Conecte-se Conosco

cafe

Produtividade de café em Mato Grosso cresce 185% em 10 anos

Publicado

em

Assesoria

A produtividade média das lavouras de café em Mato Grosso apresenta um incremento de 185% em 10 anos, saindo de 8,2 sacas por hectare em 2014 para 23,3 sacas por hectare neste ano.

Com o atual desempenho estimado, a expectativa é que a produção mato-grossense neste ano cresça 4% em relação ao volume obtido em 2023 e chegue a 270,8 mil sacas beneficiadas de conilon, influenciado também pela maior área cultivada da cultura.

Os dados estão no 2º Levantamento da Safra 2024 de Café, publicado nesta quinta-feira (23) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A mudança no pacote tecnológico empregado, principalmente com o uso de materiais clonais mais produtivos, a adoção de práticas de manejo mais sustentáveis e o uso eficiente dos recursos, são alguns dos fatores que contribuem para essa evolução, que, até mesmo, se reflete na destinação de área para a cultura.

Publicidade

De acordo com o levantamento da Companhia, neste ciclo, a expectativa é de incremento tanto na área em produção quanto na área em formação de café no Estado, se comparado à safra passada. Isso se deve, entre outras coisas, à adesão de áreas novas que agora entrarão em produção.

O boletim ainda revela que as condições climáticas registraram um bom índice pluviométrico médio entre dezembro de 2023 e março de 2024, assim como temperaturas médias dentro de uma faixa adequada ao desenvolvimento reprodutivo da cultura, já que nesse período, as lavouras estiveram entre a fase de formação dos grãos e a sua maturação.

No entanto, apesar da quantidade satisfatória de chuvas, algumas áreas pontuais enfrentaram condições irregulares no início da temporada chuvosa, que se estenderam até meados de dezembro.

Essa irregularidade limitou parte do potencial produtivo, que poderia ser ainda maior.

Os analistas da Conab também destacam que os melhores desempenhos verificados nas lavouras cafeeiras refletem não apenas o clima favorável durante o ciclo de cultivo, mas também o empenho contínuo dos agricultores na adoção de práticas que impulsionam a produtividade.

Publicidade

Por Diário de Cuiabá

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cafe

Café: Brasil exporta recorde de sacas em maio, quase 80% acima de igual mês de 2023

Publicado

em

Foto: Pixabay

O Brasil exportou 4,4 milhões de sacas de café em maio, volume recorde para o mês e 79,9% acima de igual mês de 2023. O faturamento com os embarques externos somou US$ 1,017 bilhão, 85,9% acima de maio do ano passado. As informações foram divulgadas hoje pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Em 11 meses do ano-safra 2023/24, as exportações de café somaram 43,707 milhões de sacas. Já no acumulado do ano civil, os embarques externos de café pelo Brasil totalizaram 20,69 milhões de sacas, montante também recorde para o período e que representa crescimento de 52,1% em relação ao aferido nos cinco primeiros meses do ano passado, disse o Cecafé.

Em receita, o desempenho também é o maior da história de janeiro a maio deste ano, com US$ 4,473 bilhões, avanço de 50,8% ante os US$ 2,965 bilhões de igual intervalo de 2023.

“Com tal performance, o Brasil caminha para a quebra do recorde das exportações neste ciclo, uma vez que os embarques atuais se encontram 2 milhões de sacas abaixo do maior volume histórico até então, obtido na temporada 2020/21, quando o país comercializou 45,7 milhões de sacas. Esse novo volume máximo é bem plausível de ser alcançado, já que, desde outubro do ano passado, temos embarcado uma média superior a 4 milhões de sacas ao mês”, projeta o presidente do Cecafé, Márcio Ferreira, em nota.

Publicidade

Tanto em maio, quanto nos acumulados deste ano e da safra 2023/24, o comportamento dos embarques reflete a excelente performance dos cafés canéforas (conilon + robusta), conforme o presidente do Cecafé. No mês passado, foram exportadas 868.270 sacas dessa espécie, o que elevou o volume para 7,412 milhões nos 11 meses do ciclo cafeeiro atual e para 3,442 milhões no agregado deste ano, gerando crescimentos de 559,3%, 499% e 553,8%, respectivamente, informou o Cecafé. “Falamos de recordes em todos esses cenários”, destacou Ferreira.

Em relação aos tipos de café, o Cecafé informa que o arábica segue como o mais exportado de janeiro a maio do ano, com 15,654 milhões de sacas, 75,7% do total e alta de 36,3% na comparação com janeiro a maio de 2023.

A variedade canéfora vem na sequência e representa 16,6% do geral. O segmento do café solúvel, com 1,580 milhão de sacas – avanço de 0,7% e 7,6% do total -, e a seção do produto torrado e torrado e moído, com 13.738 sacas (-28,9% e 0,1% de representatividade), completam a lista.

Ferreira reiterou que o cenário internacional favorece o mercado de café brasileiro, devido às incertezas quanto à oferta de colheitas de importantes produtores mundiais e a consequente restrição de oferta, como Vietnã e Indonésia.

“Isso abre portas para que nossos cafés, em especial os canéforas, ampliem seu market share e consolidem o país como o principal player global, com oferta de qualidade em quantidade”, completa.

