da venda da polpa do açaí que os produtores sobrevivem. Alguns empreenderam mais ainda e criaram diversos produtos à base do fruto, como os agricultores de Barcarena financiados pelo projeto Tipitix. Com a ajuda do programa, que tem financiamento do Fundo de Sustentabilidade Hydro (FSH) e execução do Instituto Peabiru, toda a cadeia de incentivo aos agricultores é executada, da melhor forma de manejo dos açaizais até a comercialização. Entre os produtos já no mercado com o apoio do Tipitix estão a polpa da marca Açaí Ouro do Pará, geleias Açucena, sorvetes Dos Anjos e coberturas para sobremesas Nativa.

“Cada vez que selecionamos novos projetos, estamos promovendo conexões entre diversos setores da sociedade para que eles executem ações concretas de impacto positivo no município. Por meio do FSH, investimos também em inovação na Amazônia, conectando as boas iniciativas locais – que valorizam a floresta em pé e uma economia de baixo carbono – às cadeias globais. Pois, é importante dizer, não faltam pessoas, ideias ou estudos relevantes na região, mas sim incentivo ao empreendedorismo local. Nesse contexto, apoiamos o agricultor em uma cadeia completa – da floresta ao mercado – e, assim, contribuímos para a atração dos investimentos necessários para o desenvolvimento da bioeconomia”, destaca Eduardo Figueiredo, diretor executivo do Fundo de Sustentabilidade Hydro.

Exemplos de empreendedorismo

Produtor e morador da Ilha do Arapiranga, em Barcarena, Agildo Ferreira é o empreendedor à frente da Açaí Ouro do Pará. O empreendimento conta com produção própria do fruto do açaí, atuando no processamento e envasamento da polpa. A produção da tradicional polpa de açaí segue rigorosos processos de qualidade, com lavagem, sanitização e branqueamento e chega aos consumidores em embalagens de 1Kg, prontas para o consumo.

Os produtos Açucena são preparados pelas mulheres da comunidade de Itupanema, em Barcarena, utilizando frutas da região amazônica cultivadas nos quintais das famílias. As frutas nativas, como o açaí, são transformadas em geleias e doces seguindo as receitas tradicionais da família de Dona Natalina Coutinho, uma das mais antigas moradoras da comunidade. “Para mim, é gratificante poder voltar a viver da agricultura familiar. Saí do campo para proporcionar uma vida melhor aos meus filhos e, agora que eles estão formados, quero voltar a viver da minha produção no sítio. Estou conseguindo ampliar minha renda com o conhecimento que tenho adquirido nos projetos da Hydro”, conta Natalina.

Publicidade

A produção de picolés e sorvetes faz parte da família Dos Anjos há décadas. Com uma pequena produção caseira, a família atendeu durante muitos anos o mercado local de Barcarena, tendo a venda dos sorvetes como sua principal fonte de renda. Agora, em uma nova fase, a família qualificou a produção e traz sorvetes de frutas amazônicas, como o açaí, ainda mais gostosos para os moradores de Barcarena e de todo o Brasil. Silvana Dos Anjos é a empreendedora por trás da marca e dos sabores Dos Anjos.

A Nativa – Sabor Amazônico é um empreendimento que tem suas raízes na Amazônia e carrega em cada detalhe a marca da agricultura familiar. É a partir da tradição familiar, do preparo artesanal de caldas a partir das polpas de frutas, que a Nativa apresenta sua trilogia de coberturas para sobremesas. Açaí, cupuaçu e taperebá compõem esta linha de sabores marcantes.

Todos os produtos são produzidos em conformidade com as legislações sanitárias vigentes, atendendo aos protocolos de Boas Práticas de Fabricação, em relação a armazenamento de embalagens, seleção e higienização de matéria prima, manipulação de alimentos e acondicionamento dos produtos finalizados, realizados em uma unidade própria de beneficiamento.

Sobre o Tipitix

O Tipitix não é apenas um espaço de beneficiamento, mas sim uma unidade de negócio que pretende oferecer para diferentes empreendedores e grupos sociais relacionados à agricultura familiar a possibilidade de acesso a novos mercados ou aos mesmos mercados em melhores condições. O projeto recebeu um investimento, voluntário e espontâneo, de mais de R$ 4 milhões, para realizar 4 ciclos de desenvolvimento de negócios, sendo criadas 29 marcas, envolvendo 43 agricultores de 21 comunidades de Barcarena. Ao final dos 4 ciclos, a renda gerada com a venda dos produtos já soma mais de R$ 100 mil, com a comercialização dos produtos em 22 pontos em seis estados: Pará, Amazonas, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Publicidade

Entre os produtos já lançados no mercado estão as geleias de açaí e muruci, cobertura para sorvete de açaí, taperebá e cupuaçu, pão de queijo de macaxeira, maniva temperada, molho de pimenta de tucupi e muitos outros.

Renata Grieco

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Mesmo com enchentes, RS terá a 2ª maior produção de soja do país, diz consultoria

Publicado

em

Foto: Divulgação

As inundações que assolaram o Rio Grande do Sul levaram a consultoria Safras & Mercado a realizar um corte importante na produção do estado.

Em relação a 12 de abril, data do último levantamento, a estimativa foi cortada em 2,8 milhões de toneladas, para 20 milhões de toneladas. Anteriormente, era projetado o patamar recorde de 22,799 milhões de toneladas.

O destaque da atualização de junho é a importante redução da produtividade média e da
produção esperada para o Rio Grande do Sul devido ao evento climático que atingiu a maior parte do estado entre o fim de abril e meados de maio, relata o analista e consultor de Safras, Luiz Fernando Gutierrez Roque.

“Os grandes acumulados de chuvas trouxeram reduções produtivas relevantes para as lavouras que ainda não tinham sido colhidas, além de ocasionar perdas também em silos e
armazéns que continham soja”, diz.

Publicidade

Impacto na produção nacional

A redução da produção gaúcha naturalmente impacta a produção nacional de forma importante, visto que o Rio Grande do Sul, mesmo com as perdas, terá a segunda maior safra estadual do país nesta temporada.

Apesar disso, paralelamente aos cortes produtivos por lá, também foram feitos ajustes positivos em alguns importantes estados produtores, compensando parte do impacto
negativo no número nacional.

De acordo com Roque, tais ajustes abrangeram estados em todas as regiões do país, com destaque para o aumento da produção esperada para o Mato Grosso, maior produtor do país. “Isto resultou em recuperações das produtividades médias esperadas para alguns estados”, pondera o analista.

Mercado da soja

preço soja cotação saca
Foto: Daniel Popov/ Canal Rural

A safra brasileira 2023/24 é agora estimada em 149,705 milhões de toneladas, sendo a segunda maior da história do país. Em abril, eram esperadas 151,246 milhões de toneladas.

Em relação ao mercado brasileiro, a quinta-feira (6) foi mais agitada, reflexo da disparada na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), quando notícias de regras mais rígidas sobre créditos fiscais no Brasil geraram esperanças de que as exportações dos Estados Unidos poderiam se beneficiar.

Neste contexto, foram registrados grandes movimentos na comercialização, especialmente nos portos. Conforme a Safras Consultoria, compradores estão colocando ofertas firmes para o grão, incluindo pagamentos mais curtos, atraindo a atenção dos produtores.

Publicidade

Agência Safras

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Agricultura

Prorrogação da DAP/Pronaf: FAESC Celebra Medida que Beneficia Agricultores Familiares

Publicado

em

Reprodução

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) recebeu com entusiasmo a notícia da prorrogação das Declarações de Aptidão ao Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP/Pronaf) por nove meses. Essa medida, anunciada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), visa garantir o acesso contínuo dos agricultores familiares às políticas públicas, assim como às formas associativas da Agricultura Familiar, durante o período de transição da DAP para o Cadastro Nacional da Agricultura Familiar (CAF).

Garantia de Acesso às Políticas Públicas

A prorrogação abrange as Declarações de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar que estejam ativas e tenham sua validade expirando entre a data da publicação da portaria e 31 de outubro de 2024. A DAP-Pronaf desempenha um papel fundamental ao identificar e qualificar as Unidades Familiares de Produção Agrária (UFPA) e suas formas associativas, permitindo o acesso às políticas públicas voltadas para o desenvolvimento do campo.

Estímulo ao Desenvolvimento Socioeconômico

Publicidade

José Zeferino Pedrozo, presidente do Sistema Faesc/Senar e vice-presidente de finanças da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), enfatiza a importância da DAP-Pronaf para os agricultores familiares. Ele destaca que essa documentação viabiliza o acesso a crédito rural com taxas de juros reduzidas, possibilitando investimentos em infraestrutura, tecnologia e comercialização da produção.

Impacto Positivo nas Comunidades Rurais

Pedrozo ressalta ainda que a prorrogação da DAP/Pronaf contribui para o desenvolvimento socioeconômico das comunidades rurais, promovendo a geração de emprego e renda e melhorando a qualidade de vida da população rural. Ele observa que essa extensão do prazo será especialmente benéfica para famílias rurais em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul – onde as enchentes causaram danos significativos – e em todo o país. A medida representa um apoio crucial para que essas famílias continuem suas atividades agrícolas em meio aos desafios enfrentados.

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo

Agricultura

São Paulo Oferece Linha de Crédito para Produtores de Laranja Afetados pelo Greening na Expocitros

Publicado

em

Divulgação

Durante a abertura da 49ª Expocitros e da 45ª Semana da Citricultura, realizadas no Centro de Citricultura “Sylvio Moreira”, em Cordeirópolis, o secretário de Agricultura e Abastecimento, Guilherme Piai, anunciou uma importante medida de apoio aos produtores de laranja afetados pelo Greening. Trata-se de uma linha de crédito do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (FEAP) destinada aos agricultores que enfrentam essa doença.

Condições Favoráveis para os Produtores

Guilherme Piai destacou as vantagens oferecidas aos citricultores paulistas por meio dessa linha de crédito. Com um montante de até 300 mil reais por produtor, prazo de até 96 meses para pagamento, carência de 36 meses e juros a partir de 3% ao ano, essa iniciativa visa fortalecer e apoiar os agricultores que buscam recuperar seus pomares e até mesmo diversificar suas atividades agrícolas.

Procedimentos para Acesso ao Crédito

Publicidade

Para ter acesso a essa linha de crédito, os produtores precisam procurar a Casa de Agricultura de seus municípios, onde receberão orientações e apoio para a solicitação dos recursos financeiros disponíveis.

Expocitros: Um Evento de Importância Vital

A abertura da Expocitros, considerada a maior feira citrícola da América Latina, marca o início de uma programação intensa, com mais de 30 palestras, proporcionando um ambiente propício para a troca de informações entre especialistas, profissionais e empresas do setor.

O evento reúne os principais players da citricultura nacional, oferecendo visibilidade às marcas do setor e promovendo a exposição de defensivos, fertilizantes, mudas e outros insumos essenciais para o desenvolvimento dessa atividade agrícola.

Importância do Setor Citrícola em São Paulo

Publicidade

O setor citrícola paulista é de extrema relevância, visto que o estado é o maior produtor mundial de laranja, exportando anualmente cerca de US$ 2 bilhões desse fruto. Com uma área de 460 mil hectares e aproximadamente 9.600 propriedades, a citricultura paulista gera cerca de 200 mil empregos.

Segundo dados do Fundecitrus, São Paulo produz anualmente 10,6 milhões de toneladas de laranja e 1,2 milhão de toneladas de limão, consolidando-se como um dos pilares da economia agrícola do país.

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência