Conecte-se Conosco

Agronegócio

Jasmine lança maior campanha da marca para desmistificar a saudabilidade

Publicado

em

Campanha “Um habitinho saudável leva a outro” prevê inspirar jornada saudável de cada consumidor, aproximando-os de um estilo de vida mais equilibrado 0 Marca Jasmine – Divulgação

Jasmine, marca referência em alimentação saudável, acaba de lançar sua maior campanha em mais de 30 anos de história. “Um habitinho saudável leva a outro”, criada pela agência monkey-land, pretende envolver as pessoas e de fato provocar transformações em suas rotinas, de forma a desmistificar a maneira como pensam a saudabilidade. A proposta é incentivar o bem-estar sem rótulos, mostrando que cada pessoa pode ser saudável à sua maneira, sem seguir um padrão.

A busca por saudabilidade cresce mais a cada dia. Segundo estudo divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais (Abiad), 72% dos brasileiros aumentaram os cuidados com a alimentação nos últimos anos. Em paralelo, levantamento da “World Mental Health Day 2023”, realizado pela Ipsos em 31 países, mostra 73% dos entrevistados acreditam que o bem-estar mental é tão importante quanto o bem-estar físico.

“Após diversos estudos, percebemos que, na prática, a rotina saudável que funciona para um indivíduo pode não ser o melhor caminho para o outro, e tudo bem, não há uma regra. Pensando nisso, buscamos novas formas de reconhecer a saudabilidade em cada jornada. Assim, expandimos nossa compreensão para além dos rótulos impostos pela sociedade, mostrando que existem novos caminhos possíveis, e é desta forma que nasce a nossa campanha”, explica a head de snacks e saudáveis de Jasmine, Ana Laura Guitti Nogueira.

A campanha deslocará o foco do corpo para dar espaço aos alimentos e rotina saudável como um todo, tendo as pessoas como centro. Isso porque, de acordo com a pesquisa “Barreiras para uma Vida Saudável”, parceria da Centrum Vitaminas com o Ibope Conecta, 95% das pessoas estão dispostas a mudar pequenos hábitos em suas rotinas para serem mais saudáveis.

Publicidade

Proposta da campanha

Estudos mostram que a mente humana leva aproximadamente 21 dias para se adaptar a um novo hábito e interromper o antigo. Sabendo disso, a campanha “Um habitinho saudável leva a outro” provoca o consumidor a adotar um novo hábito saudável durante esse período, estimulando-o a obter mais saúde com a determinação dessas três semanas.

A campanha promoverá quatro programas, cada um baseado em um produto Jasmine: Minha Granola, Minhas Regras; Quem é Você Na Fila Do Pão Sem Glúten; Quem Tem Aveia Tem Tudo; Manda Cookies.

– Programa Minha Granola, Minhas Regras: focado em pessoas que levam o próprio café da tarde para o trabalho, economizando tempo, dinheiro e saúde. #MinhaGranolaMinhasRegras

– Programa Quem é Você Na Fila do Pão Sem Glúten: para aqueles que não ficam sem o pão no café da manhã. Agora, sem glúten e mais saudável. #FilaDoPaoSemGluten

Publicidade

– Programa Quem Tem Aveia Tem Tudo: para quem já opta por uma comida mais leve e gostosa. #AveiaTodoSantoDia

– Programa Manda Cookies: feito para quem costuma postar foto de comida na internet, com o objetivo de também incentivar outras pessoas a criarem novos habitinhos alimentares. #CookieBiscoito

Para saber o perfil, dentro da plataforma Jasmine, cada consumidor responderá a um questionário. Após o preenchimento, a marca definirá o perfil do respondente e o encaminhará para um nutricionista, que terá sintonia com aquele perfil.

Para as mídias sociais, serão utilizadas as hashtags de cada programa, com conteúdos envolvendo, além do público final, influenciadores e nutricionistas madrinhas, mostrando que dá para ser saudável no corre-corre do dia a dia.

“Mais do que levar produtos saudáveis até as prateleiras, queremos inspirar a construção de um novo estilo de vida com mais saúde e equilíbrio. Entendemos que cada pessoa tem suas necessidades e limites que devem ser respeitados. Para isso, incentivamos pequenas mudanças ao decorrer dos dias. De habitinho em habitinho a transformação acontece, essa é a força motriz que queremos impulsionar nessa nova etapa”, complementa Saulo, sócio da agência Monkey-land.

Publicidade

Novo habitinho

A proposta inclui uma caminhada com o pet, o simples ato de acordar mais cedo ou mesmo optar pelas escadas ao invés do elevador. Também estão na lista praticar o autocuidado, incluir espaço na sua agenda para atividades de lazer, tirar do papel aquele seu projeto pessoal e prezar por uma rotina alimentar mais leve, a partir de produtos produzidos com ingredientes mais naturais, por exemplo, com a troca da bolacha recheada por um cookie integral.

Com o auxílio da campanha, Jasmine se mostra presente, acompanhando cada etapa da jornada saudável do consumidor, com opções de produtos orgânicos, integrais, sem glúten, sem lactose e zero açúcar para o público com ou sem restrições alimentares.

As embalagens modernas dos produtos trazem pinceladas coloridas, texturas e ilustrações para facilitar a jornada de compras, e, principalmente, sem a indicação de lupa frontal, que confere à marca produtos livres de alta concentração de sódio, gordura saturada e/ou açúcar adicionado. Além disso, apresenta o clean label ou “rótulo limpo”, com o objetivo de oferecer ao público produtos realmente saudáveis.

Para conhecer o portfólio completo da marca acesse: www.jasminealimentos.com

Publicidade

Confira o vídeo de lançamento da campanha: https://youtu.be/ITRcJPxszbY

FICHA TÉCNICA:

Estúdio: monkey-land

Direção de Criação: Toni Fernandes e Leonardo Claret

Criação: Toni Fernandes e Leonardo Claret, Rodrigo Cotelessa, Lucas Nakano, Eduarda Germano, Thiago Mussa e Mari Carvalho

Publicidade

Negócios e Operações: Bruna Dias, Pedro Castilho e Saulo Sanchez

Mídia: André Massuda, Natalia Sugui e Lilian de Lima Quadros

Planejamento: Jaqueline David, Rafael Moura

Conteúdo: Bárbara Florentino

Cliente: Jasmine Alimentos

Publicidade

Diretor Executivo De Marketing: Fabio Luiz Pires de Melo

Gerente De Marketing Saudáveis: Ana Laura Guitti Nogueira

Gerente Marketing Digital E Midia: Thierry Jim Galves

Coordenador De Marketing Saudáveis: Gustavo Patiri Bueno de Camargo

Analista De Marketing Saudáveis: Raissa Sachelli Cabral e Fernanda de Cillo Alexandre

Publicidade

Produtora: Sugarcane Filmes

Diretor: Gabriel Duarte

Produtor Executivo: Igor Selingarde

Atendimento Produtora: Paula Barbizan e Bruna Nogueira

Diretora de Arte: Tamara Soriano

Publicidade

Diretor de Fotografia: Victor Alencar

Diretor de Produção: Arthur Pinheiro

Figurinista: Fernanda Selva

Elenco:

Orgulho da Nutri: Larissa de Morais

Publicidade

Atleta: Irany Strumiello

Empresária: Diana Klatau

Fastfood: Ricardo Marques

Pós-Produção:

Montador: Igor Selingarde

Publicidade

Finalizador: Olavo Ribeiro

Motion: Henrique Trendo

Coordenadora de Pós: Marcela Antunes

Color: Cora Post

Colorista: Braion Marçal

Publicidade

Visual Supervisor: Lucas Bergamini

Coordenação: Ali Ruas e Milena Aory

Atendimento: Milena Aory e Daniele Maximo

Produtora de Áudio: Halley Sound

Produtor musical: David Bessler

Publicidade

Assistente de produção musical: Giovanni Manzi

Sound Design e Mixagem: Vinicius Magalhães Villani e Vitor Motter

Produção executiva de som: Thereza Helena

Assistente de produção musical: Giovanni Manzi

Sobre a Jasmine Alimentos

Publicidade

Com mais de 30 anos de história, a Jasmine Alimentos é pioneira na fabricação de produtos saudáveis e foi a primeira empresa a produzir granolas no Brasil. Hoje a marca possui um portfólio completo que conta com produtos nutritivos de verdade e sem lupas de excesso, distribuídos em uma linha integral completa, composta por itens integrais, orgânicos e zero açúcar e uma linha especial sem glúten. Desde setembro de 2022, a marca pertence à M. Dias Branco – líder nacional em massas e biscoitos, companhia que possui mais de 17 indústrias e 28 centros de distribuição instalados em diferentes estados brasileiros, assim como processos de exportação para mais de 40 países. Mais informações: www.jasminealimentos.com.

Sobre a M. Dias Branco

Fundada em 1953, a M. Dias Branco é uma multinacional brasileira do setor de alimentos, signatária do pacto global da ONU e com ações negociadas no segmento do Novo Mercado na B3. Sua história começou na década de 40, com a Padaria Imperial, uma iniciativa de Manuel Dias Branco em Fortaleza (CE). Hoje, as suas operações geram mais de 17 mil empregos diretos em diferentes regiões, refletindo o seu compromisso com o desenvolvimento econômico e social do país. A Companhia possui 17 indústrias ou complexos industriais, sendo que sete deles possuem estruturas de moinho de trigo, além de 30 filiais comerciais, que favorecem a distribuição de seus produtos em todo o Brasil e para mais de 40 países.

Sediada em Eusébio (CE), a M. Dias Branco é líder brasileira em biscoitos e massas. A partir da aquisição da Jasmine Alimentos, concluída em agosto de 2022, a Companhia ampliou a sua participação no mercado de alimentos saudáveis, com produtos orgânicos, funcionais, integrais, sem glúten, sem lactose e zero açúcar. Em outubro do mesmo ano, anunciou sua primeira aquisição internacional, a Las Acacias, do Uruguai, focada no segmento de massas, mas que também tem no portfólio misturas para bolos e molhos.

A Companhia detém marcas líderes, como Vitarella, Piraquê, Adria, Fortaleza, Richester e Isabela, produzindo biscoitos, massas, farinhas, margarinas, snacks e torradas. Em novembro de 2021, foi feita a aquisição da marca FIT FOOD, a primeira iniciativa da Companhia no mercado de healthy food, com produtos como biscoitos de arroz, pasta de amendoim, chocolates e chips. Destacam-se ainda as marcas Frontera, de snacks, e Smart, de temperos e condimentos. Para saber mais sobre a M. Dias Branco, acesse: www.mdiasbranco.com.br

Publicidade

Jéssica Bordin 

Colaborou:  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Associação Brasileira das Indústrias de Pescados repudia MP com alterações no PIS/COFINS

Publicado

em

Foto: Arquivo

A Abipesca – Associação Brasileira das Indústrias de Pescados, que na soma de seus associados é responsável por mais de 90% das exportações e aproximadamente 70% das vendas no mercado interno, vem, por meio desta, manifestar o repudio e a preocupação com a Medida Provisória 1.227/2024 que foi publicada na terça feira (04/06).

A MP do Equilíbrio Fiscal, como vem sendo chamada, limita a compensação tributária dos créditos do PIS/ Cofins para abatimento de outros impostos do contribuinte e coloca fim ao ressarcimento em dinheiro do crédito presumido, entre outros.

Antes das alterações realizadas pela MP 1.227/2024, as pessoas jurídicas que não conseguissem utilizar os créditos presumidos de PIS/COFINS ao final de cada trimestre, podiam utilizá-los via compensação com débitos próprios relativos a impostos e contribuições administrados pela Secretaria da Receita Federal ou, poderiam utilizar como ressarcimento em espécie. O saldo credor de PIS/Cofins das empresas poderia ser utilizado para pagar o débito próprio de PIS/Cofins e de todos os outros tributos federais, incluindo o débito de contribuições previdenciárias da empresa.

Com a mudança na regra, as empresas só poderão usar os créditos do PIS/Cofins para reduzir seus pagamentos do próprio PIS/Cofins. Para empresas que têm quase toda sua receita vinda da exportação, a mudança vai impactar com perdas significativas. Devemos lembrar que o Brasil luta para se tornar competitivo internacionalmente, e com os impactos da Medida Provisória proposta, será cada vez mais difícil para o empresário no Brasil, isso influencia diretamente na geração de emprego e renda.

Publicidade

Um setor que é tão importante para o Brasil e para o mundo, devido a sua capacidade de trazer segurança alimentar não deveria ser privado e seus direitos constitucionais, haja vista que a compensação de créditos visa atender o princípio da não cumulatividade tributária. Vale ressaltar que a situação é gravíssima pois a Medida Provisória tem vigência imediata, ou seja, implica diretamente na organização financeira das empresas e indústrias. Dessa forma, vimos mais uma vez manifestar o repudio a Medida apresentada, visto que a carga tributária do Brasil já é suportada a nível sacrificante.

Redação Sou Agro

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Agronegócio

Federarroz: país não tem como produzir e vender quilo do cereal a R$ 4

Publicado

em

FOTO: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) considerou acertada a anulação do leilão público para a compra de arroz importado, porque não há necessidade de importar o cereal para abastecer o mercado interno. O leilão realizado pelo governo foi anulado devido a questionamentos sobre a capacidade técnica e financeira das empresas vencedoras.

