Conecte-se Conosco

Agricultura

Produtor inova com integração de braquiária no sistema de cultivo de uvas gourmet

Publicado

em

Utilizando forrageiras, empresário obteve melhor cobertura de solo, maior controle de pragas, diminuição no uso de defensivos e ainda resolveu problemas de erosão na área dos parreirais – Fotos: Reprodução

 

A uva é uma fruta milenar, sendo um dos alimentos mais antigos do mundo. Os registros históricos das primeiras videiras datam de seis mil anos antes de Cristo no continente asiático. No Brasil, os parreirais vieram com os colonizadores portugueses, em 1535. De lá para cá, a cultura se adaptou, se popularizou e hoje é cultivada desde o extremo sul do país, com grande relevância para Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, até regiões do Nordeste, com destaque para Petrolina, localizada no interior de Pernambuco, às margens do Rio São Francisco.

Foi justamente a uva que motivou e desafiou o empresário Cesar Augusto Ferraz, profissional da área de tecnologia, com atuação no mercado financeiro e construção ambiental, a investir em um projeto inédito e ousado. Para manter ativa as terras de duas propriedades agrícola, que somam 25 hectares, que estão na família há mais de 130 anos, localizadas no município de Araraquara-SP, onde predomina o cultivo agrícola de cana-de-açúcar e citros, ele resolveu montar o primeiro projeto de produção de uvas na região.

Pensando no segmento de uvas de mesa gourmet e na produção de suco, ele foi em busca de conhecimento junto aos principais produtores do Brasil para entender as características da fruta e deste mercado. No início de 2020, após muitas pesquisas e viagens, desenhou o projeto piloto em uma área de 3 mil metros quadrados. “Escolhemos a estrutura para manter os parreirais em sistema em “Y”, diferente do convencional. Toda área tem cobertura antigranizo e sistema de irrigação, um projeto bem estruturado e tecnológico”, disse o empresário.

Publicidade

Em setembro de 2021, implantou as primeiras mudas e iniciou de fato com o cultivo de oito variedades para ver quais se adaptavam melhor à região, onde até então, não tinha nenhum histórico dessa cultura. Para tornar a produção ainda mais eficiente, ele precisava também ter atenção com a proteção do solo e a integração com outra cultura seria a solução.

Através da Rede ILPF, uma associação dedicada a intensificar a sustentabilidade da agropecuária brasileira com a adoção de tecnologias de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), César acompanha os projetos e participa do dia de campo em Ipameri/GO desde 2015, e após algumas conversas resolveu apostar na utilização de forrageiras sob os parreirais. “O conceito da integração sempre esteve no foco principalmente em relação à proteção de solo. Tínhamos uma terra com carbono zero, por ser uma área antiga de cana-de-açúcar. Juntamente com o agrônomo, avaliamos várias possibilidades e surgiu a ideia da braquiária que por si só já mudaria o carbono negativo no solo para positivo”, destacou Ferraz.

Entre as opções de forrageiras no mercado, o produtor escolheu a Brachiaria Ruziziensis, da Soesp. A empresa produz sementes blindadas com tecnologia Advanced, exclusiva da marca, que recebem na fábrica o tratamento para garantir sua qualidade. A empresa possui laboratório especializado em sementes forrageiras acreditado pelo Inmetro e aplica dois fungicidas e um inseticida à superfície dos produtos que protegem a semente até a sua germinação. Todo esse processo tecnológico assegura um valor cultural de 80% para Brachiaria e Panicum, além de alta pureza (cerca de 96%) e alta viabilidade.

As sementes blindadas com a tecnologia Advanced têm ainda como importante característica a uniformidade e resistência, assim não entopem o maquinário de plantio e o tratamento não se rompe, chegando intacto ao solo. Além disso, são produtos com inteligência na absorção de água e ideais para ILPF, com menor custo por hectare. “No nosso caso, a braquiária ajudou muito resolvendo problemas como das formigas, por exemplo, algo comum nesta cultura. Devido a essa cobertura de solo, não tivemos problemas de erosão em aclives como aqui, pois as raízes da forrageira são profundas. Além disso, melhoramos o desenvolvimento da cultura e reduzimos o uso de água nas irrigações, pois, a forrageira mantém bem a umidade no solo”, detalhou, Ferraz.

Outra experiência que foi testada na propriedade, no início desse ano, foi uma safrinha de uva orgânica, sem o uso de qualquer defensivo. Teoricamente não seria possível produzir uva orgânica naquela latitude, devido ao calor e por conta da época das águas, mas, mesmo com as adversidades, ele conseguiu ter duas safras no ano.

Publicidade

“O nosso objetivo é a produção de uva gourmet de excelência, com tecnologia em todos os processos. É um projeto muito bem estruturado, validado e acompanhado por instituições renomadas, como a Embrapa Uva e Vinho de Bento Gonçalves (RS), e a Embrapa Uvas Tropicais de Jales/SP, com a orientação do pesquisador Reginaldo T. de Souza, que esteve com a gente desde o começo, e a ideia é sermos uma UR – Unidade de Referência na região, por isso queremos ampliar as variedades e ser um verdadeiro campo de testes de uvas”, finalizou o produtor.

Sobre – A Sementes Oeste Paulista está sediada em Presidente Prudente (SP) e há 39 anos atua no mercado oferecendo sementes de pastagem. Sua matriz conta com infraestrutura voltada à produção, beneficiamento, comercialização e desenvolvimento de novas tecnologias, tanto para pecuária como para agricultura de baixo carbono. A empresa desenvolveu a tecnologia Soesp Advanced, que revolucionou o mercado de sementes forrageiras nos países de clima tropical, ao trazer diversos benefícios no plantio e estabelecimento dos pastos, e se adequar perfeitamente ao sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Acesse www.sementesoesp.com.br.

Kassiana Bonissoni

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Brasil suspende preventivamente as exportações de carne de aves e seus produtos

Publicado

em

Reprodução

 

Após a confirmação de um foco da doença de Newcastle (DNC) em estabelecimento de produção avícola comercial, no município de Anta Gorda, no estado do Rio Grande do Sul, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) reviu a certificação para exportações de carnes de aves e seus produtos para 44 países.

A certificação para exportação é um acordo bilateral entre países parceiros, e por isso o Mapa revisou preventivamente os Certificados Sanitários Internacionais (CSI) de forma a atender às garantias e os requisitos acordados. Seguindo-se as regras internacionais de comércio de aves e seus produtos, a suspensão da certificação temporária é conduzida pelo Brasil, de forma a garantir a transparência do serviço oficial brasileiro, frente aos países importadores dos produtos.

Desta forma, as suspensões estão relacionadas a área ou região com impedimento de certificação, que varia desde a suspensão por pelo menos 21 dias para todo território nacional ou até mesmo a restrição circunscrita a um raio de 50Km do foco identificado.

Publicidade

Para países como República Popular da China, Argentina e México a suspensão vale para todo Brasil, por enquanto. Neste caso, os produtos com restrições são carnes de aves, carnes frescas de aves e seus derivados, ovos, carne para alimentação animal, matéria-prima de aves para fins opterápicos, preparados de carne e produtos não tratados derivados de sangue.

Já do estado do Rio Grande do Sul, ficam restritas as exportações para África do Sul, Albânia, Arábia Saudita, Bolívia, Cazaquistão, Chile, Cuba, Egito, Filipinas, Geórgia, Hong Kong, Índia, Jordânia, Kosovo, Macedônia, Mianmar, Montenegro, Paraguai, Polinésia Francesa, Peru, Reino Unido, República Dominicana, Sri Lanka, Tailândia, Taiwan, Ucrânia, União Europeia, União Econômica Euroasiática, Uruguai, Vanuatu e Vietnã.

Entre os produtos estão carne fresca, resfriada ou congelada de aves; ovos e ovoprodutos; carnes, produtos cárneos e miúdos de aves; farinha de aves, suínos e de ruminantes; cabeças e pés; gorduras de aves; embutidos cozidos, curados e salgados; produtos cárneos processados e termoprocessados; e matéria-prima e produtos para alimentação animal.

Já de um raio de 50 km do foco não podem ser exportados carnes de aves; farinha de aves, penas e peixes para uso na alimentação animal; e produtos cárneos cozidos, termicamente processados, não comestíveis derivados de aves, para países como Canadá, Coreia do Sul, Israel, Japão, Marrocos, Maurício, Namíbia, Paquistão, Tadjiquistão, Timor Leste. Os CSI’s para esses destinos com data de produção até 8 de julho não entram nas restrições e poderão ser emitidos.

Destaca-se que produtos submetidos a tratamento térmico como termoprocessados, cozidos e processados destinados a Argentina, África do Sul, Chile, União Europeia e Uruguai não possuem qualquer limitação e poderão ser normalmente certificados.

Publicidade

Ainda, o Mapa ressalta que as regras de suspensão são revisadas diariamente, tendo em vista as tratativas em curso com os países parceiros, nas quais são apresentadas todas as ações que estão sendo executadas para erradicar o foco.

Exportações

O Rio Grande do Sul é o terceiro maior exportador de carne de frango do Brasil, ficando atrás do Paraná e de Santa Catarina.

Nos primeiros seis meses do ano, o estado exportou 354 mil toneladas, gerando uma receita de US$ 630 milhões. Essas exportações representaram 13,82% dos US$ 4,55 bilhões gerados pelo país e 14,1% das 2,52 milhões de toneladas exportadas pelo Brasil no mesmo período.

No primeiro semestre, os principais destinos da carne de frango gaúcha foram os Emirados Árabes Unidos (48 mil toneladas – US$ 94 milhões), Arábia Saudita (39 mil toneladas – US$ 77 milhões), China (32 mil toneladas – US$ 52 milhões) e Japão (20 mil toneladas – US$ 43 milhões)

Publicidade

Fonte: Assessoria

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Agricultura

Colheita de bergamota e laranja enfrenta desafios climáticos

Publicado

em

Foto: Seane Lennon

 

De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado nesta quinta-feira (18/07) pela Emater/RS-Ascar, a colheita de bergamota na região administrativa de Lajeado, no município de Harmonia, que cultiva 558 hectares da fruta, foi concluída para as variedades Satsuma, Caí e Ponkan. A colheita da bergamota Pareci chegou a 50%, com preços entre R$ 60,00 e R$ 70,00 por caixa de 25 kg. Nos cultivos de laranja, abrangendo 398 hectares, as variedades Céu Gaúcha e Umbigo Bahia foram completamente colhidas, enquanto 80% das variedades Seleta e Shamouti foram colhidas, sendo vendidas entre R$ 45,00 e R$ 50,00 para mesa e R$ 36,00 por caixa para suco. A colheita da Valência, mais tardia, atingiu 10%, com preços similares. O limão Tahiti para suco é cotado a R$ 10,00 por caixa de 25 kg e R$ 35,00 para mesa.

Na região de Frederico Westphalen, os pomares estão no estágio final de desenvolvimento e início de maturação das variedades de ciclo médio e tardio, com as precoces em fase final de colheita. Já em Passo Fundo, a alta umidade relativa do ar e as chuvas favoreceram doenças fúngicas, prejudicando o desenvolvimento das plantas em colheita. A produtividade ficou abaixo do esperado, com 35 t/ha para laranja e 20 t/ha para bergamota. Produtores têm realizado tratamentos fitossanitários para controlar a mosca-das-frutas. Os preços da laranja estão subindo devido à menor produção, com variedades como Rubi e Valência (mercado) a R$ 1,60/kg, Céu e Valência (indústria) a R$ 1,50/kg e Umbigo Bahia Precoce a R$ 2,00/kg. A bergamota Ponkan está a R$ 1,40/kg e Caí a R$ 1,50/kg.

Em Maçambará, na região de Bagé, a safra de citros foi concluída com produtividade média de 16,5 t/ha. Apesar da boa qualidade das frutas, houve uma quebra de 8% na produtividade esperada devido a condições climáticas adversas, como vendaval e granizo. O preço médio de comercialização foi de R$ 6,00/kg.

Publicidade

Na região de Caxias do Sul, as condições climáticas desfavoráveis afetaram o desenvolvimento e a maturação de bergamota e laranja. As doenças foram favorecidas pela alta umidade, dificultando os tratamentos fitossanitários. A colheita das variedades de ciclo médio está em andamento, com preços em alta devido à quebra de produção. A bergamota Ponkan está a R$ 2,50/kg, enquanto as laranjas para suco variam de R$ 2,00 a R$ 2,25/kg, umbigo de R$ 2,75 a R$ 3,00/kg e Céu de R$ 2,50 a R$ 2,75/kg.

Na região de Erechim, a colheita das variedades precoces foi encerrada, enquanto as de meia-estação e tardias estão em plena colheita. Novos plantios estão ocorrendo, com boa expectativa de aumento de área plantada devido às condições de mercado. Os preços variam de R$ 1,50 a R$ 1,70/kg para laranja de indústria e de R$ 2,00 a R$ 2,10/kg para bergamota, limão e laranja para consumo in natura.

Em Soledade, segue a colheita de laranja de umbigo e Salustiana, com início da colheita de bergamota Montenegrina no Vale do Rio Pardo. A produção está abaixo do normal devido ao período chuvoso na fase de floração, resultando em menor produtividade e alta procura por laranja na região.

AGROLINK – Seane Lennon

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Agricultura

Enfrute 2024 – Companhia apresenta linha robusta de tecnologias para enfrentamento de entraves climáticos, mais produtividade e rentabilidade ao produtor

Publicado

em

Bioestímulo e controle de pragas e doenças em maçã e uva são temas da 18ª edição do evento catarinense – Divulgação

 

A Sipcam Nichino Brasil será destaque da 18ª edição do Enfrute 2024 – Encontro Nacional Sobre Fruticultura e Clima Temperado. O evento, que ocorre na catarinense Fraiburgo, nos dias 23 e 24 de julho de 2024, reúne produtores, consultores, pesquisadores e desenvolvedores de tecnologias para a produção frutícola. Na ocasião, a companhia, com histórico de forte presença no mercado brasileiro de agroquímicos para HF, apresenta um portfólio robusto voltado à nutrição e ao controle de pragas e doenças das culturas de maçã e uva.

Há cerca de dois anos, a Sipcam Nichino introduziu no país uma plataforma de bioestimulantes, formada pelas soluções Abyss®, Blackjak®, Nutex® Premium e Stilo® Verde. Para a companhia, o ‘bioestímulo’ entrega aumento significativo em produtividade e sanidade da maçã e da uva.

“São soluções de última geração. Constatamos a potencialização do desenvolvimento das culturas, resultantes da maior capacidade fotossintética”, resume José de Freitas, engenheiro agrônomo, da área de desenvolvimento de mercado. “O uso correto traz melhor desenvolvimento vegetativo às culturas de maçã e uva, com plantas e frutos mais sadios e produtivos, mesmo diante de entraves climáticos aos sistemas de produção.”

Publicidade

Pragas, doenças e investimentos

O controle de pragas e doenças também terá espaço destacado pela Sipcam Nichino no 18º Enfrute. A companhia difundirá no local informações relevantes sobre os fungicidas Academic®, Dodex®, Metiltiofan® e Zetanil® e o inseticida Trebon®. “Trata-se de um portfólio robusto, de amplo espectro de controle”, resume Freitas.

Conforme o agrônomo, as culturas de maçã e uva são consideradas estratégicas para o negócio da Sipcam Nichino Brasil. “A fruticultura da região Sul do país tem sido alvo de investimentos da companhia em pesquisa e desenvolvimento de soluções tecnológicas. O objetivo é auxiliar o produtor a enfrentar desafios climáticos e produzir mais e melhor”, conclui José de Freitas.

Criada em 1979, a Sipcam Nichino resulta da união entre a italiana Sipcam, fundada em 1946, especialista em agroquímicos pós-patentes e a japonesa Nihon Nohyaku (Nichino). A Nichino tornou-se a primeira companhia de agroquímicos do Japão, em 1928, e desde sua chegada ao mercado atua centrada na inovação e no desenvolvimento de novas moléculas para proteção de cultivos.

Fernando Campos

Publicidade

Colaborou:  Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência