Últimas Notícias do Mídia Rural

Sem dinheiro, carros da polícia ficam sem combustível




s cartões que abastecem os carros da polícia de Mato Grosso foram bloqueados, desde a última sexta-feira (15), por falta de pagamento. Conforme comprova imagem abaixo do cartão da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT). 
WhatsApp Image 2019-03-18 at 09.57.26.jpeg

Segundo a assessoria do governo de Mato Grosso, o bloqueio aconteceu em todo estado, porém logo após a interrupção, o problema teria sido resolvido.
Entretanto, imagem enviada com exclusividade ao site emanuelzinho comprova que os cartões continuam bloqueados. Assim, o trabalho da PM pode ser comprometido, e em consequência, afetar o atendimento à população de Mato Grosso.  
Desde o início do seu mandato, o governador Mauro Mendes (DEM), implementou uma série de medidas para conter gastos. Inclusive, assinou um decreto de estado de calamidade financeira e afirmou que a medida foi necessária por causa de dívidas deixadas pela administração anterior, estimadas em R$ 4 bilhões, e despesas acima da arrecadação prevista para este ano. 



FONTE MUVUCA POPULAR

Preço da saca de soja "disponível" começa a semana em alta em Querência




O preço pago pela saca de soja disponível em Querência, região Norte Araguaia, começa a semana em alta. O preço para comercialização está em R$ 62,50 (sessenta e dois reais com cinquenta centavos) com alta de 1.13% na última semana. Mesmo assim o valor está bem abaixo da oferta em outras cidades de Mato Grosso.

Em Rondonópolis a saca está sendo comercializada por R$ 69,00 (sessenta e nove reais), com valorização de 0,73% na última semana. Em algumas cidades a saca começa a semana em baixa, veja os nomes e valores:

Sinop R$ 63,00 com -0,47%
Sorriso R$ 63,30 com  -0,31%
Tangará da Serra R$ 64,00 com -0,31%

Mesmo com o registro de queda nos valores de comercialização nas cidades citadas acima, os preços ainda são mais altos que os ofertados em Querência, que serve como referência para o Norte Araguaia. Os dados desta reportagem são do Imea, Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária.



FONTE AGENCIA DA NOTICIA

Mercado do boi encerra a primeira quinzena de março em alta




Na última sexta-feira (15/3), o mercado trabalhou sem grandes alterações, na maioria das praças pecuárias as referências ficaram estáveis.

Apesar das escalas estarem curtas, normalmente neste dia da semana os compradores seguram as pontas à espera do desempenho do escoamento de carne no final de semana, e foi isso que aconteceu no fechamento da semana anterior.

Contudo, analisando os preços ao longo da segunda semana de março, o mercado entrou em uma trajetória de alta.

Das 32 praças pesquisadas, em 19 a cotação da arroba subiu na comparação semana a semana, em seis as cotações caíram e no restante não houve alteração de preço.

E na média de todas elas, a valorização foi de 0,3%. Destaque para região de Três Lagoas-MS, onde quem negociou o boi essa semana recebeu R$2,00 a mais por arroba em relação a que quem negociou na semana anterior.

A oferta de boiadas está contida e os frigoríficos têm dificuldade de fazer ofertas de compra com queda de preço.



FONTE  SCOT CONSULTORIA

"Incêndio em frigorifico de Confresa começou no depósito de embalagens", destaca Tenente do Corpo de Bombeiros


O incêndio que atingiu a unidade frigorífica da JBS em Confresa começou no depósito de embalagens. A informação foi divulgada no final da noite de domingo pelo Tenente Eduardo em Cuiabá, ele é um dos membros da equipe de comunicação dos Bombeiros em Mato Grosso.

O tenente reforçou que o Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 8 horas e que ao chegar no local foi constatado que no local do incêndio havia mais de 100 toneladas de papelão, o que dificultou os trabalho. As chamas atingiram também a sala de embalagens.

As chamas foram controladas ainda durante a manhã. A equipe do Corpo de Bombeiros recebeu apoio da Brigada de Incêndio do Frigorífico e de equipes da Prefeitura Municipal de Confresa. Mesmo com as chamas controladas o processo de rescaldo, que é o esfriamento da estrutura, seguiu durante todo o domingo.

Não houve registro de feridos. Participaram dos trabalhos em Confresa os Sargentos Menegatti, Soares e Lucelio.




FONTE AGENCIA DA NOTICIA

Soja em alta com acordo EUA/China próximo




O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago registrou na sexta-feira (15.03) alta de 10,75 pontos no contrato de Maio/19, fechando em US$ 9,0925 por bushel. Os demais vencimentos em destaque da commodity na CBOT também fecharam a sessão com valorizações entre 10,00 e 10,75 pontos.
Os principais contratos futuros fecharam a semana com ganhos significativos no mercado norte-americano da soja, com expectativa sobre um acordo entre Estados Unidos e China. “As negociações, apesar de difíceis, caminham para uma evolução positiva. O parlamento chinês deu luz verde para projeto de reforma econômica que viria de encontro ao que Washington está reclamando de Beijing, o que melhora as expectativas de um possível acordo”, ressalta o analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Fernando Pacheco.
De acordo com a AgResource, o Mercado em Chicago adicionou prêmios de alta, especulando um acordo comercial entre EUA e China. A ARC afirma que não foi alertada de nenhuma nova demanda chinesa por grãos norte-americanos, entretanto “há relatos de que os importadores da China aumentaram o volume de ofertas para compra, quando comparado aos últimos dias. Além do mais, as análises técnicas não justificam a continuação estrutural de vendas por parte dos fundos de gestão ativa, diminuindo o efeito de pressão sobre os preços”. 
“Nossa mesa de análise afirma que ainda haverá dias de novas baixas na CBOT, entretanto o sentimento do mercado continua apontando para um novo posicionamento que irá favorecer a recuperação expressiva das cotações internacionais. Um momento de adicionar novas vendas no mercado físico brasileiro tem se aproximado, porém será passageiro”, conclui a ARC Mercosul.




FONTE AGROLINK

Parecis SuperAgro será lançada na próxima quinta (21)



Parecis SuperAgro será lançada na próxima quinta (21) 
Evento, realizado pelo Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis, está em sua 12ª edição e prevê reunir 20 mil pessoas de 9 a 12 de abril 

O Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis realiza na próxima quinta-feira (21) o lançamento da programação da Parecis SuperAgro 2019, feira de tecnologia e negócios que chega a sua 12ª edição. O evento, que tem previsão de reunir 20 mil pessoas de 9 a 12 de abril, engloba palestras técnicas, vitrines tecnológicas, exposição de produtos e maquinários e debates setoriais. 

“Além de anteciparmos tendências e inovações do agronegócio estadual e brasileiro, vamos debater a conjuntura política e econômica e os impactos sobre a atividade agropecuária”, antecipa Antônio Brolio, presidente do Sindicato Rural e organizador da Parecis SuperAgro neste ano. 

O lançamento da feira ocorre no parque de exposições Odenir Ortolan e reúne patrocinadores, apoiadores e expositores. Um dos pontos altos do evento é a realização do Fórum de Desenvolvimento Econômico da Região do Parecis, marcado para 10 de abril. Além do networking entre produtores rurais e empresários, está prevista a participação de prefeitos e do Governo do Estado na ocasião.

“A Parecis SuperAgro atua como uma indutora de novas oportunidades para toda a cadeia produtiva mato-grossense, e o fórum é um importante instrumento para manter a conexão entre iniciativa privada e Poder Público”, comenta Brolio. 

Entre os nomes definidos na programação, estão Miguel Daoud, analista de política e economia, Cristiano Zerbato, pesquisador da Unesp, e Tarcísio Cobucci, pesquisador que trabalhou 16 anos na Embrapa e conduzirá um Dia de Campo falando sobre feijões. O escritor Gabriel Carneiro Costa fará a palestra de encerramento. 

A Parecis SuperAgro 2019 tem patrocínio da Aprosoja e do Senar-MT, Aster e Syngenta e apoio da Prefeitura e da Câmara Municipal de Campo Novo do Parecis, e da Acrimat.



ASSESSORIA

Caminhoneiro é encontrado após ficar 15h refém; carreta foi apreendida em Lucas do Rio Verde


O caminhoneiro que estava desaparecido foi encontrado sem ferimentos na região entre Diamantino e o Posto Gil (cerca de 184 quilômetros de Cuiabá), ontem à tarde. Ele ficou como refém por quase 15h de um dos bandidos, em uma mata a poucos metros da BR-163, conseguiu sair e pedir ajuda do posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF).
O caminhoneiro contou aos policiais que não foi amarrado, mas ficou sendo monitorado por um homem armado. Ontem, uma caminhonete (marca e modelo não informados) se aproximou do cativeiro e o bandido entrou no veículo e fugiu. Com isso, ele conseguiu sair da mata e pedir ajudar.
A localização dele ocorreu poucas horas depois da Scania branca que ele conduzia ser apreendida por policiais militares de Lucas do Rio Verde. Ela foi roubada em Diamantino.
Um homem que estava conduzido a carreta foi preso. Os policiais foram  informados sobre o crime que ocorreu na terça-feira à noite. Com ajuda do proprietário, eles iniciaram monitoramento da carretada na BR-163, que estava seguindo sentido a Sinop. Com isso, conseguiram fazer a prisão. A carga de soja também foi recuperada.
O suspeito contou que a carreta estava sendo levada para Sinop, mas não apontou onde estava o caminhoneiro. Ele foi encaminhado à delegacia de Polícia Civil para as providências necessárias. Não foi confirmada se permanece preso.
Redação Só Notícias (foto: Só Notícias)

Ponte sobre o Rio Jamari em Alto Paraíso é arrastada pela força da água




Interditada há mais de um mês, a ponte sobre o rio Jamari, localizada na RO-459, não resistiu à força da correnteza e cedeu nesta semana em Alto Paraíso (RO), no Vale do Jamari.

De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura e Serviços Públicos de Rondônia (DER-RO), o local só poderá ser avaliado após o nível do rio abaixar e não há previsão de quando a rodovia ficará trafegável novamente.

Para tentar amenizar os problemas, o diretor da 2ª Residência Regional do DER-RO em Ariquemes, Derson Celestino, informou que conversará com a direção-geral do departamento para verificar a possibilidade de usar uma balsa para fazer a travessia como meio provisório até a construção de uma nova ponte.

Por enquanto, o acesso até o município se dá pela RO-457, mais conhecida como Travessão B-40, mas por não ser pavimentada, as condições da estrada vicinal ficam precárias com as chuvas.

O DER-RO afirma que equipes realizam os trabalhos de raspagem na via para melhorar as condições do tráfego frequentemente. Ainda assim, os condutores acabam levando mais tempo para concluir o trajeto até a cidade.

O supervisor de fiscalização do Conselho Regional de Farmácia (CRF-RO), Paulo Barro, saiu de Porto Velho para cumprir uma requisição do Ministério Público (MP-RO) e fiscalizar as unidades públicas de saúde de Alto Paraíso, mas por conta do problema, a viagem ficou mais longa, o que para ele atrapalha bastante.

“Ficamos quase que impossibilitados de cumprir a demanda e com o percurso mais longo, a gente fica numa situação de perda de prazo. Teríamos que apresentar um relatório, que fica impossibilitado de confeccionar sem ter feito a visitação”, citou.

Sem ter conhecimento preciso da localidade, Paulo Barros também reclamou sobre a falta de sinalização na RO-457.

“As estradas vicinais não estão boas e em época de chuva a situação fica mais complicado. A precariedade é maior e o acesso também fica dificultado pela falta de sinalização, que daria um direcionamento mais correto para quem não conhece o local”, destacou.

Fonte:G1

Produtor Rural que matou engenheiro agrônomo consegue direito a cela especial



O juiz da comarca de Porto dos Gaúchos acatou parcialmente o pedido da defesa do produtor rural Paulo Faruk de Moraes de 61 anos, e concedeu direito de detenção em cela especial.

De início, a defesa do réu tinha requerido prisão especial no Centro de Custódia de Cuiabá, e que ele aguardasse a decisão recolhido no Batalhão da Polícia Militar de Juara, diante da inexistência de cela especial na Cadeia Pública de Porto dos Gaúchos.

O pedido foi baseado no fato de que Faruk já exerceu a função de jurado em tribunais de júri em Nova Mutum-MT.

Na decisão, o magistrado acolheu parcialmente o pedido da defesa, e concedeu ao réu o direito de prisão especial tão somente em cela distinta daquelas destinadas aos presos comuns, mas manteve o cárcere na unidade prisional de Porto dos Gaúchos.

– Não há motivo que justifique o recolhimento de preso comum a quartel das Forças Armadas. Desta feita, em respeito ao decidido em audiência de custódia mantenho o deferimento de prisão especial ao representado Paulo Faruk de Morais, a ser executada, nos termos e fundamentos desta decisão, em cela separada da unidade prisional desta comarca de Porto dos Gaúchos- diz trecho da decisão.