Segundo o presidente da entidade, Alexandre Velho, a importação de arroz pelo governo para vender a preço subsidiado pode desestimular os produtores nacionais e aumentar a dependência externa do cereal.

“Se o governo insistir nesse erro, vai estar trazendo uma grande ameaça não só ao setor produtivo, mas às cooperativas e às indústrias, e a área de arroz do próximo ano pode voltar a diminuir, trazendo uma dependência cada vez maior da importação de um arroz que custa a mesma coisa, ou mais caro, e não tem a mesma qualidade do nosso produto”, disse Velho, em entrevista à Agência Brasil.

De acordo com o presidente da Federarroz, os produtores brasileiros não têm condições de produzir arroz para vender a R$ 4 o quilo, preço prometido pelo governo para o produto que seria importado.

Publicidade

“É uma concorrência desleal o governo subsidiar um arroz, beneficiar um produtor da Ásia e prejudicar um produtor brasileiro que fornece um produto de alta qualidade. Nós teríamos que estar usando recursos para manter estes produtores na atividade e não beneficiando produtores de fora do país”.

A Federarroz estima que não existe risco de desabastecimento de arroz no país, pois a área plantada aumentou neste ano, e a quebra no Rio Grande do Sul atingiu somente 15% da área, porque em 85% da área o arroz já tinha sido colhido antes das enchentes. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a estimativa para 2024 aponta uma produção de 10,5 milhões de toneladas de arroz, um crescimento de 2% em relação ao volume produzido em 2023.

“Temos um aumento de área e um aumento de produção, mesmo com a quebra de parte da safra gaúcha. Além disso, tivemos uma redução nas exportações, de cerca de 300 mil toneladas, que ficarão no mercado interno. Então, onde está a justificativa técnica de tomar tal atitude?”, questiona o presidente da Federarroz.

Nesta quinta-feira (13), a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Arroz realizará uma reunião extraordinária para debater uma posição unânime do setor produtivo, das cooperativas e do setor industrial. “Todo o setor orizícola brasileiro é contra essa medida precipitada do governo, que mostra no mínimo uma falta de sensibilidade”, avalia Velho.

Especulação

Publicidade

O Ministério da Agricultura e Pecuária diz que o objetivo do leilão de arroz é dar continuidade à retomada da política de estoques reguladores por partes do governo e, assim, evitar especulação no preço do produto, diante das dificuldades enfrentadas pelos produtores gaúchos após a tragédia climática que atingiu o Rio Grande do Sul, responsável por 70% da produção nacional. Um novo processo será realizado para a compra do cereal, ainda sem data prevista.

Nesta quarta-feira (12), o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto, determinou à Corregedoria-Geral da estatal a imediata abertura de processo de averiguação de todos os fatos envolvendo o leilão para a compra de arroz beneficiado importado. A companhia também solicitou à Controladoria-Geral da União (CGU) e à Polícia Federal uma análise de todo o processo envolvendo o leilão.

“Estas medidas têm como objetivo garantir toda a transparência neste processo, bem como prestar contas e dar a tranquilidade que a sociedade brasileira merece”, diz a Conab, reafirmando que a segurança jurídica e o zelo com o dinheiro público são princípios inegociáveis.

Redação Sou Agro

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo

Agronegócio

Brasil colherá 297,5 milhões de toneladas de grãos, estima a Conab

Publicado

em

FOTO: Wenderson Araújo/CNA/Trilux

A produção de grãos projetada para a safra 2023/2024 é 297,54 milhões de toneladas, volume é 7% inferior ao registrado na temporada anterior. A diferença entre as duas safras é 22,27 milhões de toneladas, de acordo com o 9º Levantamento da Safra de Grãos divulgado nesta quinta-feira (13) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A companhia explica que essa quebra é resultado das “condições climáticas adversas” que acabaram por influenciar as principais regiões produtoras do país.

“Já os cultivos de segunda safra, que tiveram a colheita iniciada, têm apresentado melhores produtividades”, informou a Conab, ao comparar a estimativa atual com a anterior, publicada em maio. O aumento projetado é 2,1 milhões de toneladas, com destaque para milho, algodão em pluma e feijão.

A estimativa de produção do milho 2ª safra está em 88,12 milhões de toneladas. Neste ciclo, a colheita chega a 7,5% da área semeada, tendo por base divulgação anterior da Conab, no levantamento Progresso de Safra, na semana passada.

