Conecte-se Conosco

Notícias

Santa Rosa seleciona novos exemplares para a Morfologia da Expointer

Publicado

em

Destaque da seletiva passaporte ficou por conta de égua de criatório de Uruguaiana como Melhor Exemplar da Raça – Fotos: Felipe Ulbrich/Divulgação

Realizada durante os dias 21 e 22 de junho, a Exposição Morfológica Passaporte de Santa Rosa (RS), selecionou mais oito exemplares (quatro fêmeas e quatro machos), representantes do Noroeste gaúcho, para a grande final em Esteio, organizada pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), no Parque de Exposições Assis Brasil, durante a Expointer.

O evento que contou com a supervisão técnica do inspetor credenciado à ABCCC, Thiago Andreolla Persici, teve como jurado Fernando Horst, que selecionou, entre os 85 animais que entraram em pista, os melhores exemplares para compor o seleto time dos que irão disputar os títulos da morfologia durante a Expointer deste ano. “Uma belissíma recepção, ótima pista e excelente estrutura proporcionada pelo núcleo.  No julgamento o destaque especial foi o nível das fêmeas. Meu agradecimento à ABCCC pela oportunidade de julgar mais uma exposição e selecionar mais oito animais para a final durante a Expointer”, comentou.

O título de Melhor Exemplar da Raça foi para a fêmea, Grande Campeã, Basca Imbuia. A égua é da criação de Mariana Franco Tellechea e Filhos, da Cabanha Basca, de Uruguaiana (RS). Já nos machos, o Grande Campeão da Exposição de Santa Rosa foi o cavalo Sargento da Taimã, de Taiane Letícia Zochetto, da Cabanha Taimã, de Santa Rosa (RS).

Confira o resultado

FÊMEAS

Grande Campeã e Melhor Exemplar da Raça

Publicidade
BASCA IMBUIA
CRIADOR: MARIANA FRANCO TELLECHEA E FILHOS, EXPOSITOR: MARIANA FRANCO TELLECHEA E FILHOS, ESTABELECIMENTO: CABANHA BASCA, URUGUAIANA (RS)Reservada Grande Campeã
SERESTEIRA DA VENDRAMIN
CRIADOR: ALDO VENDRAMIN, EXPOSITOR: CARLOS EDUARDO DE SOUZA ALTENHOFEN, ESTABELECIMENTO: CABANHA LA PASSION, PALMEIRA (PR)Terceira Melhor Fêmea
GAP PUNHALADA
CRIADOR: PARCERIA GAP GENÉTICA, EXPOSITOR: PARCERIA GAP GENÉTICA, ESTABELECIMENTO: EST NCIA GAP SÃO PEDRO, URUGUAIANA (RS)Quarta Melhor Fêmea
AS MALKE JURA
CRIADOR: JOSÉ SCHUTZ SCHWANCK, EXPOSITOR: SUCESSÃO DE JOSÉ SCHWANCK, ESTABELECIMENTO: CABANHA MALKE, URUGUAIANA (RS)MACHOS

Grande Campeão
SARGENTO DA TAIMÃ
CRIADOR: TAIANE LETICIA ZOCCHETTO, EXPOSITOR: TAIANE LETICIA ZOCCHETTO, ESTABELECIMENTO: CABANHA TAIMÃ, SANTA ROSA (RS)Reservado Grande Campeão
Publicidade
LENÇO COLORADO DO ITAÓ
CRIADOR: CÁSSIO SOUZA BONOTTO, EXPOSITOR: CÁSSIO SOUZA BONOTTO, ESTABELECIMENTO: CABANHA ITAÓ, SANTIAGO (RS)Terceiro Melhor Macho
BASCO INOCÊNCIO
CRIADOR: MARIANA FRANCO TELLECHEA E FILHOS, EXPOSITOR: RUBENS ELIAS ZOGBI, ESTABELECIMENTO: EST NCIA DA CARAPUÇA, CRISTAL (RS)Quarto Melhor Macho
TOPADOR DO CURUPÁ
CRIADOR: RICARDO DE FREITAS LABRÊA, EXPOSITOR: RICARDO DE FREITAS LABRÊA, ESTABELECIMENTO: CABANHA CURUPÁ, ALEGRETE (RS)
Texto: Redação ABCCC

Colaborou:  Astrogildo Nunes – [email protected]

 

Publicidade
Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Carne de frango: exportações podem ser impactadas por doença no Rio Grande do Sul

Publicado

em

Reprodução

 

 

Dados parciais revelam que o Brasil exportou aproximadamente 2,72 milhões de toneladas de carne de frango, gerando uma receita de mais de 4 bilhões de dólares.

Publicidade

Impacto da doença de Newcastle

A confirmação de um caso da doença de Newcastle no Rio Grande do Sul acendeu um alerta para o setor. Segundo Giovani Ferreira, a situação sanitária pode afetar o desempenho das exportações, especialmente devido ao autoembargo imposto pelo Brasil.

Importância do Sul na produção

Os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul são responsáveis por 77% das exportações brasileiras de carne de frango. O Paraná lidera com 42%, seguido por Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que exportou 710 mil toneladas em 2023.

Medidas e previsões

Publicidade

O impacto no primeiro semestre foi nulo, mas possíveis efeitos podem surgir nos próximos meses. As autoridades sanitárias estão atentas para conter a disseminação da doença e evitar maiores prejuízos ao setor.

Henrique Almeida

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Notícias

Governo publica novas regras para registro e controle de material de multiplicação animal

Publicado

em

Foram estabelecidos novas classificações de estabelecimentos – Alexandre Weick Uchoa Monteiro

 

O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) publicou nesta terça-feira (23.07), novas regras para registro, controle e fiscalização de estabelecimento comercial de material de multiplicação animal nacional e importado. O material de multiplicação animal é sêmen e embrião de animais domésticos. A norma consta do Diário Oficial da União (DOU).

O documento traz adequação das exigências de instalações para atender a dinâmica de coleta e processamento de material de multiplicação de cada cadeia produtiva, novas classificações de estabelecimentos, atualização de procedimentos para registro de estabelecimento e inscrição de reprodutores doadores de sêmen.

Além disso, consta a revisão das informações para identificação de produtos que serão disponibilizados aos consumidores.

Publicidade

PORTARIA SDA/MAPA Nº 1.152, DE 19 DE JULHO DE 2024

Estabelece os procedimentos para registro, controle e fiscalização de estabelecimento comercial de material de multiplicação animal nacional e importado.

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelos arts. 22 e 49 do Anexo I do Decreto nº 11.332, de 1º de janeiro de 2023, e tendo em vista o disposto na Lei n.º 6.446, de 5 de outubro de 1977, no Decreto nº 187, de 9 de agosto de 1991, e o que consta do Processo nº 21000.066316/2023-39, resolve:

Art. 1º Ficam estabelecidos os procedimentos para registro, controle e fiscalização de estabelecimento comercial de material de multiplicação animal nacional e importado.

CAPÍTULO I

Publicidade

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Seção I

Das Definições

Art. 2º Para os fins previstos na presente Portaria, considera-se:

I – material de multiplicação animal: sêmen e embrião de animais domésticos;

Publicidade

II – procedimento(s) operacional(is) padrão – POP(s): é a descrição pormenorizada e objetiva de instruções, técnicas e operações rotineiras a serem utilizadas pelos estabelecimentos de material de multiplicação animal, visando à garantia de preservação da qualidade e identidade do produto; e

III – produto: sêmen ou embrião em embalagem para distribuição ou comercialização.

Seção II

Do Estabelecimento

Art. 3º Para fins de registro, controle e fiscalização, define-se como estabelecimento comercial de material de multiplicação animal nacional e importado aquele que comercializa sêmen e embriões de bovinos, bubalinos, caprinos, equídeos, ovinos e suínos.

Publicidade

CAPÍTULO II

DO REGISTRO DO ESTABELECIMENTO

Seção I

Da Obrigatoriedade do Registro do Estabelecimento, dos Documentos Necessários, da Obtenção e do Cancelamento de Registro de Estabelecimento

Subseção I

Publicidade

Da Obrigatoriedade do Registro do Estabelecimento

Art. 4º O estabelecimento comercial de material de multiplicação animal deverá ser registrado junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária.

Subseção II

Dos Documentos Necessários para o Registro do Estabelecimento

Art. 5º Para obtenção do registro, o estabelecimento deverá apresentar ao Ministério da Agricultura e Pecuária cópia dos seguintes documentos:

Publicidade

I – contrato social ou ata de constituição da sociedade, quando se tratar de entidade privada, ou declaração de funcionamento, emitida pela autoridade maior da instituição, quando se tratar de entidade pública de ensino ou pesquisa, com cláusula que especifique finalidade compatível com o propósito do registro solicitado;

II – comprovante de Inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ;

III – comprovante de Inscrição Estadual ou Distrital;

IV – planta baixa ou croqui das instalações onde se realiza a atividade de armazenamento e comércio, indicando o fluxo de pessoas e materiais;

V – imagens das instalações e equipamentos; e

Publicidade

VI – Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), emitida pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), para o médico veterinário responsável técnico (RT) pelo estabelecimento.

§1º O contrato social e a ata de constituição da sociedade do estabelecimento deverão estar registrados no órgão competente.

§2º As alterações no contrato social, na ata de constituição da sociedade ou na declaração de funcionamento do estabelecimento, referentes aos representantes legais e ao objeto social, deverão ser comunicadas à Superintendência de Agricultura e Pecuária do Ministério da Agricultura e Pecuária da Unidade Federativa onde se localiza o estabelecimento.

§3º Qualquer alteração de endereço, na planta baixa ou croqui do estabelecimento registrado deverá ser submetida, por meio de sistema eletrônico, à prévia aprovação da Superintendência de Agricultura e Pecuária do Ministério da Agricultura e Pecuária da Unidade Federativa onde se localiza o estabelecimento.

§4º A substituição do responsável técnico do estabelecimento deverá ser informada à Superintendência de Agricultura e Pecuária do Ministério da Agricultura e Pecuária da Unidade Federativa onde se localiza o estabelecimento com a apresentação da ART do substituto.

Publicidade

§5º As alterações relacionadas nos §2º e §4º deverão ser posteriormente comunicadas, por meio de sistema eletrônico, em até 30 (trinta) dias, à Superintendência de Agricultura e Pecuária do Ministério da Agricultura e Pecuária da Unidade Federativa onde se localiza o estabelecimento.

Subseção III

Dos Procedimentos para Obtenção do Registro do Estabelecimento

Art. 6º Para obtenção do registro do estabelecimento deverão ser adotados os seguintes procedimentos:

I – o proprietário ou o representante legal do estabelecimento deverá solicitar o registro e apresentar a documentação de que trata o art. 5° desta Portaria, via sistema eletrônico disponibilizado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária, para análise de um Auditor Fiscal Federal Agropecuário;

Publicidade

II – caso não haja pendências na documentação, poderá ser deferida a solicitação de registro do estabelecimento, ficando dispensada a inspeção prévia in loco do estabelecimento; e

III – o Certificado de Registro do estabelecimento será disponibilizado para emissão on-line após o deferimento da solicitação de registro.

§1º Os procedimentos para solicitação e alteração de registro de estabelecimento no sistema eletrônico serão disponibilizados em manual específico no sítio eletrônico do Ministério da Agricultura e Pecuária.

§2º Poderá ser requerida, em um mesmo número de registro, mais de uma classificação de estabelecimento para produção e comercialização de material de multiplicação animal, desde que sejam atendidas as exigências dispostas nas legislações específicas.

Subseção IV

Publicidade

Do Cancelamento do Registro do Estabelecimento

Art. 7º O cancelamento do registro do estabelecimento poderá ocorrer por solicitação do proprietário ou do representante legal do estabelecimento.

§1º A solicitação de cancelamento do registro deverá ocorrer no prazo de até 60 (sessenta) dias após o encerramento das atividades.

§2º O cancelamento do registro por solicitação do proprietário ou do representante legal do estabelecimento será realizado via sistema eletrônico do Ministério da Agricultura e Pecuária.

§3º O cancelamento do registro por decisão da autoridade competente do Ministério da Agricultura e Pecuária, por descumprimento da legislação vigente, será formalizado por meio de processo administrativo.