O Produtor rural de 61 anos, está preso deste o dia 21 de fevereiro pelo assassinato do engenheiro agrônomo e representante comercial Silas Henrique Palmieri Maia de 33 anos, ocorrido no distrito de Novo Paraná em Porto dos Gaúchos no dia 19 de fevereiro/2019.





fonte nortao noticias

Soja registra terceira queda consecutiva



A pesquisa diária do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) registrou queda de 1,12% nos preços da soja sobre rodas nos portos, para R$ 77,09/saca e de 0,23% no interior do País, para R$ 72,25/saca, sendo que o acumulado do mês para exportação passou a ser negativo em 0,35% e no interior em 0,33%. De acordo com o especialista Luiz Fernando Pacheco, analista da T&F Consultoria Agroeconômica, a queda do dólar no Brasil tem influência direta nesse resultado. 
“A queda de 0,66% do dólar no Brasil suplantou a alta de 0,78% nas cotações de Chicago e a elevação dos prêmios nos portos do país, nesta terça-feira. A razão seria o grande peso que o dólar tem sobre a formação do preço da soja no país (algo como 35%, o que é muito)”, escreveu Pacheco em seu boletim informativo diário. 
Segundo ele, a Consultoria recebeu uma informação de uma fonte internacional, nesta terça-feira (12.03) de que há “umidade excessiva” (extremely wet) nos estados das Dakotas do Norte e do Sul, Minesota e partes do Wisconsin, podendo resultar em “menos milho e trigo” e “mais soja”. “A consequência seria uma pequena possibilidade de elevação dos preços do milho e do trigo e negativo para os preços da soja, a médio e longo prazos”, indica. 
“Se os números anunciados pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) hoje se confirmarem (principalmente o da exportação), serão um bom sinal para os preços da soja no Brasil, porque a disponibilidade será menor e os estoques finais serão menores, aumentando a disputa entre as indústrias esmagadoras e os exportadores. Esta ‘melhora’, porém, não seria muito significativa, nem imediata, motivo pelo qual os preços ainda não subiram”, conclui. 


fonte agrolink

Milho safrinha deve ser recorde




Mato Grosso que é o maior produtor de grãos e fibras do país está prestes a conquistar um novo recorde no campo: colher safra histórica de milho safrinha. De acordo com o 6º levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado hoje, a projeção para o Estado é de uma produção de 29,03 milhões de toneladas. Se o volume se confirmar, será a maior oferta local, tornando-se 10,8% superior ao colhido em 2018, quando foram 26,20 milhões de toneladas (t). 

Conforme o levantamento, a safra nacional de milho safrinha tem perspectiva de acréscimo de 4,4% na área cultivada e de 23,6% na produção em comparação 2017/18. “Projeção impulsionada, principalmente, pelos incrementos esperados em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná”. No país, o plantio ocupa 81,4% da área total e em Mato Grosso a semeadura está quase em 100%. 

Com o volume de milho projetado e com mais um recorde previsto para o algodão, Mato Grosso também segue para safra recorde, podendo atingir inéditos 64,97 milhões t. Com um volume recorde, o Estado amplia em 5,3% a oferta de grãos e fibras em relação ao ano passado quando a safra somou 61,71 milhões t. Os dados do 6º levantamento colocam o Estado na dianteira da produção nacional pelo oitavo ano consecutivo. 

Além de todos os avanços projetados para a atual safra, a soma da produção mato-grossense pode render ainda outro destaque, esse em relação à participação no total nacional. Com 64,97 milhões t, o Estado responderia sozinha por quase 28% do total brasileiro, ultrapassando a média de 25% a 26% da oferta global. O Brasil deve expandir a produção em 2,5%, colhendo 233,28 milhões t. 

No levantamento de fevereiro, a Conab estimativa recorde para o Estado, 64 milhões t, também sustentado sobre a oferta generosa de milho e algodão. Na virada do mês, as condições ao milho safrinha se confirmaram e com isso a Companhia adicional quase um milhão de toneladas à previsão estadual. 

Das três principais culturas – soja, milho e algodão – apenas a soja tem projeção de retração anual, 0,6%, passando de 32,30 milhões de toneladas (recorde na série histórica local) para uma estimativa de 32,12 milhões no atual ciclo. 

ALICERÇE - A estimativa para a área e produção do milho segunda safra deixou de ser intenção de plantio para se tornar projeção de safra a partir de agora. 

Mato Grosso deve cultivar uma área 5,6% maior que a registrada no ano passado, passando de 4,47 milhões de hectares (ha) para 4,72 milhões t. A produção passa de 26,20 milhões t para 29,03 milhões t, alta anual de 10,8%. No país, a produção de milho deve ser de 92,8 milhões toneladas, dividida entre a primeira e segunda safras. Essa produção representa um aumento de 15% em relação à temporada passada, que foi acometida por problemas climáticos na segunda safra. 


fonte diario de cuiaba

Cotações do boi gordo ganhando firmeza



Na segunda-feira (11/3) muitas indústrias ainda decidiam quais seriam as estratégias de compra para a semana e, em função disso, tivemos poucas variações nas referências. 

No fechamento da última terça-feira (12/3), já com a maioria dos frigoríficos ativos nas negociações o mercado já começa a mostrar um cenário mais definido.

A dificuldade de compra de boiadas, somada aos estoques que ficaram menores na última semana, em função do menor volume de negócios, pressionaram para a cima as cotações em algumas regiões.

Das trinta e duas praças pesquisadas pela Scot Consultoria houve alta para as cotações do boi gordo em quatorze delas.

Destaques para os estados de Mato Grosso do Sul, Pará e Rio Grande do Sul, onde a arroba do boi gordo subiu em todas as praças.

Já no Acre, apesar dos preços estáveis, as fortes chuvas dificultam o transporte de animais das fazendas para os frigoríficos, fato que pressiona as escalas de abates. Por lá, as programações de abate atendem, em média, dois dias de escala. 

Em São Paulo, a referência para o boi gordo está, em média, em R$152,50/@, à vista, livre de Funrural. Pagamentos acima deste valor são observados, demonstrando que as cotações estão sustentadas.




fonte scotconsultoria

Algodão chega prometendo trazer novo pico de desenvolvimento para Canarana




Alguns vão dizer que que algodão não dá na região de Canarana. Outros, que é loucura. Mas assim foi quando começaram a plantar soja na década de 1980 e, hoje, o município é um dos maiores produtores de soja do Brasil. Não seria diferente em relação a mais uma cultura, que desperta curiosidade e medo ao mesmo tempo.

Mato Grosso é o maior produtor de algodão do Brasil. Levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), aponta que foram plantados na safra 2018/19, 800 mil hectares com a cultura no estado, com uma produção estimada em 1,4 milhão de toneladas, um novo recorde. No Brasil, a estimativa e que a área plantada ocupou 1,4 milhão de hectares, conforme informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Aqui na região a cultura está recém engatinhando. Conforme o próprio Imea, foram plantados 28.180 hectares na região Xingu/Araguaia. Em Canarana, conforme o prefeito Fábio Faria, somente o Grupo Bom Futuro investiu forte e semeou 11 mil hectares na Fazenda Cocal, local onde também será construída uma algodoeira. Além do Grupo Bom Futuro, a Meta Consultoria Agrícola plantou 30 hectares para averiguar os resultados aqui na região.

A média das áreas de lavoura em Canarana, conforme a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente (Seagri), é de cerca de 1.000 hectares. A maioria dos produtores não possui capital para investir na cultura do algodão, onde os custos giram em torno de R$ 7.000,00 por hectare. Bancos e revendas ainda não financiam a atividade aqui na região. Assim, o cultivo se dá em regiões onde se concentram produtores maiores e mais estruturados, como em Campo Verde e no Médio Norte.

Porém, o que se acreditava ser um prejuízo para nossa região, pode ser algo positivo para o algodão. Acontece que aqui no Araguaia/Xingu, começa a chover depois e para de chover antes do que nas grandes regiões produtores de algodão do Mato Grosso. Isso prejudica o plantio da soja e o algodão como safrinha depois, por conta da janela mais curta. A janela ideal para o plantio do algodão é até o dia 15 de janeiro, atingindo 150 dias até a colheita.

Conforme Rodrigo Piccinini, da Meta Consultoria Agrícola, a vantagem de parar de chover antes aqui na região, significa que o algodão não vai pegar água na reta final de desenvolvimento da planta, deixando a pluma com qualidade superior. Além disso, as altas temperaturas do Araguaia/Xingu beneficiam a cultura do algodão, assim como acontece, por exemplo, com o gergelim, a melancia, a piscicultura e tantas outras culturas que se desenvolvem melhor em altas temperaturas.

Os resultados em campo na lavoura da Meta têm sido excelentes. A ideia, falou Piccinini, é que na próxima safra mais agricultores façam experimentos em áreas pequenas, o que poderá já fomentar a vinda de uma algodoeira para atender esses produtores. Por enquanto a produção será levada para algodoeiras em outros municípios. Da mesma forma, a colheita será feita em parceria com produtores de outros municípios, por conta do alto valor do equipamento, que compensa a compra somente para atender grandes áreas de cultivo.

Do outro lado, revendas já começam a se preparar para oferecer máquinas e produtos para o algodão. Consultorias, como a Meta, já estão fazendo testes. No Dinetec 2019, realizado no nosso município no mês de janeiro, pela primeira vez foram apresentadas variedades de algodão e na próxima edição o número de experimentos deve crescer. Bancos também estão sendo contatados para oferecer financiamentos, ou seja, toda a cadeia para fomentar o plantio do algodão aqui na região Xingu/Araguaia.

“Estamos acreditando muito no algodão e que este é um caminho sem volta aqui para a região”, disse Rodrigo. Para ele, a tendência é de crescimento e de uma consolidação do cultivo em Canarana e região, o que atrairá investimentos em máquinas agrícolas e algodoeiras, atrairá profissionais, valorizará as terras e movimentará a economia. Por conta dos altos valores que o algodão movimenta, em poucos anos o PIB de Canarana pode até dobrar, trazendo novo pico de desenvolvimento.




fonte jopioneiro

Aumenta milho tolerante à seca nos EUA



Um novo relatório publicado pelo Serviço de Pesquisa Econômica do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA-ERS) e escrito por Jonathan McFadden, David Smith, Seth Wechsler e Steven Wallander, fala sobre a adoção e utilização de milho tolerante à seca (TS) nos Estados Unidos. O relatório conclui que mais de um quinto da área de milho dos Estados Unidos foi plantada com a variedade geneticamente modificada em 2016. 


Além disso, pelo menos 80% da superfície do milho TS foi plantada em 2016 com sementes convencionalmente melhoradas para a tolerância à seca, enquanto 20% foram semeadas com sementes transgênicas para a mesma característica. Em nível nacional, 3% de toda a área de superfície com milho dos Estados Unidos em 2016 foi plantada com sementes OGM para tolerância à seca. 
O milho TS representou aproximadamente 40% da superfície do milho em alguns estados propensos à seca, já que em 2016, 42% da área com o cereal em Nebraska e 39% da superfície do milho do Kansas foram plantados com sementes TS. Estes e outros estados com uma taxa de aprovação de 25% ou mais, como Dakota do Sul e Texas, experimentaram pelo menos um grave ou a pior seca entre 2011 e 2015. 
A grande maioria do milho TS nos Estados Unidos foi geneticamente modificado para tolerância a herbicidas, resistência a insetos ou ambos e, quase 41% dos campos de milho TS dos Estados Unidos em 2016 não foram arados, em comparação com 28% dos campos de milho que não são TS. Nesse mesmo período, essa variedade foi mais comum em campos plantados com soja, em 2015, do que em campos plantados com trigo da primavera. 



fonte agrolink

Caminhão carregado com sal despenca de ponte em rodovia




Um caminhão Ford Cargo carregado com 12 toneladas de sal mineral despencou de uma ponte próximo ao município de Marcelândia (642 km de Cuiabá), no final da manhã desta quinta-feira (7). O acidente aconteceu na rodovia estadual MT-320.
Segundo o motorista, a barra de direção rompeu enquanto ele passava pela ponte e para evitar uma uma colisão frontal com outro caminhão, ele optou por jogar o seu veículo para fora da pista.
O veículo pertence a uma empresa de ração para animais. Ainda de acordo com informações de populares que passavam pelo local, um guincho foi acionado para fazer a retirada do caminhão e outro para realizar a transferência de carga.
No momento do acidente, o motorista e um ajudante estavam na cabine, e não sofreram ferimentos graves. A imagem do caminhão atravessado na ponte chocou quem passava pelo local, por pouco o veículo não caiu no rio.
FONTE : RONDONIA AO VIVO

Milho: Preços firmes pela demanda de exportação




O surto inesperado de demanda de milho para exportação, liderado pelas empresas Bunge, Olam e Graneles tem mantido os preços do milho no Sul do Brasil em alta, de acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica. No Line-Up desta semana o porto de Imbituba-SC registrou programção de expressivas 220,94 mil tons, contra menos de 90 mil tons nos demais portos 


Segundo a pesquisa diária do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), os preços do milho no interior subiram 0,32% nos poucos dias úteis deste mês de março, ressalta a T&F. Por outro lado, as cotações do cereal recuaram 0,31% nesta sexta-feira (08.03), caindo para R$ 41,19.
CLIMA
Os mapas climáticos atualizados para a América do Sul trazem a permanência de chuvas intensas sobre o Rio Grande do Sul, Paraguai e o Extremo Norte da Argentina, revela a Consultoria AgResource: “Os índices pluviométricos para os próximos 5 dias ultrapassam os 60mm acumulados, para tais regiões. Em todo o restante da região produtora de milho-segunda-safra no Brasil, as precipitações continuam regulares, com totais entre 20-50mm”. 
“Um cenário quase ideal para o desenvolvimento vegetal do milho vem sendo desenhado. As preocupações anteriores frente à falta de chuvas em março e abril foram diluídas com o arrefecimento do El Niño. A volta deste fenômeno tem preocupado nossos meteorologistas, entretanto ainda não há nenhum indicativo prejudicial de falta de chuvas, nos próximos meses. Na Argentina, as chuvas recentes restabelecem os níveis de umidade do solo, mantendo saudáveis”, completa a ARC Mercosul. 



fonte agrolink

Brasil vendeu mais soja essa semana




Segundo apurou a pesquisa diária do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), os preços da soja no mercado físico brasileiro fecharam a sexta-feira (08.03) com preços médios da soja caindo 0,38% sobre rodas nos portos. Apesar disso, os ganhos acumulados do mês ainda estão positivos em 1,65%, e o preço se manteve em R$ 78,64.
Já no interior a média do dia foi positiva, elevando os ganhos do mês para 1,08% e o preço médio para R$ 73,24/saca, também segundo o Cepea. “Na ronda dos estados percebemos uma atividade maior nesta semana curta do que nas semanas anteriores, pela elevação do câmbio, na quarta e na quinta-feira, esfriando na sexta-feira. Mais de 1,5 milhão de toneladas foram negociadas, aproveitando a alta de 2,4% no câmbio nesta semana”, apontou Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica.
A comercialização da safra de soja 2018/19 do Brasil avançou lentamente no último mês, atingindo 42,9% da produção projetada para o país, informou nesta sexta-feira uma consultoria. “Levando-se em conta uma safra estimada em 115,402 milhões de toneladas, o total de soja já negociado é de 49,486 milhões de toneladas. No relatório anterior, com dados de 8 de fevereiro, o número de vendas era de 38,4%”, aponta a T&F.
“Após um início de safra em que os negócios foram acelerados na comparação com o período anterior, as vendas ficaram mais lentas e estão atrás do ritmo visto em 2018 para a colheita anterior e da média histórica para a época. Em igual período do ano passado, a negociação envolvia 43,5% e a média para o período é de 50,3%”, conclui Pacheco.




fonte agrolink

Grãos produzidos em MT ficam parados em bloqueios na BR-163 a caminho dos portos no Pará




A cada safra, a BR-163 se torna mais importante para o escoamento da safra de Mato Grosso. É pela rodovia que os grãos produzidos na região Norte chegam até as embarcações dos portos do Pará, mas nos últimos dias os grãos ficaram parados, em cima de caminhões.

 A soja armazenada em caminhões parados no Norte começa apresentar a problemas. Na lateral de alguns veículos, é possível ver grãos germinando

As carretas carregadas com grãos foram impedidas de seguir viagem. Uma barreira foi feita para evitar o acúmulo de caminhões na BR-163.

Um caminhão está estacionado em Guarantã do Norte há mais de uma semana, com uma carga de 32 toneladas de soja. Como está há muitos dias exposto a sol e chuva, alguns grãos germinando e pequenas raízes saem da carroceria da carreta.

O caminhoneiro precisa levar a carga até o Porto de Miritituba, mas foi impedido devido ao bloqueio feito pela Polícia Rodoviária Federal, desde o dia 3 de março, impedindo que os veículos entrem no Pará.

A barreira foi determinada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) depois que atoleiros se formaram em trechos de terra da rodovia. São quase 50 km, divididos em dois lotes, que ainda precisam ser asfaltados.

O problema é antigo e se repete em todas as safras, quando o número de carretas que seguem para os portos do Pará aumenta muito.

O bloqueio na rodovia impede o escoamento da safra de soja de Mato Grosso. No armazém, aproximadamente 8 mil toneladas de grãos já deveriam ter sido levadas para os portos do Pará e essa realidade já dificulta o cumprimento de contratos.

Hhelário Hermann, dono do armazém, disse que a medida vai atrasar o pagamento para o produtor, que, consequentemente, vai atrasar os compromissos, como o pagamento de prestação de maquinários, funcionários. "Muitos produtores já estão com problema para comprar óleo diesel, porque não conseguiram ainda cumprir seus contratos", afirmou.

A unidade de armazenamento tem capacidade para 18 mil toneladas de grãos e recebe soja de vários produtores da região norte do estado. O receio é que falte espaço para o armazenamento, já que em 50% das áreas desses produtores ainda não foi feita a colheita.

"A gente tem uma clientela de produtores que abrange praticamente os municípios de Novo Mundo, Guarantã, Peixoto de Azevedo e Terra Nova do Norte. Eu acredito que ainda uma semana a gente consegue estar operando com tranquilidade, mas a partir disso aí, já começa a preocupar a questão de espaço no armazém. Infelizmente não tem o que fazer, o produto vai acabar ficando em cima de caminhões mesmo", reclamou Helário Hermann.

Segundo a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), normalmente mais de mil caminhões carregados com grãos do estado, vão para os portos do Pará diariamente. Por isso, destaca que a paralisação de alguns dias gera muitos prejuízos.

"Sabe-se muito bem que um caminhão parado, onde já poderia ter feito uma segunda viagem e acaba não fazendo nem a primeira, automaticamente o prejuízo é muito elevado. Primeiramente, para a empresa, dona do caminhão, ou para o próprio motorista. Segundo, para as próprias empresas que precisam desse produto lá, eles têm demanda, navios ficam parados e com certeza esse prejuízo vem parar todo no bolso do produtor, porque vai ser tirado no preço do produto e na quarta situação isso é prejuízo para o Brasil", avaliou o presidente da Aprosoja, Antônio Galvan.

Em nota, o Dnit informou que equipes do órgão, junto com o Exército Brasileiro e a Polícia Rodoviária Federal estão trabalhando 24 horas por dia na BR-163, a fim de viabilizar a trafegabilidade da via entre Moraes Almeida e Novo Progresso, cuja extensão é de 100 quilômetros.

Argumentou que as condições de uma estrada não pavimentada na Amazônia, o grande número de carretas circulando diariamente, e as fortes chuvas no local nessa época do ano, há necessidade do trânsito fluir de forma lenta e ordenada, para permitir que a via continue sendo utilizável e evitar acidentes sérios na via, particularmente com carretas.

Para reparos e colocação de pedras no trecho, há necessidade de fazer interdições programadas no segmento entre o km 355, e o km 381, distantes 26 km.

As obras de reparação maiores serão executadas das 15h às 17h, bem como das 3h às 0h. Nos demais horários, e durante 24 horas por dia, serão estocados materiais de construção (particularmente pedras), bem como realizados trabalhos mais simples na estrada
.
Fonte: G1MT

Imea aponta média de 105 sacas por hectare nas lavouras de milho do Médio Norte



O Imea (Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária) prevê que os produtores de milho da região médio norte de Mato Grosso colham nesta safrinha de milho uma média de 105 sacas por hectare. O número está em um relatório de mercado divulgado pelo instituto no dia seis de março.

A previsão de produtividade é superior a safrinha anterior, que fechou com 103,2 sacas por hectare nas lavouras da região. O médio norte é o maior produtor de grãos de Mato Grosso e esta safrinha deve produzir 12.721.816 (doze milhões setecentos e vinte e um mil oitocentos e dezesseis) toneladas do grão.

A região composta por municípios como Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum, que são destaques no mundo agro, produz mais de 40% de toda a safra de milho do estado. Mato Grosso deve produzir neste ano nada menos que 28.782.110 (vinte e oito milhões setecentos e oitenta e dois mil cento e dez) toneladas de milho.  



fonte nortao noticias



Tio de Riva é assassinado com tiros na cabeça em estrada de terra




Joaquim Riva, tio do ex-deputado José Riva, mais conhecido como ‘Tio Quincas’, foi assassinado na noite de sexta-feira para sábado, no município de Guaçuí, interior do estado do Espírito Santo.

A deputada estadual Janaína Riva (MDB), filha do ex-parlamentar, publicou uma nota de pesar em sua página no Instagram na qual lamenta o acontecido. "Que Deus possa estar ao lado de cada uma de suas filhas neste momento, dando conforto e acalento", diz a parlamentar

De acordo com informações do site ‘Show de Notícias’, Joaquim estava com o irmão mais velho, Jorge, em uma estrada de terra, quando foram abordados por dois homens que os renderam, colocaram no bagageiro de um veículo e levaram para outro lugar.

Em uma estrada de terra, Joaquim foi executado com tiros na cabeça. Jorge Riva continuou com os assaltantes por um tempo, e depois foi liberado.

Joaquim Riva foi morador de Juara por 40 anos. Foi candidato a vereador e ocupou o cargo de secretário de transportes no mandato de Riva.

Leia a íntegra da nota de Janaína:

É com pesar que comunicamos que nosso querido tio Joaquim Riva não está mais entre nós. Vítima de latrocínio no estado do Espírito Santo, tio “quincas” como carinhosamente o chamávamos, foi brutalmente assassinado. Que Deus possa estar ao lado de cada uma de suas filhas neste momento, dando conforto e acalento. Luto.
Fonte: Olhar Direto

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br