Publicidade

Estadão Conteúdo

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

cafe

Colheita de Café no Brasil Avança com Clima Favorável

Publicado

em

Reprodução

 

A colheita de café da safra 2024/25 no Brasil avança de maneira positiva, impulsionada por um clima seco que tem favorecido os trabalhos no campo. De acordo com o levantamento semanal da Safras & Mercado, até o dia 4 de junho, 29% da safra já havia sido colhida. Este percentual supera os 26% registrados no mesmo período do ano passado e a média dos últimos cinco anos, que é de 27%.

A colheita de conilon tem ganhado ritmo, alcançando 42% da produção, com Rondônia se destacando com 55% da safra colhida. “Depois de um início mais lento, os trabalhos aceleraram com o clima seco, com o avanço das máquinas e mais produtores iniciando a colheita”, explica Gil Barabach, consultor da Safras & Mercado. Este avanço supera o mesmo período do ano passado, que foi de 38%, e a média dos últimos cinco anos, de 41%.

Barabach observa que, apesar do progresso, os relatos de rendimento abaixo do esperado nas lavouras de conilon persistem, junto com queixas sobre a renda devido ao café miúdo. “Isso pode levar a uma revisão para baixo no número total da safra”, comenta.

Publicidade

A colheita do café arábica também está mais acelerada, com 23% dos trabalhos concluídos. Este número é superior ao registrado no mesmo período do ano passado e à média dos últimos cinco anos, ambos em 20%.

“A questão da peneira mais miúda continua sendo um problema, mas não tem se traduzido em uma quebra de renda devido à maior densidade do grão. Portanto, a expectativa é de uma produção maior de arábica este ano. Observa-se também que os produtores estão menos apressados para vender o café, o que tem contribuído para um excelente processo de secagem, beneficiamento e descanso do café nas tulhas, colaborando para um perfil de alta qualidade”, analisa Barabach.

Clima
A Safras Consultoria destaca que o clima deve continuar seco no Brasil nas próximas semanas, com a previsão de chuvas apenas para a última semana de junho. Embora a baixa umidade favoreça o andamento da colheita e a qualidade da safra atual, ela também pode causar estresse hídrico, comprometendo a safra futura, alerta a consultoria.

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo

cafe

Com apoio do Governo, MT tem primeiro café produzido só por mulheres na Amazônia

Publicado

em

Trabalho é uma forma das produtoras rurais serem independentes financeiramente – Foto por: Christiano Antonucci/Secom-MT

 

Um grupo de 38 produtoras familiares de Nova Bandeirantes lançou o primeiro café produzido na Amazônia exclusivamente por mulheres. Denominado “Cereja Negra”, o café é o resultado de esforço e dedicação, com o apoio da Secretaria de Agricultura Familiar de Mato Grosso (Seaf). 

Coordenadora do grupo, Elaine Cristina Guilherme destacou que o café ‘Cereja Negra’ é 100% puro e artesanal. O produto é beneficiado em uma sala de torrefação equipada com moinho, torrador, empacotadora e seladora.

Ela ressaltou a importância do incentivo dado pelo Governo do Estado à Associação dos Produtores Rurais da Comunidade de São Brás, onde o grupo de mulheres está inserido.

Publicidade

“Contamos com 41 famílias associadas, sendo que 38 têm mulheres participando ativamente no cultivo e beneficiamento do café. Já recebemos apoio da Seaf, temos uma patrulha mecanizada e um trator que conseguimos através da Seaf. Também recebemos caixas de abelhas e kits de implementos manuais via emendas parlamentares”, afirmou.

O trabalho, segundo ela, é uma forma das produtoras rurais serem independentes financeiramente.

“A gente está buscando fortalecer esse grupo de mulheres para que elas também possam participar dessa parte da comercialização do café e trazê-las para dentro da associação, para elas participarem da gestão da torrefação”, pontuou Elaine.

Além do apoio da Seaf, o grupo também conta com a orientação da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), que está auxiliando no cultivo e no beneficiamento para garantir a qualidade do café.

As mulheres de Nova Bandeirantes estão envolvidas em todas as etapas do cultivo, desde o plantio até a colheita. O objetivo é ampliar essa participação para a comercialização e gestão da torrefação.
Café é beneficiado, empacotado e comercializado

Elas compram o café limpo dos produtores associados, realizam a torra, moagem e empacotamento.

Sem todas as licenças para a comercialização em larga escala por enquanto, o café é vendido diretamente ao consumidor final e para comércios locais.

Publicidade

O secretário de Agricultura Familiar de Mato Grosso, Luluca Ribeiro, comentou que essa iniciativa é um exemplo claro de como o apoio do Governo do Estado pode transformar a realidade de comunidades rurais.

“As mulheres de Nova Bandeirantes estão mostrando que, com dedicação e apoio, é possível produzir um café de alta qualidade, um dos objetivos do Governo de Mato Grosso com o MT Produtivo Café que tem incentivado a expansão da cultura no Estado e já vem obtendo resultados bastante positivos”, declarou.

Algumas propriedades da região produzem café orgânico certificado, enquanto outras utilizam sistemas agroflorestais para um manejo mais sustentável. Esses sistemas incluem o plantio de frutíferas entre os pés de café para promover sombreamento e polinização, contribuindo para a qualidade final do produto.

Fonte: Governo MT – MT

Colaborou:  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência