Últimas Notícias do Mídia Rural

Preço da soja segue em queda no Brasil





As cotações da soja tiveram nesta quarta-feira (18.04) um dia de baixas no mercado físico brasileiro, influenciadas pelas baixas no Dólar e na Bolsa de Chicago. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, em média os preços caíram 0,02% nos portos e 0,28% nos postos do interior do País (índices do Cepea).

O analista da T&F Luiz Fernando Pacheco afirma que as quedas do dólar, de 0,82% e de Chicago, de 0,41% fizeram os preços da soja cair: “Estas quedas foram parcialmente compensadas com a alta de 2 cents/bushel nos prêmios dos meses mais próximos nos portos brasileiros, razão pela qual os preços pagos sobre rodas praticamente permaneceram inalterados”.

FUNDAMENTOS

Dos 9 milhões de toneladas de quebra da safra atual de soja (produção de 38MT contra 57MT da safra anterior), a Argentina já conseguiu se abastecer de 4,0MT no mercado internacional, das quais 3,0MT do Paraguai, 240 mil tons dos EUA, 120 mil tons do Brasil e o restante do Uruguai e Bolívia (via fluvial).

De acordo com Pacheco, a intenção da Argentina é não perder sua share no mercado internacional de farelo e de óleo de soja, nos quais é o principal fornecedor mundial: “Se conseguir, ou mesmo se reduzir bastante as suas ‘faltas’, as cotações do complexo de soja tenderão a cair a longo prazo”. 

Existe, portanto, uma disponibilidade de 52,86 MT. “Destas 4,63MT foram negociadas para exportação em grão, 10,03MT foram adquiridas pelas indústrias esmagadoras, 1,31MT serão destinadas a sementes e forrageiras em grão, totalizando comprometimento de 15,98MT ou 32,70% da disponibilidade. Restariam ainda para serem comercializadas cerca de 32,88 MT, ou 67,3% da disponibilidade atual do país”, conclui. 





FONTE AGROLINK 

União Europeia deve proibir parte dos frigoríficos brasileiros de exportar frango para região




A União Europeia deverá anunciar a proibição da exportação de frango por uma lista de frigoríficos brasileiros. A decisão deverá ser tomada em reunião nesta quinta-feira (19) da autoridade sanitária do bloco e já é esperada pelo ministério da Agricultura e pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa os produtores nacionais de aves.
Segundo a ABPA, a lista deverá impedir 20 unidades brasileiras de exportar para a Europa, sendo 12 da BRF, líder mundial de produção de frango e dona das marcas Sadia e Perdigão, e 8 de outras empresas brasileiras. A lista oficial ainda não foi divulgada.
“Ainda temos esperança que alguns países votem a favor do Brasil nessa comissão e essa medida não seja aprovada. Mas, se for adiante, vai impactar mais de 30% da exportação para a Europa”, disse o vice-presidente de Mercados da ABPA.

Impasse
Na terça-feira, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que o Brasil vai recorrer à Organização Mundial de Comércio (OMC) contra as restrições à carne brasileira pela União Europeia. Segundo Maggi, a Europa está usando preocupações sanitárias para tomar medidas comerciais contra o Brasil.
Desde a deflagração da operação Carne Fraca, em março do ano passado, a União Europeia reforçou as medidas sanitárias contra o Brasil.
Com a deflagração de uma segunda fase da operação em março deste ano, a UE passou a avaliar a necessidade de novas medidas contra o frango brasileiro. Na ocasião, a BRF foi acusada de fraudar laudos relacionados à presença de salmonela em alimentos para exportação em 4 unidades.

Para mitigar o problema, o próprio governo brasileiro suspendeu provisoriamente a exportação de 10 fábricas da BRF de frango para a Europa. No entanto, o ministério da Agricultura liberou nesta quarta-feira as unidades para exportar para UE, mesmo admitindo que elas poderão ser barradas pelo bloco econômico em seguida.
“A expectativa é que a Comissão Europeia inicie votação prevista de deslistamento das empresas, ainda nesta quarta-feira – processo que pode demorar dias para ser oficializado (publicado). Após isto, as unidades ficam impedidas de exportar ao bloco econômico”, explicou o ministério, em nota.
A BRF não comentou a questão
UE é maior importador de frango brasileiro
O Brasil é o maior exportador de frango do mundo e a União Europeia é seu principal comprador. O bloco é responsável por 7,5% do frango vendido pelo país ao exterior, em toneladas, e 11% em receita, segundo dados da ABPA.



FONTE G1

Agricultor é torturado e executado na Linha C-55 da BR-364




 Na noite de terça-feira (17/04), o agricultor Jonaci Armini, de 52 anos, estava em sua propriedade rural, localizada na Linha C-55 da BR-364, acompanhado por sua esposa R.J.A. de 60 anos e do filho do casal, quando 05 elementos armados e ainda não identificados invadiram a residência anunciando o roubo. Na sequência os marginais mandaram as vítimas entrarem na caminhonete da família, uma Chevrolet, modelo S-10 e seguiram pela Linha C-55, até chegarem a aproximadamente 500 metros da BR-364, onde pararam e mandaram o agricultor e o seu filho descerem do veículo. Em seguida seguiram com a esposa da vítima até a BR aonde ela foi liberada. A mulher então caminhou até uma Pamonharia a beira da via onde entrou em contato com a Polícia Militar, que de imediato enviou ao local várias guarnições. Os Policiais realizaram buscas pelas imediações e acabaram localizando o corpo de Jonaci com as mãos e com os pés amarrados, apresentando uma perfuração na parte de trás da cabeça. Uma equipe do Corpo de Bombeiros chegou a ser acionada, mas não havia mais nada a ser feito. A Polícia Técnico-Científica (POLITEC) realizou os trabalhos periciais e em seguida liberou o corpo para a funerária de plantão. Os Policiais Militares do Patrulhamento Tático Móvel (PATAMO): Terêncio, J. Souza e Domingues, comandados pelo Sargento Dultra realizavam diligências pela região em busca dos marginais, quando localizaram a caminhonete da família abandonada no Travessão B-40, próximo ao Rio Canaã. Dentro do veículo o Perito Criminal Gutemberg encontrou uma lata com várias munições intactas de calibre 22 mm. Uma equipe de Policiais Civis da Delegacia de Homicídios esteve no local e deram inicio as investigações. Mediante os fatos a ocorrência nº 70048/18, foi registrada na Delegacia de Repressão aos Crimes Contra o Patrimônio, para as devidas providências.
         Mais informações no Programa Bronca da Pesada, a partir das 11 horas, com reprise às 20 horas, pela TV do Povo Canal 35 e agora no Digital 35.1, filiada Rede Meio Norte.



FONTE ARIQUEMES 190

Empresário é acusado de invadir fazenda dada por ex-secretário em MT em delação


fazenda-nadaf.jpg

O empresário Roberto Peregrino Morales é acusado pelo ex-secretário da Casa Civil, Pedro Jamil Nadaf, de ter tomado posse de uma fazenda localizada em Poconé. O imóvel foi incluído no acordo de colaboração premiada feito pelo ex-secretário, acusado de participar de fraudes durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa (MDB).
A área é alvo de uma briga judicial entre o ex-secretário e o empresário desde 2016. A fazenda foi devolvida à Justiça pelo valor de cerca de R$ 5 milhões e deve ir a leilão ainda no primeiro semestre deste ano.
De acordo com o boletim de ocorrência feito na manhã desta quarta-feira, esta não é a primeira vez que Roberto Peregrino Morales tenta adentrar ao local e tomar posse. O boletim de ocorrência aponta ainda que Roberto “se aproveitou que a propriedade estava vazia e invadiu o local, colocando um pneu na entrada da propriedade, nomeando o local como Fazenda 5M”.
O documento ainda relata que o empresário substituiu os cadeados utilizados e solicitou inclusive que o fornecimento de energia elétrica fosse reestabelecido pela Energisa. Em depoimento ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), em setembro de 2016, Nadaf declarou ser o dono da propriedade rural de 700 hectares.
Para comprar a fazenda, o ex-secretário disse que teria utilizado R$ 500 mil dos R$ 2,150 milhões que teria recebido na fraude apurada na "Operação Seven". A operação apura suposto esquema de superfaturamento de R$ 7 milhões dos cofres públicos, por meio do pagamento pela desapropriação de uma área rural na região de Chapada dos Guimarães que já pertencia ao Estado.
Para completar o valor do bem, o ex-secretário disse ter utilizado montantes provindos de outras fraudes contra os cofres públicos. Nadaf confessou ter transferido a propriedade para o nome de Marcos Amorim, que, segundo ele, não sabia da origem ilegal dos valores utilizados para adquirir a propriedade.
A fazenda atualmente está bloqueada, pois foi um dos bens entregues pelo ex-secretário à Justiça, para garantir o ressarcimento ao erário público, em caso de condenação. Roberto Peregrino é réu na segunda ação penal derivada da Operação Seven e, conforme apurações do Gaeco, também teria participado do esquema para desvio de verba na desapropriação da área rural que já pertencia ao Estado.
Porém, ele afirmou ter sido vítima de um golpe praticado pelo ex-diretor do Sesc e por Nadaf. Hoje, o ex-secretário está solto após fazer um acordo para ressarcir o erário público em R$ 17 milhões.




FONTE FOLHAMAX

Índios fazem ‘pedágio’ na Br 070 para comemorar Dia do Índio e motoristas protestam




Os motoristas que precisam usar a rodovia Br 070 o distrito do Paredão Grande a cidade de Primavera do Leste estão sendo surpreendidos com um pedágio dos índios xavantes nesta quarta-feira (18/4).

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os índios colocaram dez pontos de abordagem aos motoristas que passam pelo trecho e alegam que estão pedindo contribuições para fazer uma festa de comemoração pelo Dia do Índio, todavia disseram que doação não é obrigatória.

Porém os motoristas reclamam que a forma que os índios chegam para pedir dinheiro está causando um constrangimento e vários acabam ‘doando’ determinado valores. Os patrulheiros não informaram quais são os valores das contribuições.

A cobrança de pedágio na Br 070 já foi alvo até mesmo de uma investigação do Ministério Público Federal e Funai no sentido de pedir para que os índios não fizessem mais essa prática. A PRF informou que tem várias equipes de patrulheiros no local pedindo aos índios com o pedágio.





FONTE AGUA BOA NEWS

Oferta aumentando e arroba do boi gordo caindo





Mercado do boi gordo com viés baixista.

O aumento da entrega das boiadas permite melhor programação por parte das indústrias. O resultado disso são compradores pressionando o mercado com maior firmeza.

Em Mato Grosso, houve desvalorização no preço a prazo do boi gordo em todas as praças pesquisadas na última quarta-feira (18/4).

Em São Paulo, a queda foi de R$0,50 por arroba, em relação ao fechamento da última terça-feira (17/4). A arroba paulista ficou cotada em R$142,00, à vista, livre de Funrural.

Além disso, no estado, indústrias com escalas atendendo em torno de sete dias não hesitam em oferecer preços até R$2,00 por arroba abaixo da referência.

Para os próximos dias, a redução das movimentações de vendas associada à diminuição da capacidade de retenção de animais terminados tende a continuar tirando o fôlego do mercado do boi gordo.

https://www.scotconsultoria.com.br/bancoImagensUP/170906-news-noticias-1.jpg 
FONTE SCOT CONSULTORIA

Exportações do agro crescem 11% em MT






As exportações do agronegócio fecharam o primeiro trimestre desse ano com alta de 11% em relação ao mesmo momento do ano passado em Mato Grosso. De janeiro a março de 2018, a receita somou US$ 3,61 bilhões ante US$ 3,25 bilhões, mantendo a segunda posição do ranking nacional, atrás apenas de São Paulo, cujo faturamento no período foi de US$ 4,06 bilhões. 

Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) mostram que a receita global das exportações mato-grossenses nesse primeiro acumulado somaram US$ 3,65 bilhões, ou seja, as vendas feitas pelo Estado seguem extremamente dependentes da pauta ‘agro’, já que ela representa 98% do saldo até março. Em março, com vendas em US$ 1,77 bilhão, Mato Grosso liderou o ranking das exportações do agronegócio no país. 

As exportações do agro, acompanhadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), mostram que dos mais de US$ 3,65 bilhões faturados pelo Estado, 66,63% do saldo financeiro acumulado vieram dos embarques do complexo soja (grão, farinha e óleo), outros 15,65% das vendas de cereais e farinhas, em especial, do milho, 9,34% das vendas de carnes e outros 6,37% da receita vieram das exportações do algodão. 

O saldo trimestral de Mato Grosso agrega as receitas de janeiro, fevereiro e março, que foram de US$ 878 milhões, US$ 963 milhão e de US$ 1,77 bilhão, respectivamente. 

Considerando os US$ 21,46 bilhões da receita brasileira com as exportações dos produtos do agro, São Paulo respondeu por 18,93%, Mato Grosso por 16,83%, Paraná por 13,64%, Rio Grande do Sul por outros 12,37% e Minas Gerais por 7,97%. 

SALDO – No acumulado do primeiro trimestre de 2018, as exportações brasileiras do agronegócio atingiram US$ 21,47 bilhões, cifra que supera em 4,6% o resultado de igual período do ano passado, significando recorde para resultados de janeiro a março. Tal acréscimo atribui-se ao aumento de 6,7% na quantidade embarcada, uma vez que houve queda de 1,9% no índice de preço.

A Ásia se manteve como principal região de destino das exportações do agronegócio, somando US$ 4,65 bilhões. A União Europeia ocupou a segunda posição no ranking de blocos econômicos e regiões geográficas de destino das vendas externas do agronegócio brasileiro no mês. Houve crescimento de 22,9% nas vendas ao mercado, decorrentes, principalmente, do aumento nas exportações de celulose (+162,6%), soja em grãos (+59,7%), sucos de laranja (+38,8%), fumo não manufaturado (+120,2%) e farelo de soja (+12,9%). 

O coordenador de Competitividade do Departamento de Acesso a Mercados do Mapa, Luiz Fernando Wosch, observou que, na relação dos vinte maiores importadores do agronegócio, tiveram crescimento na aquisição de produtos brasileiros em índices acima de 30%: Egito (+92,4%, US$ 2,15 bilhões), Espanha (+49,7%, US$ 2,12 bilhões), Bangladesh (+41,3%, US$ 1,51 bilhão), Vietnã (+33,6%, US$ 1,46 bilhão), Emirados Árabes Unidos (+33,5%, US$ 1,76 bilhão) e Hong Kong (+31,1%, US$ 2,67 bilhões). 





FONTE DIARIO DE CUIABA

Por causa de reformas no Parque de Exposições, Expoagro é cancelada




O Sindicato Rural de Cuiabá afirmou que por causa das reformas que devem acontecer no Parque de Exposições Senador Jonas Pinheiro, para receber a primeira edição da feira agropecuária AgroMT, neste ano não será realizada a Expoagro. O evento, no entanto, deve voltar a partir do ano que vem.



O evento AgroMT será realizado no Parque de Exposições Senador Jonas Pinheiro entre os dias 9 e 12 de julho deste ano. Para receber a feira o parque passará por uma série de reformas. Por causa disso, não será realizada a Expoagro este ano.

Os dois eventos são distintos. O AgroMT será mais focado em apresentar as tecnologias e discutir o agronegócio, com uma função de ser um evento técnico, sem a realização de show, por exemplo, como acontece na Expoagro. Já para os anos seguintes a Expoagro deve ser realizada normalmente.

AgroMT
 
O evento será realizado em julho no Parque de Exposições Senador Jonas Pinheiro e o setor busca transformar o parque em um centro de eventos voltados ao agronegócio, consolidando assim Cuiabá como a capital do setor.

Será construída uma estrutura no parque com mais de 40 espaços para expositores e empresas. Por causa das obras, neste ano não será realizada a Expoagro.
 
No local terá um espaço destinado a máquinas, equipamentos, veículos, produtos e serviços destinados à pecuária e agricultura, lançamentos de última geração. Também serão atrações a Vitrine Tecnológica, uma área Agro Gourmet e Festival de Comida da Roça.
 
No evento também serão realizadas palestras, workshops e outros eventos técnicos. Vários especialistas abordarão palestras de incentivo para alavancar a produção e exportação nos setores agrícolas do Estado entre as quatro principais cadeias produtivas: sojicultura, piscicultura, milhocultura e bovinocultura.





FONTE OLHAR DIRETO

Mercado do boi gordo perdendo força



Com a entrada da segunda quinzena do mês, os frigoríficos, com o intuito de ajustar os estoques à demanda vigente, compram com cautela.

Com a demanda patinando, comportamento que se arrasta desde o início de abril, a expectativa é de que o cenário continue de pressão nas cotações.

Do lado dos pecuaristas, o bom volume de chuvas mantém as pastagens em boas condições, permitindo a retenção da boiada no pasto.

Entretanto, atenção neste ponto, uma vez que a oferta de bovinos terminados deve aumentar (descarte de fêmeas) e a capacidade de suporte das pastagens diminuir.

https://www.scotconsultoria.com.br/bancoImagensUP/170502-news-noticias-3-boi.jpg 


FONTE SCOT CONSULTORIA

Agricultor atinge 300 sacas de milho por hectare com irrigação inteligente



A irrigação inteligente alimenta a planta, não o solo. Isso muda tudo. Porque quando você fornece água e nutrientes diretamente à raiz, você diminui os custos. Mais importante ainda, você produz colheitas mais fartas e rentáveis. Na lavoura não falta água, o sistema gota a gota economiza o recurso e garante a nutrição adequada para as plantas. 



Fabiano Bielefeld, é agrônomo e produtor rural desde 2010, produzindo milho em Cocalzinho de Goiás (GO), Bielefeld conquistou o recorde estadual de produtividade do grão logo em sua primeira safra. A produtividade alcançada de 300 sacas por hectare no milho foi possível utilizando o sistema de irrigação inteligente. A técnica israelense consiste em levar água e nutrientes diretamente na raiz das plantas, por meio de tubos gotejadores subterrâneos. Conforme Fabiano, após adoção de irrigação inteligente, as plantas consomem apenas 5% de toda água disponível na fazenda. Além disso, o projeto desenvolvido com o tanque acima do nível da lavoura garante econômica de energia ao bombear a água para o campo.
A fazenda tem um total de 25 hectares utilizando a tecnologia, divididos em cinco setores independentes que permite controlar a irrigação e produzir diferentes cultivos. "Através da análise de solo consigo nutrirrigar o talhão especifico, além disso, é possível plantar uma cultura em cada setor simultaneamente", explica Bielefeld.
As terras foram adquiridas em 1997, sendo no início, voltada a atividade pecuária. Foi só a partir de 2009 que a agricultura tomou conta da propriedade. Atualmente o milho é produzido em 100 hectares, sendo 50 ha destinados consumo humano e os outros 50 ha para ração.
A irrigação inteligente chegou na propriedade em meados de 2017 e três meses após o primeiro plantio, o produtor já conseguiu retornar 54% do investimento. A expectativa é que em um ano a aplicação esteja liquidada devido aos ganhos na escala produtiva que o sistema fornece.
Outro aliado nos resultados positivos da fazenda é a rotação com o tomate. Bielefeld arrenda parte da área no período da seca para produtores do fruto. Como a cultura utiliza de 10 a 15 vezes mais adubação do que o milho, o agricultor acaba sendo beneficiado no momento do plantio do grão, já que o solo está preparado.




FONTE AGROLINK

Ibama vai liberar licença que garante conclusão da BR-158





Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) está na iminência de emitir a Licença Prévia Ambiental para Construção do contorno da BR-158. O próximo passo será o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) emitir ordem de serviço para realização do projeto executivo, e tomar medidas para obtenção da Licença de Instalação para iniciar as obras, segundo informou o superintendente do órgão em Mato Grosso, Orlando Fanaia. 

A luta pela conclusão da BR-158, que já perdura há 12 anos, está próxima de chegar ao fim. O senador Wellington Fagundes, um dos principais articuladores junto ao IBAMA, o Ministério dos Transportes, o DNIT e a Funai (Fundação Nacional do Índio), lembra que o trecho entre o Posto Luisinho e o município de Alto Boa Vista já teve licitação homologada para pavimentação de 94 km de malha viária, e dos 800 km existentes, falta pavimentar somente 190, justamente sobre o contorno que margeia a reserva indígena Maraiwatsede.

“Esse é um passo importante e definitivo para um empreendimento tão necessário, já que a rodovia é uma das principais vias de escoamento da produção agrícola na região Araguaia, conectando Barra do Garças ao Pará, e atravessando municípios estratégicos na produção agrícola e de animais” - comemora o senador republicano. Ele disse ainda que todo esse trabalho “será brindado com o desenvolvimento social e econômico de toda a região”.

Em agosto de 2017, aconteceu uma audiência pública para discutir alternativas para desentravar uma série de trechos importantes para o Estado de Mato Grosso, entre eles, a BR-158, um grupo de pontes na BR-242, e a duplicação da BR-163. Presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transportes e Armazenagem (Frenlog), Fagundes defendeu que todo o “esforço realizado por produtores, armazenadores, motoristas” seja contemplado com um escoamento de baixo custo, trazendo competitividade para o país”.



FONTE AGENCIA DA NOTICIA

Polícia Civil prende autores de roubo a fazenda em Nossa Senhora do Livramento




A Polícia Judiciária Civil, unidades da 3ª Delegacia de Várzea Grande (Jardim Glória) e da Delegacia de Nossa Senhora do Livramento (42 km ao Sul) prenderam na manhã desta terça-feira (17) os autores de um roubo majorado ocorrido em fevereiro deste ano, em uma propriedade rural.
A equipe policial, sob comando do delegado da Polícia Civil Olímpio da Cunha Fernandes Júnior, deu cumprimento a dois mandados de prisão preventiva deferidos pela Quinta Vara Criminal de Várzea Grande, em virtude de terem sido reconhecidos como autores de roubo Majorado em uma fazenda no município de Nossa Senhora de Livramento.
Além das prisões, também foram feitas buscas para apreensão de objetos nos respectivos endereços onde se encontravam os indiciados.
Ambos os suspeitos: F. I. S. B. e L. E. F. S., segundo as vítimas, seriam dois dos quatro autores do crime, realizado com elevado nível de agressividade, o que causou perplexidade e medo nos moradores da região.
Fonte: Assessoria | PJC-MT

Colheita de soja em MT alcançou 99,85% do total da área estimada





O Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA) atualizou o volume de soja esmagada no Mato Grosso, apresentando no mês deem março 913,5 mil toneladas, sendo o maior volume mensal já observado na série histórica do Estado.  O valor divulgado representa um aumento de 10,77% em relação ao mês de fevereiro, enquanto que, em relação ao mesmo período do ano passado, registrou um crescimento de 10,68%. Isso se deve, principalmente, à maior disponibilidade de grão no mercado em decorrência do fluxo da colheita, em conjunto com a demanda mais aquecida pelo farelo, que proporcionou uma melhora na margem bruta de esmagamento neste último mês. 


Apesar do volume recorde do mês, ainda é esperado que o ritmo seja mantido ao registrado nos últimos meses. Atrelado a isso, o Instituto  estima que, na safra 17/18, MT esmague 9,25 milhões de toneladas, o que representa o segundo maior volume já previsto na série, ficando atrás apenas ao da safra 2016/17.
Ainda foram divulgadas as novas estimativas de oferta e demanda para a soja em MT, trazendo como destaque a safra 17/18. Com isso, a oferta da nova safra foi revisada para 32,17 milhões de toneladas, o que representa um novo recorde para o Estado. 
Do lado da demanda, a expectativa referente ao volume exportado do grão foi revisada para 18,20 milhões de toneladas, em decorrência da perspectiva de demanda firme pela soja mato-grossense no mercado externo. Já para o consumo interno em MT, são previstas 9,25 milhões de toneladas, ou seja, o segundo maior já visto na série histórica do Estado, ficando atrás apenas da safra 16/17. 
Em relação ao consumo interestadual, é aguardado que volte aos patamares das safras anteriores a 16/17, na faixa de 4,50 milhões de toneladas. Assim, com a expectativa de uma demanda mais fortalecida em relação à safra anterior, são esperados estoques finais mais apertados, estimados em 0,22 milhão de tonelada. 


FONTE AGROLINK

Soja sobe nos portos e cai no interior do Brasil




As cotações da soja tiveram nesta segunda-feira (16.04) mais um dia de comportamentos mistos no mercado físico brasileiro, influenciadas pela baixa na Bolsa de Chicago (CBOT) e no Dólar, além de outros fatores. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, em média os preços subiram 0,25% nos portos e desceram 0,14% no interior do País (índices do Cepea).


O analista da T&F Luiz Fernando Pacheco afirma que as cotações do Dólar voltaram a fechar em baixa diante da não-continuidade dos ataques à Síria e da não-resposta da Rússia, isto é, a guerra não começou (ainda): “Com isto a cotação do Dólar fechou nesta segunda-feira em queda de 0,41%, enquanto Chicago também fecharam em forte queda de 1,16%, quase que pelos mesmos motivos da queda do Dólar”. 
FUNDAMENTOS
Segundo relatório do IMEA liberado nesta segunda, as maiores disponibilidades de soja no estado do Mato Grosso, nesta altura da temporada, estão menores do que na mesma época do ano passado. “Porque os percentuais já comercializados, neste ano, são maiores, aproveitando as boas cotações da soja. O Sudeste é a parte do estado que tem maior disponibilidade. No total, neste ano, já foram comercializadas 71,5%, restando ainda não vendidas 28,5% do total colhido. A colheita, por sua vez, está praticamente terminada, alcançando 99,9% (mesmo percentual do ano passado nesta época)”, explica Pacheco.
De acordo com os mapas climáticos analisados pela Consultoria AgResource, as últimas rodadas de chuvas são oferecidas para o Centro do Bra­sil, nestes próximos 5 dias: “Segundo o modelo AMERICANO (GFS), que se diferencia dos demais modelos, uma ampla área do centro-sul do Mato Grosso, oeste de Goiás e norte do Mato Grosso do Sul deverá ser regada com totais pluviométricos num raio de 20-40mm acumu­lados até o dia 21 de abril. Tais precipitações proporcionam um bom cenário para o desenvolvimento das regiões cultivadas com safrinha. No entanto, os estados do Paraná, São Paulo e o lado sul do Mato Gros­so do Sul sofrem com a permanência do padrão seco desde o começo de março. Além do mais, novas rodadas de chuvas não são previstas para tais regiões, nos próximos 15 dias. O cenário é preocupante, com uma safrinha prejudicada na falta de umidade”. 



FONTE AGROLINK

Conselheiro do Cruzeiro, PF é uma das vítimas de avião no Pantanal de MT


Três pessoas estavam na aeronave que tentou decolar e “mergulhou” em uma área alagada na tarde deste domingo (15) na região de Pirigara, em Barão de Melgaço, no Pantanal Matogrossense. As vítimas são de Minas Gerais, assim como o registro da aeronave.
Na lista dos ocupantes está o policial federal e conselheiro do Cruzeiro Esporte Clube, Márcio Antônio Camillozzi Marra, 53 anos. Os outros dois são Leonardo Augusto de Oliveira, 41 anos, e Ademir Moreira de Oliveira, 67 anos, pai de Leonardo. 
As vítimas feridas foram levadas para o Hospital de Santo Antônio de Leverger. Não há informação sobre estado clínico delas. 
Um vídeo mostra o momento em que um avião entrou numa área alagada no Pantanal de Mato Grosso. O acidente ocorreu quando a aeronave tentava decolar.
As informações preliminares dão conta que o bimotor não conseguiu decolar devido ao excesso de peso. No entanto, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) informou que os investigadores do Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VI), órgão regional, estão em deslocamento para o local para realizar a investigação sobre o acidente.



FONTE FOLHAMAX


Soja em alta no interior do Brasil




As cotações da soja tiveram nesta sexta-feira (13.04) um dia de comportamentos mistos no mercado físico brasileiro, influenciadas pela baixa na Bolsa de Chicago (CBOT). De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, em média os preços desceram 0,03% nos portos e subiram 0,69% no interior do País (índices do Cepea).

O analista da T&F Luiz Fernando Pacheco afirma que, tanto os exportadores do grão como as indústrias, que exportam farelo e óleo, perderam o suporte do mercado futuro para continuar pagando os preços do dia anterior nos terminais portuários. No interior, segundo o Cepea, as cotações foram impulsionadas pelos bons preços do farelo.
 
“No mercado físico do Rio Grande do Sul os preços congelaram em alta, ao redor de R$ 80,00/saca de 60 kg FOB e entre R$ 86/87,00/saca sobre rodas (FAS) em Rio Grande. No mercado gaúcho as indústrias estão com boa demanda para o farelo, tanto no mercado interno, quanto externo e vender o óleo para o biodiesel, seguindo o fluxo da demanda dos leilões do óleo. O prêmio de exportação do grão fechou o dia em 130 cents/bushel acima das cotações de maio de Chicago, para embarque em maio”, comenta Pacheco. 

No Paraná as ofertas de soja se situam entre R$ 80 a 82,00 no Oeste do estado, R$ 81,00 em Guarapuava, R$ 82,00 posto ferrovia no nore do estado, R$ 80,00 no balcão em Ponta Grossa, R$ 82,0 no mercsdo de lotes e R$ 87,00 no porto de Paranaguá, para final de maio. O farelo de soja foi negociado no Oeste a R$ 1.350,00/tonelada, depois de ser negociado a R$ 1.370,00 no início da semana (lembramos que,acima de R$ 1.200,00/t o farelo se torna inviável para o custo das fábricas de ração). Na exportação os compradores reduziram os prêmios para 123 maio, junho sem prêmio, junho/julho 125, julho inteiro 130, agosto 140 cents/bushel sobre os respectivos meses. 

“No Mato Grosso do Sul teve tomador em Maringá a R$ 82,00, para 15/5, futuro local a R$ 78, com ofertas somente acima de R$ 79,00. Os preços em Dourados terminaram a semana em R$ 74,00 em Dourados, R$ 73,00 em Maracaju, R$ 72,00 em Sidrolândia e Chapadão e R$ 71,00 em São Gabriel do Oeste”, conclui o analista da T&F. 




FONTE AGROLINK

Caminhoneiros são flagrados ao trocar placas para aplicar golpe com carta frete





Caminhoneiros foram flagrados pela Polícia Judiciária Civil (PJC) ao trocarem a placa de uma carreta na tentativa de lesar uma empresa de transportes ao aplicar um golpe com carta frete no valor de R$ 4,9 mil. Três homens foram presos em Sorriso, no bairro Industrial, por volta das 15h. Documentos pessoais e CRLV falsos, além de diversas placas de veículos foram apreendidos.

De acordo com o boletim de ocorrência, um dos suspeitos, André Luiz da Silva, de 40 anos – que utilizava documentação falsa em nome de Luciano Dias Marques –, foi flagrado pelos investigadores em um posto de combustíveis trocando a placa de um caminhão.

Ao observar à distância, a PJC verificou que uma carreta foi desengatada de um cavalo Volvo. Logo depois, um cavalo Iveco, branco, engatou a mesma carreta e o motorista – não identificado - seguiu sentido ao município de Lucas do Rio Verde.

Após isso, André Silva engatou no cavalo Volvo outra carreta e saiu em direção ao bairro Industrial. O veículo foi parado em uma estrada que fica ao lado Fiagril.  Uma caminhonete também parou no local e desceram do veículo Sueder Felizarti Lopes, de 27 anos, e Alex Narciso Furquim, de 40 anos.

Segundo a polícia, Sueder entregou para André um alicate de pressão. Uma chave de boca também foi usada durante a troca da placa da carreta.

Os policiais fizeram uma revista no interior do cavalo amarelo e localizaram uma CNH e um RG falsos, pertencentes ao André Silva, constatando a falsidade ideológica em nome de Luciano Marques.

Além disso, diversas placas de veículos e um Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) falso – em nome de Flávio Bueno da Silva – foram encontrados. Também foi achada uma carta frete, no valor de R$ 4,9 mil, emitida por uma empresa de transportes em nome de Luciano Dias Marques.

Após o flagrante de estelionato, falsidade ideológica, adulteração de identificação de veículo automotor e formação de quadrilha, os três suspeitos foram conduzidos à delegacia.

À PJC, André culpou Sueder pelo encontro marcado para troca da placa da carreta e disse que lhe entregou a quantia de R$ 4,9 mil oriundos do pagamento da carta frete.


Fonte: Portal de Sorriso

Motorista morre em acidente na BR-364




O pecuarista Eloi Pereira Duarte, 77, foi assassinado na madrugada deste domingo (15) nos fundos de sua fazenda, na zona rural de Poxoréu. A suspeita é de que o assassinato tenha sido uma represália a denúncia que a vítima fez sobre um abate clandestino de gado.

O corpo foi encontrado por volta da 1 hora da manhã. Segundo informações, Eloi estava amarrado a uma árvore e apresentava vários golpes na região da cabeça.

A suspeita é de que os criminosos tenha usado pedaços de madeira para cometer o assassinato.

Informações preliminares apontam que a vítima tenha sido alvo de "vingança". Na última semana, Eloi denunciou que estavam usando parte de sua propriedade para fazer o abate clandestino de gados.

Eloi é fazendeira há mais de 20 anos e mora na cidade de Poxoréu. A Polícia Civil deve instaurar um inquérito na próxima semana para avançar nas investigações.


Fonte: folha max

Disputa por área rica em calcário levanta suspeita sobre 2 juízes de MT





Quando José Osmar Borges chegou à fazenda São José, em Rosário Oeste (MT), no início dos anos 80, percebeu que rochas de calcário — um mineral usado na fabricação de cimento e como corretivo de acidez para solos agrícolas — afloravam por toda parte. A gigantesca mina no subsolo permaneceu em segredo por anos, mas veio à tona quando uma disputa judicial envolvendo o atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, levantou a suspeita de vendas de sentenças por juízes de Mato Grosso.
Antigo aliado de Jader Barbalho, Borges ficou conhecido como um dos maiores fraudadores no chamado “escândalo da Sudam”, no fim dos anos 1990. Depois da sua morte por envenenamento em 2007, em um aparente suicídio, a fazenda São José — ou São Lucas (com 13 mil hectares, a mesma área possui ao menos duas matrículas) — foi herdada pelo filho do empresário, Alain Robson da Silva Borges. Em 2010, ele tentou articular a criação de uma fábrica de cimento no local, a BRC Cimento.
Investimentos de R$ 700 milhões foram anunciados — parte viria por meio de incentivos fiscais do governo de Mato Grosso. Alain Borges se associou a fundos de investimento de Delaware, nos Estados Unidos, para arquitetar o negócio. A ideia era fabricar o cimento que seria usado nas obras da Copa e das Olimpíadas. Uma fatia de 40% da empresa chegou a ser negociada por R$ 1,8 bilhão com as gigantes Votorantim e Holcim, mas o negócio não prosperou. Em 2014, Alain Borges encomendou de uma empresa alemã, a AEP Technology, um estudo de prospecção do calcário na fazenda São José. Os dados foram usados em uma apresentação para investidores na qual a jazida foi avaliada em R$ 25 bilhões. Os empresários espalhavam a notícia de que era possível escavar as terras por mil anos e ainda encontrar calcário ali.
O espólio de Borges incluía mais de vinte empresas, entre reais e fictícias, muitas das quais usadas para drenar os incentivos da Sudam. Entre elas, a Cotton King, uma fábrica de tecidos em Cuiabá. Assolada pela má gestão e com dívidas que somavam R$ 58 milhões em 2010, a Cotton King entrou em recuperação judicial. Os bens de Borges foram penhorados — entre eles, a fazenda.
GUERRA JURÍDICA APÓS LEILÃO
Em julho de 2012, o imóvel, então avaliado em R$ 39 milhões, foi a leilão na Justiça do Trabalho para cobrir dívidas do grupo. Na ocasião, foi arrematado por R$ 22,7 milhões pelo então senador Blairo Maggi, mas ele desistiu do lance e sub-rogou o direito de arrematação a Gilberto Eglair Possamai, que arcou com o valor e adquiriu a fazenda. Ex-vereador de Sorriso pelo PSDB, Possamai se elegeu em 2004 sem declarar patrimônio e com despesas de campanha que somaram R$ 11 mil.
A Procuradoria-Geral da República chegou a pedir a abertura de um inquérito no Supremo Tribunal Federal para investigar as condições em que se deram o leilão com a participação do então senador, com base na manifestação de um juiz segundo o qual Possamai poderia ser “interposta pessoa" — ou, em bom português, laranja de Blairo. Mas o inquérito 3754 foi arquivado pelo ministro Luís Roberto Barroso por falta de provas.
De olho no calcário, Alain Borges e os inquilinos para quem alugava as terras passaram a questionar na Justiça a propriedade do imóvel. Além de tentar anular o leilão na Justiça do Trabalho, a estratégia era impedir a falência da Cotton King na 1ª Vara Cível de Cuiabá e tentar transferir a massa falida da empresa para as mãos de Jorge Zanette, um empresário que já foi preso em São Paulo por estelionato. Ao arrendar a empresa, ele assumiria automaticamente seus bens, incluindo a fazenda.
O leilão chegou a ser anulado na 7ª Vara do Trabalho de Cuiabá. Na 1ª Vara Cível da cidade, o juiz Flavio Miraglia Fernandes homologou o arrendamento da Cotton King para a empresa Darling Harbour Confecções, de Zanette. Em dezembro de 2014, contudo, o empresário brigou com a turma de Alain Borges e decidiu munir Possamai com o histórico de conversas de um mês que manteve no WhatsApp com a advogada Cláudia Regina Ferreira, que supostamente intermediava vendas de sentenças no Judiciário mato-grossense. O material sugeria uma trama para manter as terras com seus antigos donos.
Com 22 páginas que compreendem o período entre outubro e novembro de 2014, os diálogos — aos quais O GLOBO teve acesso — constam de duas investigações que correram desde 2015 sob segredo de justiça nas corregedorias da Justiça do Trabalho e do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT).
Sócia do escritório Ferreira & Priolli Advogados Associados, Cláudia é casada com o ex-juiz Marcos Aurélio dos Reis Ferreira, filho do ex-presidente do TJ-MT, o ex-desembargador José Ferreira Leite. Em fevereiro de 2010, ambos foram aposentados compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no chamado “escândalo da maçonaria”, acusados de desviar R$ 1,4 milhão do TJ-MT em benefício de uma loja maçônica em Cuiabá, da qual Leite era grão-mestre.
Na conversa, a advogada faz dez referências ao pagamento de juízes. Em 6 de outubro de 2014, por exemplo, depois de encontrar-se com Zanette em uma padaria em São Paulo, ela diz: “Vc não prefere levar em espécie amanhã. Inclusive se vc tiver dólar pode ser. Não esqueça que temos que pagar o juiz primeiro (sic)”. Jorge responde: “dra o do juiz tem que ser em especie?”. “Isso”, responde a advogada.
No dia seguinte, Cláudia envia: “Ficamos acordados 2 milhões no ato da assinatura do contrato de arrendamento, sendo um milhão pro juiz e um milhão para nós. E o remanescente quando da decisão judicial de homologação do contrato de arrendamento da cotton”.
Em 8 de outubro, veio uma cobrança: “Temos que acertar imediatamente o juiz”. Jorge questiona: “E o juiz da fazenda e adm?”, supostamente em referência ao juiz Paulo Roberto Brescovici, do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (TRT-23). Cláudia responde: “Vão passar aqui no escritório para falarmos pessoalmente. Te posiciono assim que eles saírem daqui. Coloquei o pagamento no ato da assinatura. 2 milhões. E o remanescente na homologação do contrato de arrendamento da Cotton”.
Em 17 de outubro, a advogada faz referência ao juiz Flavio Miraglia: “Vamos finalizar isso na segunda. Pq dai já vou atrás de despachar com o Dr Flavio. Já pagamos também. E assim concluímos. E deixamos de correr risco”, escreve. Quatro dias depois, afirma: “Atrasei aqui na reunião com o Dr Flavio, mas ja estou indo”. Na sequência: “tudo ok agora é só pagar ele (sic)”.
Com o material entregue por Zanette, Possamai protocolou uma reclamação contra os juízes no CNJ. Em agosto de 2015, a ministra Nancy Andrighi mandou as corregedorias investigarem o caso. Três anos depois, a corregedoria do TJ-MT informou que não comenta casos sob sigilo. O pleno do TJ decidirá nos próximos dois meses se aposenta compulsoriamente o juiz Flavio Miraglia Fernandes, cuja conduta em outros processos de falência envolvendo empresas com patrimônio milionário é investigada.
O QUE DIZEM OS JUÍZES
Em fevereiro deste ano, o ministro corregedor-geral da Justiça do Trabalho, Renato de Lacerda Paiva, arquivou o inquérito que corria na corregedoria contra Brescovici. “Não se vislumbram provas, sequer indiciárias, das supostas irregularidades cometidas pelo magistrado”, escreveu. Em fevereiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) de Mato Grosso acusou Possamai de “imputar crime a inocente”.
— Sou absolutamente inocente — disse Brescovici ao GLOBO.
O juiz Flavio Miraglia também refutou as acusações de Possamai.
— Vivo exclusivamente do meu salário — disse o juiz, que no último mês de fevereiro recebeu um salário bruto de R$ 43.080,74. A advogada Cláudia Ferreira não atendeu aos telefonemas da reportagem. Ao juízo, contudo, assumiu ter conversado por WhatsApp com Jorge Zanette, mas disse que os diálogos foram manipulados. Alegou que houve a troca da palavra “Luis” por “juiz” — e contratou uma perícia particular, cujo resultado, anexado ao processo, restringiu-se a detalhar o funcionamento de aplicativos como o WhatsFake, que permite adulterar conversas no aplicativo. Os corregedores não pediram perícia no aparelho. O empresário Jorge Zanette não foi localizado.
Atualmente, a fazenda está em poder de Possamai. Alain Borges ainda tenta reverter a venda judicial na Justiça.




FONTE FOLHAMAX
 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br