Publicidade

Apesar da disparidade das condições climáticas que foram registradas no país, “foi verificado em importantes estados produtores uma melhora na produtividade das lavouras”.

Mato Grosso do Sul, São Paulo e parte do Paraná registraram redução e/ou falta de chuvas durante o ciclo do milho 2ª safra. Isso resultou em quedas no potencial produtivo. No entanto, em Mato Grosso, no Pará, Tocantins e parte de Goiás, as precipitações “bem distribuídas ao longo do desenvolvimento da cultura”, associado à tecnologia usada pelo produtor resultaram em “boas produtividades nos talhões colhidos e boas perspectivas nas áreas ainda em maturação”.

Diante desse cenário, a estimativa para a produção total do grão é 114,14 milhões de toneladas.

“O clima também tem favorecido o algodão, cujas lavouras se encontram predominantemente nos estágios de formação de maçãs e maturação. Nesta temporada, a área semeada está estimada em 1,94 milhão de hectares, crescimento de 16,9%, o que influencia na expectativa de incremento de 15,2% na produção da pluma, podendo chegar a 3,66 milhões de toneladas”, detalhou a Conab.

Arroz

A situação do arroz é bem melhor do que o cenário sugerido em meio às enchentes registradas no Rio Grande do Sul, estado que, sozinho, corresponde por mais de 70% de área cultivada e da produção deste grão no país. O levantamento da Conab prevê uma produção de quase 10,4 milhões de toneladas de arroz nesta safra.

Publicidade
arroz
Arroz – Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Gerente substituto de Acompanhamento de Safras da Conab, Marco Antônio explica que o arroz já se encontra 99,2% colhido, faltando apenas algumas áreas em Goiás, no Tocantins e uma maior parte no Pará e Maranhão. “Por sorte, no dia 26 de abril, antes do começo das chuvas, 93% das áreas já estavam colhidas no estado”, justificou o técnico.

Ele lembra que problemas vinham sendo percebidos desde o início do cultivo deste grão, e que o excesso de chuva em setembro resultou em atraso no plantio e, até mesmo, na desistência do cultivo em muitas áreas. No entanto, durante a restante do ciclo, as condições foram “favoráveis na maioria dos estados produtores”.

“Infelizmente, no Sul do Brasil, em maio, ocorreram esses excessos de precipitações que prejudicaram o andamento final da colheita no estado [Rio Grande do Sul]. Mesmo assim, nessa safra a área cultivada ficou em 1,591 milhão de hectares, número 7,6% superior ao da última safra”, explicou Marco Antônio.

“A produtividade teve uma redução e está agora estimada em 6.652 quilos por hectare, número 3,7% inferior ao da última safra. Quanto à produção, ela tá estimada em 10,395 mil toneladas, resultado 3,6% superior a última safra. Por fim, em relação ao último levantamento, o arroz teve uma redução de 0,9% na estimativa, em função das fortes chuvas enchentes ocorridas no RS”, acrescentou ao estimar alguma queda com relação ao rendimento médio do produtor no estado, em função das chuvas.

Feijão

A estimativa da Conab para a produção de feijão é de um aumento de 9,7% na produção total na safra 2023/2024. Com isso, mais de 3,3 milhões de toneladas deste grão deverão ser colhidas no país.

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, durante o lançamento do Plano Nacional para o Desenvolvimento da Cadeira Produtiva do Feijão e pulses, que são a lentilha, o grão de bico e a ervilha.
.Feijão: Conab estima aumento de 9,7%. Foto: José Cruz/Agência Brasil

“Apenas na segunda safra da leguminosa, a estatal prevê uma alta de 26,3% no volume a ser colhido, impulsionado pelo cultivo do feijão preto e do caupi, que devem registrar uma colheita de 589,4 mil toneladas e 462,8 mil toneladas respectivamente”, detalhou a Conab.

No caso do feijão preto, a alta estimada é influenciada por um aumento de 8,5% na produtividade e, principalmente, pela maior área destinada para o cultivo, com alta de 63,5% chegando a 331 mil hectares. “Para o [tipo] caupi o cenário é oposto. Enquanto a área cresce 4,9%, o desempenho das lavouras registra uma melhora de 20,6%. Na terceira safra da leguminosa, cerca de 60% da área é irrigada e o plantio está em andamento”.

Publicidade

Redação Sou Agro

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Enter ad code here

Tendência