Publicidade

Art. 8º O estabelecimento que tiver seu registro cancelado deverá informar ao Ministério da Agricultura e Pecuária o quantitativo de material de multiplicação animal em estoque, o destino dado ao produto e a identificação dos reprodutores.

CAPÍTULO III

DAS INSTALAÇÕES E DO FUNCIONAMENTO DO ESTABELECIMENTO

Seção I

Das Instalações do Estabelecimento

Publicidade

Art. 9º O estabelecimento comercial de material de multiplicação animal deverá ter área com equipamento para armazenar o produto a ser comercializado de modo a garantir a inocuidade, a qualidade e a identidade do produto.

Seção II

Das Exigências para Funcionamento do Estabelecimento

Art. 10. Para o funcionamento, os estabelecimentos comerciais de material de multiplicação animal deverão:

I – implementar POPs contemplando, no mínimo, os seguintes itens:

Publicidade

a) armazenamento e conservação do material de multiplicação animal, com detalhamento de identificação do produto; e

b) programa de rastreabilidade e recolhimento do produto, estabelecendo como será a rastreabilidade, desde o recebimento do produto até a expedição, incluindo os procedimentos de recolhimento, a forma de segregação do material recolhido e sua destinação.

II – manter instalações e equipamentos de forma a preservar as condições higiênicas e sanitárias e a garantir a identidade e a qualidade do produto; e

III – dispor de sistema de armazenamento e controle de estoque de produto que garanta a identidade, a qualidade e a rastreabilidade do sêmen e dos embriões que serão distribuídos ou comercializados.

§1º Os POPs deverão ser aprovados, datados e assinados pelo representante da empresa e pelo responsável técnico.

Publicidade

§2º Os POPs deverão descrever os materiais e os equipamentos necessários para a realização das operações, a metodologia, a frequência, o monitoramento, a verificação, as ações corretivas e o registro, bem como informar os responsáveis pelas execuções.

§3º As ações corretivas deverão contemplar o produto e a restauração das condições previamente determinadas, a fim de assegurar as condições higiênicas e sanitárias e a qualidade e a identidade do produto, além de contemplar as medidas preventivas.

§4º Os POPs deverão estar acessíveis aos responsáveis pela execução das operações e às autoridades competentes.

§5º Os POPs deverão ser revisados e ajustados sempre que houver qualquer modificação nos procedimentos operacionais.

§6º As etapas descritas nos POPs deverão ser registradas e a verificação documentada, de modo a comprovar sua execução.

Publicidade

CAPÍTULO IV

DA COMERCIALIZAÇÃO DE SÊMEN E EMBRIÕES

Seção I

Da Comercialização do Material de Multiplicação Animal

Art. 11. Somente poderá ser objeto de comércio o sêmen coletado e processado em estabelecimentos registrados junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária e de reprodutores inscritos no Ministério da Agricultura e Pecuária, com a finalidade de comércio, ou importados conforme regulação do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Publicidade

Art. 12. Somente estabelecimentos registrados junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária poderão comercializar material de multiplicação animal.

Art. 13. Somente poderão ser objeto de comércio os embriões obtidos em estabelecimentos registrados junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária ou importados conforme regulação do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Art. 14. Somente poderão ser objeto de comércio os embriões obtidos a partir de sêmen coletado e processado em estabelecimentos registrados junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária para essas finalidades ou importados conforme regulamentação.

Art. 15. Para distribuição e comercialização, o material de multiplicação animal deverá estar em embalagens devidamente identificadas conforme regulamentação específica.

Art. 16. O estabelecimento registrado no Ministério da Agricultura e Pecuária para realizar o comércio de sêmen deverá manter disponível aos compradores, no mínimo, as seguintes informações sobre o produto:

Publicidade

I – volume da dose em mililitros (mL);

II – número de espermatozoides por dose e motilidade progressiva em percentagem no caso de sêmen convencional;

III – número de espermatozoides por dose e motilidade progressiva em percentagem ou número total de espermatozoides com motilidade progressiva por dose, no caso de sêmen sexado;

IV – defeitos totais em percentagem;

V – defeitos maiores ou primários em percentagem;

Publicidade

VI – pureza da sexagem em percentagem, no caso de sêmen sexado;

VII – nome; número de inscrição do reprodutor no Ministério da Agricultura e Pecuária; Registro Genealógico Definitivo (RGD), Controle de Genealogia Definitivo (CGD), Certificado Especial de Identificação e Produção (CEIP) ou Certificado Especial de Genealogia de Desempenho Funcional (CEGDF); e

VIII – número de inscrição no Ministério da Agricultura e Pecuária de cada doador do grupo que deu origem à dose do sêmen, no caso de sêmen heterospérmico.

Parágrafo único. As informações relacionadas nos incisos de I a VIII deste artigo poderão ser verificadas em análise de fiscalização e análise pericial.

Art. 17. A nota fiscal ou fatura, que deverá acompanhar a saída do sêmen do estabelecimento de coleta, do processador e do estabelecimento comercial de material de multiplicação animal, deverá conter:

Publicidade

I – nome e número de registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura e Pecuária;

II – nome do doador, conforme informado na inscrição do animal no Ministério da Agricultura e Pecuária, raça; RGD, CGD, CEIP ou CEGDF;

III – número de inscrição do reprodutor no Ministério da Agricultura e Pecuária ou identificação do grupo de reprodutores quando se tratar de sêmen heterospérmico; e

IV – quantidade de doses de sêmen.

Art. 18. A nota fiscal ou fatura, que deverá acompanhar a saída do embrião do estabelecimento de coleta, do processador e do estabelecimento comercial de material de multiplicação animal, deverá conter:

Publicidade

I – nome e número de registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura e Pecuária;

II – nome da doadora; RGD, CGD, CEIP ou CEGDF das doadoras e raça;

III – identificação do doador, com nome; RGD, CGD, CEIP ou CEGDF e raça; e

IV – quantidade de embriões.

Art. 19. Os estabelecimentos que comercializam material de multiplicação animal deverão manter à disposição da fiscalização arquivos contendo, no mínimo, informações referentes:

Publicidade

I – ao mapeamento de localização e ao controle de estoque do produto armazenado (sêmen e embriões);

II – à distribuição e à comercialização do material de multiplicação animal com a identificação do material distribuído ou comercializado, que deverá conter:

a) dados dos doadores de material de multiplicação animal;

b) endereço de destino do produto; e

c) quantidade do produto distribuído ou comercializado.

Publicidade

III – aos registros, monitoramento e verificações dos POPs.

Art. 20. Os estabelecimentos de comercialização deverão encaminhar ao Ministério da Agricultura e Pecuária os relatórios de comercialização, na forma e modelos especificados em Manual disponíveis no sítio eletrônico do Ministério da Agricultura e Pecuária, com assiduidade semestral (janeiro a junho e de julho a dezembro), até o décimo dia útil do mês subsequente ao semestre.

Art. 21. Em caso de utilização de sistemas informatizados e arquivos digitalizados, deverá ocorrer a adoção permanente de medidas que garantam a observância dos requisitos de funcionalidade e segurança do sistema, como:

I – atributos que garantam a autenticidade, a disponibilidade, a irrevogabilidade, a irretratabilidade, a integridade, a validade, a inviolabilidade e o sigilo que se fizer necessário dos dados, documentos e arquivos digitalizados de todo o sistema e do respectivo banco de dados, observadas as disposições legais e regulamentares pertinentes;

II – mecanismos que permitam a auditoria de dados, programas e sistema; e

Publicidade

III – realizar a manutenção e atualização do sistema e dos dados nele contidos.

CAPÍTULO V

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 22. O Auditor Fiscal Federal Agropecuário no desempenho de suas funções, terá livre acesso aos estabelecimentos comerciais de material de multiplicação animal, a qualquer momento, bem como aos documentos arquivados e às informações relacionadas à recepção, ao armazenamento, à distribuição e à comercialização.

Art. 23. O não cumprimento ao disposto nesta Portaria acarretará as penalidades previstas na legislação.

Publicidade

Art. 24. O estabelecimento já registrado no Ministério da Agricultura e Pecuária, terá um prazo de 180 (cento e oitenta) dias para se adequar às exigências estabelecidas nesta Portaria, a partir da data de sua publicação.

Art. 25. Fica revogada a Instrução Normativa nº 56, de 27 de setembro de 2006, publicada no Diário Oficial da União de 04 de outubro de 2006, Edição nº 191, Seção 1.

Art. 26. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

ALLAN ROGÉRIO DE ALVARENGA

VGNAgro

Publicidade

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Notícias

Vetoquinol apoia o 3º Curso Intensivo de Dermatite Atópica Canina – Foco no Tratamento

Publicado

em

Foto: Sebastian Comel Travel/Pexels

 

A Vetoquinol – companhia francesa posicionada entre as oito maiores indústrias de saúde animal do mundo – é patrocinadora do 3° Curso Intensivo de Dermatite Atópica Canina – Foco no Tratamento, que ocorre no dia 20 de julho, das 8h30 às 17h30 (horário de Brasília), de forma online. O curso é uma iniciativa da Foconavet Cursos. Na oportunidade, a Vetoquinol destacará a inovação em dermatologia veterinária recém-chegada ao Brasil.

“O evento terá a participação de especialistas do primeiro escalão em dermatologia veterinária no Brasil. São profissionais que têm muito a contribuir com os participantes. Também se destaca como uma oportunidade de ouro para falarmos sobre o auxílio no tratamento de diferentes doenças e lesões de pele por meio da fotobiomodulação – que traz mais conforto aos animais e contribui para resolução mais veloz do quadro de enfermidades dermatológicas”, detalha Jaime Dias, médico-veterinário, gerente técnico e de marketing de animais de companhia da Vetoquinol Saúde Animal.

A Vetoquinol acaba de anunciar ao mercado de saúde animal a chegada de Phovia, que auxilia, com eficácia e segurança, no tratamento de diferentes doenças e lesões de pele nos animais de companhia. Utilizando energia lumínica fluorescente (ELF), o sistema Phovia é composto de uma lâmpada multi-LED recarregável, que confere melhor mobilidade, facilitando a utilização, além de gel carreador com cromóforos que, ao ser iluminado com a lâmpada multi-LED, emite a energia lumínica, atuando nas diferentes camadas da pele de cães e gatos, graças ao seu espectro policromático de cores, visando auxiliar no tratamento e recuperação de doenças e lesões.

Publicidade

“A Vetoquinol mais uma vez segue inovando e trabalhado duro em seus departamentos para atender às necessidades animais nos mais diferentes campos. Os problemas de pele são recorrentes em pets, por isso a chegada do Phovia – uma alternativa excepcional e altamente tecnológica que auxilia no tratamento de forma rápida, prática e indolor aos animaizinhos”, completa Jaime.

O 3º Curso Intensivo de Dermatite Atópica Canina – Foco no Tratamento terá a presença de profissionais renomados da dermatologia veterinária brasileira, como Cristiane Godoi, Rita Carmona, Jéssica Miranda, Flávia Care, Felipe Cunha e Victor Cunha. Com carga de sete horas, o curso entregará certificado aos participantes e ficará gravado por 30 dias para acesso posterior aos que participarem.

Sobre a Vetoquinol Saúde Animal

A Vetoquinol Saúde Animal está entre as 10 maiores indústrias de saúde animal do mundo, com presença na União Europeia, Américas e região Ásia-Pacífico. Em 2023, o faturamento global foi de € 529 milhões. Com expertise global conquistada ao longo de 90 anos de atuação, a empresa também cresce no Brasil, onde expande suas atividades desde 2011. Grupo independente, a Vetoquinol projeta, desenvolve e comercializa medicamentos veterinários e suplementos destinados à produção animal (bovinos e suínos), animais de companhia (cães e gatos) e equinos. Desde sua fundação, em 1933, na França, combina inovação com diversificação geográfica.

O crescimento do grupo é impulsionado pelo reforço do seu portfólio de soluções associado a aquisições em mercados de alto potencial de crescimento, como a brasileira Clarion Biociências, incorporada em 2019.

Publicidade

No Brasil, a Vetoquinol tem sede administrativa em São Paulo (SP) e planta fabril em Aparecida de Goiânia (GO), atendendo todo o território nacional. Em termos globais, gera mais de 2,5 mil empregos.

Irvin Dias – Texto Comunicação Corporativa

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência