Últimas Notícias do Mídia Rural

Soja cai no Brasil apesar de alta do Dólar




As cotações de soja caíram 1,44% nos portos brasileiros (para R$ 90,04/saca) e 0,98% no interior do país, para R$ 84,04/saca, segundo a pesquisa diária do Cepea. Com isto, as perdas da soja em outubro atingiram 5,84% nos preços de exportação e 5,56% nos preços pagos pelas indústrias esmagadoras.


De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, a queda de 1,96% nas cotações da Bolsa de Chicago superaram com folga a alta de 1,16% do câmbio no Brasil. “Os preços continuam com as mesmas bases, os produtores ainda insatisfeitos com os patamares, mas começando a crer nesses novos níveis eaté aceitando a possibilidade de cair ainda mais com a iminente eleição do Bolsonaro”, disse um corretor à T&F.
Segundo o analista Luiz Fernando Pacheco, este é o sentimento geral do mercado: “Para os próximos meses, os preços da soja estarão fortemente atrelados às flutuações do dólar no Brasil, ao clima nos Estados Unidos e à maior ou menor demanda da China por soja americana porque, como praticamente acabou a soja brasileira e o pouco que resta não está entusiasmando os produtores a vender por causa do dólar, resta aos chineses repensar a situação de disputa com os EUA e tentar uma estratégia para conseguir driblar as taxas impostas pelo governo”.
O especialista que haveria a possibilidade de o dólar voltar para níveis acima de R$ 4,00 se a implantação de reformas do novo governo gerarem protestos e convulsão social no país. Além disso, Chicago poderia subir se os problemas climáticos hoje existentes sobre a safra americanas, de excesso de chuva e neve, se intensificarem e ainda se houver problemas de seca sobre a safra brasileira de soja. Tudo isso poderia levar os preços da soja de volta aos patamares de R$ 80,00/interior para a próxima safra.



FONTE AGROLINK

Ibama flagra desmate ilegal com correntões, apreende tratores e aplica multa de R$ 1 milhão em MT





Uma área de 1,1 mil hectares foi embargada nessa quinta-feira (18) por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) em Juara, a 690 km de Cuiabá. Nenhuma pessoa foi presa.

Segundo o Ibama, foi constatado o desmatamento ilegal na área. A derrubada de árvore estava sendo feita com o uso dos chamados 'correntões' em uma área de cerrado, aberta ilegalmente para ser usado para agricultura.

Na prática do correntão, os desmatadores colocam correntes seguradas por tratores. As máquinas conseguem arrancar e arrastar com facilidade, ao mesmo tempo, árvores de mais de 30 metros de altura.

Segundo informações da superintendência regional do Ibama, o dono da propriedade recebeu um multa de R$ 1,1 milhão pelo desmatamento ilegal.



FONTE G1

É o Brasil quem vende carne para a China ou a China é quem compra a carne brasileira?




Caro produtor,

Em agosto a exportação de carne bovina in natura foi recorde. E em setembro rompeu este recorde. No último mês, foram embarcadas 150,7 mil toneladas, volume quase que 35% superior ao de setembro de 2017. No mesmo comparativo, o destaque foi para a China, que aumentou em 109% as compras.

Em setembro, a China comprou 24% deste volume e Hong Kong 19%, totalizando juntos 43%.  Cabe ressaltar que Hong Kong funciona como um entreposto comercial. A carne brasileira chega lá e de lá vai para a China. Aos poucos, estamos habilitando frigoríficos para exportar diretamente para os chineses, o que explica o crescimento das compras da China.

Mas o que é a China? Tive o privilégio de ir para a China no final de 2015, justamente para pesquisar sobre a demanda chinesa. Produtor, devemos começar com o fato que a China é um gigante. De acordo com National Bureau of Statistics of China (sigla NBS - órgão similar ao IBGE na China), a população chinesa é de aproximadamente 1,4 bilhões de pessoas. Estamos falando de 20% da população mundial.

Ainda que o consumo destas pessoas seja muito pequeno, 4,07 kg de carne per capita por ano, de acordo com a Organisation for Economic Co-operation and Development (OCDE). Qualquer aumento de “um bife a mais por ano” causa uma demanda mundial expressiva. Às vezes acho que esta conta de “um bife a mais por ano” já caiu no senso comum, às vezes acho que estamos colhendo os frutos dela agora.  A questão é que não podemos generalizar.

De acordo com o NBS, ainda existe na China 43 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza. O fato é que de 2010 a 2017, a renda per capita bruta praticamente dobrou, de acordo com o Banco Mundial. Ainda que a população extremamente pobre tenha diminuído e esta seja uma das metas do governo até 2020, a classe média tem aumentado rapidamente. E esta classe média chinesa ainda consome muito do que não “queremos mais comer”. Quando estive lá, ouvi de uma chinesa que nós brasileiros não comíamos os órgãos porque não sabíamos o que era fome. Carne por aqui era abundante. O que não ocorria por lá.

Isso é verdade. Um dos itens mais consumidos pelos chineses é o pé de frango. Quando meu pai produzia frango de corte, costumávamos receber prêmios se os pés não tivessem calos. Tanto que logo que cheguei, encontrei o pé de frango da imagem abaixo na loja de conveniência de um posto de gasolina, embalado a vácuo e pronto para ser consumido. Do mesmo modo, pé de frango está em praticamente todos os cardápios dos restaurantes chineses. 




O fato, produtor, é que a China demanda muita carne barata. Mas não é apenas isso. Conforme a foto 2 ilustra, também existe mercado para aquele bife “vermelhinho” no meio. Quando quem estava me recebendo queria me causar uma boa impressão, uma boa recepção, o bife (e não o pé de frango) fazia parte do cardápio. 



Outra coisa que observei por lá foram inúmeros restaurantes com o chamativo de carne australiana. A brasileira ainda tem menos apelo, mas na Nanjing Road, principal rua de Shangai encontrei uma placa escrita em inglês que dizia: Churrasco brasileiro, encontre aqui. E a figura dos nossos espetos de rodízio - aquela foto que me arrependo até hoje de não ter tirado.  

Assim, este aumento da demanda vem do aumento geral do consumo per capita. Futuramente, também poderemos colher os frutos do término da lei do filho único, implantada em meados da década de 70. Cada chinês só podia ter um filho, mas, por diversos motivos, incluindo o envelhecimento da população isto terminou em 2015.  Por estes e por outros motivos, costumo dizer nas minhas palestras que todo economista e todo pecuarista deve visitar a China para entender o potencial do seu negócio.

Porém, nem tudo são flores! Enquanto nós brasileiro “engatinhamos” no comércio, o chinês faz negócio há milênios. Geralmente, para habilitar um frigorífico brasileiro para exportar diretamente para a China, há uma “troca”, a meu ver nem sempre justa, de plantas chinesas de pescados serem habilitadas para exportarem para o Brasil. Cabe mencionar também que, da mesma forma que eles aumentaram a demanda por carne brasileira, dobraram a compra de carne argentina.Também são os maiores compradores de carne uruguaia. Ou seja, é uma estratégia dos chineses diversificar de quem eles compram.

Como pecuaristas, devemos sim ficar felizes com este aumento da demanda. Tem ajudado e muito a dar sustentação aos preços da arroba. Porém, devemos ter em mente que se colocarmos todos os nossos ovos na cesta da China, estaremos refém desta relação comercial.

Encerro este texto respondendo à pergunta do título: É o Brasil quem vende carne para a China ou a China é quem compra a carne brasileira? A resposta é uma frase que ouvi do professor do Instituto de Economia da Unicamp, Antônio Márcio Buainain: é a China quem compra do Brasil! Precisamos começar a vender. Neste contexto, vender é preciso. Diversificar para quem vendemos também é!

Se você quiser saber um pouco mais sobre a China e a sua relação comercial por produtos de origem animal do Brasil, nesta conexão eletrônica tem uma entrevista onde conto mais sobre a minha experiência neste país asiático.





FONTE SCOTCONSULTORIA

Carga falsificada de defensivos agrícolas avaliada em R$ 500 mil é apreendida pela Polícia Civil





Uma carga de defensivo agrícola suspeita de ser falsificada, avaliada em R$ 500 mil, foi apreendida pela Polícia Judiciária Civil, na manhã desta quinta-feira (11), em Campo Verde (131 km ao Sul). Dois homens foram presos em flagrante pelo crime de receptação.

A ação foi realizada pela Delegacia de Polícia de Campo Verde, em apoio às investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

Os policiais civis foram acionados para averiguar suspeitas de que uma carga de defensivos agrícolas, supostamente falsificada, seria entregue em uma casa comercial de Campo Verde.

A denúncia partiu da empresa fabricante do produto, a qual identificou a falsidade do material por análise de lotes e embalagens. Os investigadores iniciaram diligências e flagraram o momento que os defensivos seriam descarregados de um caminhão baú, para dentro de um estabelecimento comercial do ramo, localizado na região central de Campo Verde.

Após constatação de se tratar da carga suspeita, o motorista do caminhão, de 56 anos, e o dono do local, de 39 anos, responsável por receber os produtos, foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Campo Verde, interrogados e autuados por crime de receptação.


Fonte: G1MT

Venda de soja para o exterior tem novo aumento; China é principal compradora




Em setembro, as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 8,17 bilhões. O saldo da balança comercial foi superavitário em US$ 7,1 bilhões. O agronegócio foi responsável por 42,9% das exportações totais do Brasil, que somaram US$ 19,06 bilhões no mês.
As vendas da soja em grãos alcançaram US$ 1,83 bilhão e foram recordes para setembro em quantidade, somando 4,61 milhões de toneladas. O produto representou 76,2% do total exportado pelo complexo soja no período.
A celulose registrou US$ 681,26 milhões e 1,25 milhão de tonelada em exportação, o que representou recorde para setembro. Em comparação ao mesmo mês do ano anterior, houve aumento de 21,6% em valor e 8,9% na quantidade embarcada, que foi de 1,25 milhão de tonelada.
As exportações de carnes somaram US$ 1,41 bilhão, 2,7% acima do que foi registrado em setembro do ano passado. Houve recorde histórico na quantidade mensal exportada de carne bovina in natura: 150,66 mil toneladas. Foram exportados US$ 698,01 milhões em carne bovina e US$ 572,5 milhões em carne de frango no mês. Em conjunto, os dois produtos foram responsáveis por 90% do valor exportados pelo setor de carnes. As exportações de carne suína sofreram queda de 32,5%, alcançando US$ 93,65 milhões.
A Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ressalta o recorde ocorrido também nas exportações mensais de bovinos vivos, em valor e quantidade (US$ 101,1 milhões e 46,9 mil toneladas), a ainda de chocolate e preparações alimentícias, contendo cacau em valor (US$ 55,8 milhões) e amendoim em grãos em valor (US$ 22,2 milhões).
Principal destino
Além da China, quatro países tiveram crescimento acima de um dígito: Turquia (+216,0%; aquisições de US$ 138,52 milhões); Irã (+45,1%; aquisições de US$ 174,02 milhões); Índia (+22,6%; aquisições de US$ 178,15 milhões); Argentina (+19,6%; aquisições de US$ 132,61 milhões).
Acumulado no ano
As exportações do agro atingiram US$ 76,66 bilhões entre janeiro e setembro, com incremento de 3,6% em relação aos US$ 73,98 bilhões exportados no mesmo período em 2017.
As importações do agronegócio totalizaram US$ 10,54 bilhões, no mesmo período, o que representou retração de 1,3% ante os US$ 10,69 bilhões adquiridos nos nove primeiros meses de 2017. Como resultado, o saldo da balança comercial do agronegócio aumentou de US$ 63,29 bilhões para US$ 66,12 bilhões (+4,5%).
A participação do agronegócio no total das exportações brasileiras decresceu 1,6 ponto percentual no período, chegando a 43,3%.
A informação é da assessoria.
Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)

Fazendeiro é acusado de desmatar 1,2 hectares sem a licença ambiental




O proprietário de uma fazenda localizada em Colíder está sendo investigado pela Promotoria de Justiça Cível acusado de crime ambiental, que causou danos através do corte raso na vegetação nativa em floresta numa área de 10,2 mil metros quadrados (1,2 hectares) sem a licença ambiental emitida pela secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema)

O inquérito foi aberto após notificação da Sema. A conclusão das investigações terá o prazo de um ano.




fonte nortao noticias

Vigilância Sanitária investiga açougueiro flagrado retirando carne de porta-malas de carro



ircula nas redes sociais uma imagem onde é possível identificar o funcionário de um açougue retirando peças de carnes do porta-malas de um carro. O caso aconteceu em um estabelecimento que fica no bairro Duque de Caxias, em Cuiabá. As imagens foram apresentadas para a Vigilância Sanitária, que esteve no local para investigar as irregularidades.
Conforme as imagens, é possível identificar que o açougue se localiza na avenida Senador Filinto Muller, na altura do cruzamento com a Avenida José Monteiro de Figueiredo, próximo ao 44º Batalhão de Infantaria Motorizada do Exército.
Na sequência de fotos aparecem dois homens: um, trajando branco, avental, touca e bota, aparenta ser funcionário do açougue; o outro, de roupa casual, boné e óculos escuro, seria o fornecedor. A mercadoria, três peças grandes de carne, foi entregue no porta malas de um Fiat Palio Weekend, de cor branca.
LIVRE procurou a Vigilância Sanitária do município para saber se o transporte do produto não estava irregular. Conforme informou a assessoria, o setor fiscalizador da Prefeitura também havia recebido as imagens e esteve no local nessa quarta-feira (10), logo após recebê-las.
Conforme o documento disponibilizado para a reportagem, a carne encontrada possui carimbo de Inspeção Federal, nota fiscal e também apresentava cor, odor e textura em bom estado.
O proprietário do açougue informou que o caminhão que faz o transporte da carne havia quebrado e que, por isso, foi preciso improvisar, transportando a carne em um veículo particular.
O setor de Vigilância também emitiu um parecer técnico informando que encontrou irregularidades no estabelecimento, que deverão ser corrigidas no prazo de 30 dias, conforme notificação entregue ao proprietário. Ele poderá ser punido caso não regularize a situação.




fonte olivre

Idoso aparece em Santo de Leverger e não sabe dizer onde reside


Alguém conhece esse idoso?
Apareceu aqui em uma fazenda em Santo Antônio de Leverger e esta aparentemente desorientado e não sabe dizer onde reside.
Disse chamar: LOURENÇO RODRIGUES DE MORAES
Genitora: Maria Paes de Barros.
Precisamos urgentemente de ajudar da população para localizar seus familiares.
Qualquer informação favor entrar em contato com o Cisc pelo numero 190 ou 3341-1020 (Secretaria da Assistência Social no horário comercial).





fonte wats

Identificado um dos assassinados a tiros no Nortão; pecuarista se entregou na delegacia



Josselino Gonçalves, de 43 anos, foi identificado como sendo um dos homens assassinados a tiros em uma propriedade rural no município de Guarantã do Norte (232 quilômetros de Sinop), ontem à tarde. A segunda vítima contínua na funerária São Judas Tadeu aguardado ser identificada. Ainda não há definição dos sepultamentos.
O suspeito, 53 anos, de ter matado os dois homens, procurou a delegacia de Polícia Civil e confessou o crime. Ele contou em depoimento que vinha tendo ‘problemas’ com Josselino há alguns dias, que estava ameaçando de invadir sua propriedade. Na última quinta-feira, ele chegou a cortar a cerca e mandou que ele retirasse o gado do local. Ontem, ao acompanhar o trabalho de um dos seus funcionários encontrou a vítima e o comparsa (não identificado) cortando novamente os arames. Josselino ao visualizá-lo, teria seguido em direção a um carro e tentou pegar um saco branco. O proprietário com medo de ser morto, atirou e matou os dois.
A Polícia Militar e a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) estiveram no local e encontram no carro de Josselino um revólver 22. No bolso dele, também foram localizadas 11 munições do mesmo calibre.
Conforme Só Notícias já informou, após ser ouvido o suspeito foi liberado. Ele entregou aos policiais um revólver calibre 38 e uma espingarda calibre 36 utilizadas no crime. A motivação apresentada e todas as circunstâncias de com ocorreram as mortes ainda serão investigadas pela Polícia Civil.
Só Notícias/Cleber Romero

Produção de milho do Brasil deve aumentar, diz USDA



O mais novo relatório produzido pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicou que a área e a produção de milho para o ciclo 2018/2019 devem aumentar. De acordo com os dados, a área deverá passar de 16,65 milhões de hectares para 18 milhões e a produção deve bater as 95 milhões de toneladas, ante 85 milhões do ciclo anterior. 

A notícia é considerada animadora pelos especialistas do Departamento, já que o ciclo de 2017/2018 havia registrado uma redução de 17 milhões de toneladas, ou 17,3% na produção e uma queda de 5,68% nos hectares plantados com a cultura. Para o USDA, as condições climáticas foram fundamentalmente responsáveis por essa diminuição. 
“Os declínios na área e produção foram devidos ao plantio tardio do milho safrinha, devido à colheita tardia da soja, ao investimento reduzido nos insumos agrícolas e à menor área para o milho de primeira e segunda safras. Além disso, as condições de seca e as geadas esporádicas em grandes áreas de safrinha prejudicaram significativamente os rendimentos”, diz o texto. 
As exportações do ano de mercado de 2017/2018 estão previstas em 21 milhões de toneladas, em linha com a estimativa de produção revisada para baixo. “A maior parte do milho safrinha tem sido tipicamente destinada a mercados estrangeiros, mas as exportações neste ano foram prejudicadas pela oferta limitada e pelo tabelamento do frete mínimo para o transporte rodoviário de cargas”, complementa o USDA. 
Quanto ao consumo, o Departamento espera que haja um crescimento em mais 4,8%, chegando em 65,5 milhões de toneladas.  “Apesar dos reveses causados pela greve dos caminhoneiros em maio e de ter sido forçado a sacrificar milhões de aves, a indústria de carne de frango, que é responsável pelo consumo de grande parta da safra de milho, está em recuperação e deve crescer cerca de 2,3% no ano que vem”, conclui


fonte agrolink



Arroba do boi chega a R$ 134 em Alto Boa Vista, melhor preço nos últimos quatro meses



O preço pago pela arroba do boi gordo está em recuperação na região Araguaia. Pelo menos é o que mostra os indicadores comerciais do IMEA, o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária.

Hoje o preço da arroba do boi gordo em Alto Boa Vista chegou a casa dos R$ 134,50 seguindo a tendência de alta. Já a arroba da vaca gorda está saindo a R$ 125,23.

Em Confresa o produtor está recebendo R$ 133,00 na arroba do boi gordo. Valor que deve variar de forma positiva nos próximos dias segundo analistas de mercado. 



fonte agencia da noticia


Troca de soja por insumos é favorável, diz DATAGRO





A relação de troca da soja por insumos para a produção da cultura está se tornando ligeiramente favorável para o agricultor brasileiro neste ano de 2018. É isso que aponta um recente relatório produzido pela consultoria DATAGRO, que considerou, dentre outras coisas, dados coletados em agosto deste ano nos estados produtores da oleaginosa, como Paraná e Rio Grande do Sul. 


De acordo com o analista de grãos da DATAGRO, Flávio Roberto de França Júnior, autor do relatório, é interessante que o produtor faça o cálculo de quantas sacas da oleaginosa irá gastar para conseguir adquirir os principais insumos. Dentre eles, o especialista cita como alternativa investir em produtos como sementes, defensivos, fertilizantes.  
Segundo ele, esse fato está ocorrendo porque pode se observar uma heterogeneidade nos resultados desse tipo de transação. Com isso, ele afirma que a oleaginosa vai ganhando poder de compra no mercado de insumos, quando comparado com o mesmo período do ano anterior. “Em relação ao padrão histórico, também há um comportamento misto, mas igualmente pendendo positivamente para o produtor”, escreve França Júnior. 
Além disso, o analista de grãos informou que, neste ano, os preços dos insumos registraram uma certa valorização quando se faz um comparativo com o ano passado, o que influencia, consequentemente, num aumento de despesas vinculadas a produção, como a própria compra de insumos. No entanto, a elevação do preço da soja no mercado doméstico está se sobressaindo ao custo de produção, se tornando o fator dominante dentro os motivos para aderir ao sistema de troca.




fonte agrolink

Ladrões assaltam fazenda na zona rural de Colíder e levam Hillux e espingarda




Um produtor rural de 38 anos e sua esposa foram rendidos por dois assaltantes na noite de ontem, em sua residência na comunidade Nova Galileia.

De acordo com o relato, os suspeitos invadiram a residência e renderam a família, sendo que um deles estava armado com um revólver do tipo pistola.

Sempre sob fortes ameaças, os ladrões exigiam uma arma que diziam saber que o proprietário tinha. Por fim, fugiram com uma espingarda calibre 12, cerca de R$3,5 mil em dinheiros, 3 celulares, um violão Gianini e uma caixa de som amplificada.

Eles colocaram tudo na caminhonete Hillux, branca, da vítima e partiram.

A Polícia Militar foi informada e quando se deslocava para o local, se deparou na MT-320, com a caminhonete abandonada, com os faróis acesos, porém sem nenhum ocupante.

As investigações foram iniciadas e a polícia já está à procura dos suspeitos, pelas características repassadas pelas vítimas.


Fonte: Nortão online

Grupo armado invade fazenda agride moradores e roubam veículos, armas e eletrônicos em Lucas




O crime ocorreu, ontem, por volta das 22h, em uma fazenda localizada na Linha 25, Setor 11, próximo ao Posto São Genaro. De acordo com informações repassadas à Polícia Militar, quatro homens armados, arrombaram a porta, invadiram uma das casas da propriedade, e começaram a agredir o morador, de 57 anos, com golpes de coronhadas na cabeça e na mão, e o obrigaram a entregar sua espingarda calibre 28 de dois canos.
Depois os criminosos levaram a vítima até a casa de outro morador da fazenda, um homem, de 44 anos, assim que ele abriu a porta também foi agredido com coronhadas e teve que entregar as chaves de seu Fiat Strada vermelho.
Os bandidos foram ainda até a sede da fazenda e onde reside um outro homem, de 42 anos, que também foi rendido e amarrado com as outras vítimas que estavam na fazenda.
Depois de revirarem todas as residências os assaltantes fugiram levando celulares, 5 televisores, computador, tablet, joias, motor de barco e vários outros objetos, além da Strada e um GM Ônix branco.
A PM fez buscas, e durante a madrugada conseguiu localizar os dois veículos roubados que estavam abandonados perto da ponte de madeira do rio Verde, que dá acesso a comunidade do Morocó. O restante dos objetos roubados e os criminosos não foram localizados.
Só Notícias com correspondente em Lucas do Rio Verde (foto: Só Notícias/arquivo)

Algodão geneticamente modificado será plantado em Rondônia



A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) autorizou os agricultores do estado de Rondônia a plantarem uma variedade de algodão geneticamente modificado. No entanto, isso só ocorreu depois da homologação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e de um relatório da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).


De acordo com Paulo Barroso, pesquisador da Embrapa Territorial e responsável pelo parecer, algumas técnicas como levantamento de campo, entrevistas com agricultores, literatura científica e análises foram utilizadas na elaboração do documento. Ele explicou também que foram visitados 20 dos 52 municípios do estado para conseguir apurar todas as informações necessárias. 
Um dos motivos que levava o estado de Rondônia a fazer parte da chamada zona de exclusão dos algodoeiros, onde o cultivo da variedade geneticamente modificada não foi autorizado, era a incerteza da perda da diversidade genética das espécies nativas. No entanto, o levantamento indicou que o Gossypium barbadense, que é a espécie encontrada no local, predomina-se nos quintais das residências e não nas lavouras. 
Além disso, o documento afirmou que o fluxo gênico não representa um risco para a permanência dessa espécie no estado. Os dados mostram que, entre 2002 e 2015, nenhum hectare de algodão foi cultivado em Rondônia e em 2016 apenas 350 hectares foram plantados, o que deve mudar com a decisão da CTNBio. 
Segundo José Paulo Gonçales, titular da Secretaria de Agricultura de Rondônia e autor do pedido, a decisão irá fortalecer o agronegócio e a economia local, gerando mais emprego e renda. “[Ele é] uma boa opção para substituir o algodão convencional, pois esse tipo de cultura tem muitas despesas”, comenta.

FONTE AGROLINK

Carreta carregada com milho tomba na BR-158 após tentativa de ultrapassagem




O acidente ocorreu por volta das 17hs da tarde desta terça-feira, (09), na rodovia federal, BR-158, nas proximidades do antigo Posto da Mata. O veículo tentava ultrapassar outra carreta quando houve o acidente. Parte da carga se espalhou na margem da estrada.

Conforme informações repassadas ao Site Agência da Notícia, a carreta carregada com 30 toneladas de milho seguia para o Porto de Colinas, no Tocantins. O motorista contou que ao tentar ultrapassar outra carreta o condutor o fechou, obrigando sair da estrada.

A carreta saiu para o barranco e tombou, o motorista João de Souza Filho, 29 anos, não sofreu ferimentos. O veículo teve parte da cabine destruída com impacto.

Outra colisão foi registrada nas proximidades do Alô Brasil, uma carreta colidiu contra a traseira de um bi trem estacionado no acostamento com parte na pista. Ninguém se feriu com gravidade. 





FONTE AGENCIA DA NOTICIA

Milho: aumento da oferta e mercado mais frouxo





A maior oferta do cereal no mercado interno com a colheita da segunda safra (2017/2018) concluída e maior intenção do vendedor em negociar tiraram a sustentação dos preços. 

Na região de Campinas-SP, em setembro, a saca fechou setembro cotada em R$39,60, sem o frete, frente a negócios em até R$42,00-R$43,00 por saca em agosto último. 

Em outubro, a referência está em R$39,00 por saca de 60 quilos (9/10). A queda do dólar colaborou com este cenário. 

Importante destacar, porém, que as quedas nas cotações seguem limitadas pela menor produção na temporada que se encerrou e maior movimentação para exportação, ainda que em volumes menores que no ano passado. 

Em curto prazo, a expectativa é de preços mais frouxos no mercado interno.




FONTE SCOT CONSULTORIA

Soja é plantada à noite em fazendas de MT para o cultivo de algodão safrinha dentro do prazo




Os produtores rurais de Mato Grosso estão fazendo o plantio da soja à noite para conseguir plantar o algodão safrinha dentro do prazo. A tecnologia instalada nos tratores auxilia durante o plantio noturno para que não haja danos aos grãos.

Em uma fazenda localizada em Pedra Preta, a 243 km de Cuiabá, cerca de 30 mil hectares serão utilizados para o plantio de soja, sendo seis mil hectares a mais em relação ao ano passado.

De acordo com o gerente de produção, Joanei Luiz Baldissera, os primeiros talhões do grão estão germinando, devido ao aumento das chuvas.

“As chuvas aconteceram no período certo e nós iniciamos os trabalhos um pouco antes”, afirmou.

Em 10 mil hectares, será realizado o plantio de algodão safrinha, o correspondente a 30% a mais em relação à safra anterior. Por isso, os primeiros hectares são de soja precoce, ou seja, com 100 dias as lavouras estão prontas para serem colhidas. O algodão precisa ser semeado até o dia 25 de janeiro de 2019.

“Estendemos o plantio durante a noite para que possamos ter uma boa safra e plantar o algodão dentro dessa janela”, disse.

Plantio de soja é feito também durante a noite em Mato Grosso

Para auxiliar no plantio noturno, o operador de máquinas Genivaldo Martins Félix explica que os tratores são equipados com GPS e um monitor de sementes. “A tecnologia ajuda bastante e, se der alguma falha na hora do plantio, nós podemos ver no monitor e ajustar”, afirmou.

Em uma fazenda que fica em Alto Garças, a 366 km de Cuiabá, a soja será semeada em 13,7 mil hectares, segundo o gerente Edson Luiz Bortolatto. “Nós já demos início no plantio e hoje estamos com mais de quatro mil hectares plantados com soja”, disse.

Na fazenda foram destinados mais de seis mil hectares ao plantio do algodão safrinha, um aumento de 30% em relação ao ano passado.

Com isso, os produtores rurais estão utilizando o algodão, como safra principal devido ao valor de mercado. “Para que possamos ter uma boa safra de algodão, precisamos fazer esse plantio em uma janela de 10 a 15 dias”, contou.




FONTE FOLHAMAX

Frigoríficos testam preços menores no mercado do boi gordo




Muitos frigoríficos estavam fora das compras na última segunda-feira (8/10) avaliando o mercado.  

Outra estratégia que normalmente acontece no início da semana: compradores pressionando o mercado ofertando preços abaixo da referência. Este foi o cenário em São Paulo.

O preço do boi gordo caiu e a arroba ficou cotada em R$150,00, à vista, livre de Funrural. As escalas de abate estão programadas para a semana.

Em Mato Grosso do Sul a conjuntura é outra, por lá é feriado também no dia 11 (criação do estado) e com dois dias a menos de funcionamento parte das indústrias está ativa nos negócios e os preços estão firmes.

Com a cotação do boi gordo perdendo embalo e os preços da carne bovina sem osso sustentados no mercado atacadista, a margem das indústrias que vendem os cortes desossados é a mais alta dos últimos 30 dias, 19,7%, colando na média histórica.



FONTE SCOTCONSULTORIA 

Motorista morre após caminhão tombar na rodovia entre Nova Mutum e Diamantino




Felipe Dias da Silva, de 22 anos, morreu, ontem à noite, após o Ford Cargo branco, placas de Anápolis (GO), carregado com corotes de cachaça, que ele dirigia tombar na BR-163, ontem por volta das 23h15.
A morte foi confirmada pela equipe de resgate da concessionária ainda no local. Como o veículo tombou às margens da rodovia não houve interdição da pista.
As causas do acidente serão apuradas, mas segundo um investigador da Polícia Civil, o acidente ocorreu em uma curva acentuada.
Uma equipe da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) de Diamantino, analisou as circunstância e encaminhou o corpo ao Instituto Médico Legal para exame de necropsia.
(Atualizada às 10h39)
Redação Só Notícias (foto: Leandro Campos)

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br