Conecte-se Conosco

Agricultura

Causa da anomalia da espiga presa no milho intriga especialistas

Publicado

em

Desde 2017 a classe produtora brasileira enfrenta problemas recorrentes com espigas de milho que não se desenvolvem adequadamente, causando prejuízos milionários. Este fenômeno gera preocupação e ao mesmo tempo a disseminação de diversas teorias sobre as verdadeiras causas. Para desmistificar este cenário, Marcelo Hilário, responsável químico da Sell Agro, empresa especializada em adjuvantes e tecnologia de aplicação e associada à APLICA – Associação Brasileira de Fabricantes de Adjuvantes Agrícolas, repassa informações e explica como toda essa temática começou.

Segundo ele, quando surgiram os primeiros casos da anomalia, pesquisadores e algumas instituições chegaram à conclusão de que a possível causa poderia ser a aplicação de adjuvantes contendo surfactantes não iônicos, além de alguns tipos de fungicidas, quando utilizados desde o estádio V8 de desenvolvimento das plantas, até o florescimento. “A hipótese segundo eles, é a de que os surfactantes não iônicos supostamente se decompõem dentro delas levando à formação de etileno, o que causaria o referido problema”, diz o especialista.

Contudo, Hilário afirma que esta hipótese não só não é comprovada, como praticamente impossível de acontecer. O processo químico de obtenção de adjuvantes não iônicos através da reação entre o óxido de etileno e as cadeias carbônicas envolve altíssimas temperaturas e elevadas pressões. “Assim, para reverter este processo e causar a degradação dos surfactantes não iônicos, até a liberação do etileno, é necessário que haja condições de temperatura e pressão da mesma magnitude. O que é improvável, senão impossível, acontecer dentro de uma espiga de milho”, esclarece.

Papel do etileno

A verdade é que o etileno possui um papel importante no desenvolvimento do milho. De acordo com o químico, ele é um hormônio gerado dentro das plantas e que atua exatamente no desenvolvimento e maturação em fases específicas do ciclo de vida das mesmas. “O etileno ajuda no crescimento, e posteriormente no amadurecimento das espigas”, pontua Hilário.

Publicidade

A teoria equivocada segundo o químico é que eles alegam que o surfactante se degrada dentro da espiga e aí libera o etileno. Mas, conforme ele ressalta, a maturação já aconteceu antes mesmo disso. “O que a gente analisa então é que quimicamente é impossível os verdadeiros culpados serem os surfactantes não iônicos”, endossa.

E quem é o culpado?

Infelizmente ainda não há estudos conclusivos que determinem os verdadeiros culpados ou causas exatas das espigas encurtadas, refletindo assim a complexidade do problema e a necessidade de mais investigações científicas. “Obviamente, existem vários atores, empresas envolvidas. Nesse sentido, cada uma delas busca esclarecer se o seu produto está ou não relacionado ao problema. É o que acabamos de fazer, mostrar que não há relação comprovada dos adjuvantes com as espigas presas”, reitera o especialista da Sell Agro.

Dito isso, Hilário reforça que realizar o tratamento do milho com adjuvantes é extremamente seguro. “Surfactantes não iônicos, e por consequências adjuvantes não iônicos, não se degradam dentro de nenhuma planta e não liberam etileno”, finaliza o especialista.

Sell Agro – Fundada em 2007, a Sell Agro atua na produção de adjuvantes agrícolas, com sede em Rondonópolis-MT, e estrutura moderna com amplo laboratório de pesquisa e equipe altamente qualificada, composta por engenheiros químicos e agrônomos. As soluções da empresa têm foco na geração de economia e, ainda, em potencializar os resultados das lavouras. Mais informações acesse: https://sellagro.com.br/

Publicidade

 

 

 

 

 

Publicidade

 

 

 

 

 

Publicidade

 

 

 

 

 

Publicidade

 

 

 

Kassiana Bonissoni / Rural Press

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agricultura

Mercado de trigo enfrenta desafios com estoques limitados

Publicado

em

Foto: Canva

 

O mercado de trigo no Brasil continua a mostrar uma demanda crescente por produtos de qualidade superior, mas enfrenta desafios significativos com estoques limitados e condições climáticas preocupantes. Com a temporada de plantio em andamento, produtores e comerciantes estão atentos às mudanças no clima e às compras externas, que podem influenciar diretamente os preços e a disponibilidade do trigo no mercado.

Segundo informações do Cepea, os estoques de trigo no país estão restritos, e a preocupação com a falta de chuva nas últimas semanas aumenta. No Paraná, as atividades de semeadura estão praticamente finalizadas, com 99% da área já plantada. No entanto, no Rio Grande do Sul, a semeadura está atrasada, atingindo apenas 85% do previsto para este ano, o que representa um atraso em comparação com a temporada anterior.

Os baixos índices pluviométricos nas últimas semanas têm sido uma preocupação constante para os agricultores, que dependem das condições climáticas favoráveis para garantir uma boa colheita. Além disso, as compras externas de trigo também são monitoradas de perto pelos agentes do mercado, que buscam alternativas para suprir a demanda interna diante dos desafios atuais.

Publicidade

Com as atividades de campo avançando de maneira desigual entre as regiões produtoras, o mercado brasileiro de trigo permanece em alerta. A qualidade do produto, aliada à capacidade de atender à demanda interna, será determinante para a estabilidade do setor nos próximos meses. Os agentes do mercado esperam que as condições climáticas melhorem e que os estoques possam ser reforçados para atender às necessidades do consumidor brasileiro.

AGROLINK – Aline Merladete

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Agricultura

Peixe BR: exportação de peixes de cultivo cresceu 72% no 2º trimestre ante o 1º

Publicado

em

Foto: Gabriel Pupo Nogueira/ Embrapa

 

A exportação de peixes de cultivo cresceu 72% no segundo trimestre deste ano, ante o primeiro trimestre de 2024, com faturamento de US$ 23,7 milhões entre abril e maio, mostra informativo do Comércio Exterior da Piscicultura, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), realizado em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR).

Em nota, a entidade diz que o destaque foi a tilápia, com 92% do total. O principal destino dos peixes brasileiros foram os Estados Unidos, com 87% do total. Em volume foram exportadas no trimestre 3.332 toneladas, 89% a mais do que no mesmo período de 2023.

“Com esse bom trimestre, fechamos o primeiro semestre do ano com receita equivalente a 96% de todo o faturamento de 2023”, disse o presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros. Em volume, as 5.417 toneladas exportadas no semestre representam 76% do total embarcado em 2023.

Publicidade

O Paraná segue como maior exportador. No segundo trimestre de 2024, foram US$ 9,8 milhões (72% do total exportado pelo Brasil). Em seguida, aparece São Paulo, com US$ 3,6 milhões (14% a mais do que no primeiro trimestre do ano, com 26% do total).

“Com o resultado, a balança comercial da piscicultura reduziu o déficit para US$ 231 milhões – já que foram importados US$ 246 milhões em produtos da piscicultura mundial. O salmão segue como a espécie mais importada pelo Brasil, representando US$ 218 milhões”, disse a Peixe BR.S

Estadão Conteúdo

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Publicidade
Continue Lendo

Agricultura

JBS Aloca R$ 400 Milhões para Expansão da Produção de Salmão na Austrália

Publicado

em

Reprodução

A JBS, uma das maiores empresas globais no setor de alimentos, anunciou um investimento de 110 milhões de dólares australianos (equivalentes a mais de R$ 400 milhões) para expandir a produção de salmão na unidade Huon Aquaculture, localizada em Whale Point, na Tasmânia. O aporte será destinado à construção de um novo incubatório com capacidade para produzir mais de 7 milhões de peixes. As obras estão previstas para começar em 2025 e devem ser concluídas até 2027.

Com essa expansão, a Huon Aquaculture poderá prolongar o cultivo dos peixes em tanques terrestres, reduzindo o tempo e os custos associados ao ambiente marinho. Desde 2019, a Huon lidera o uso de instalações desse tipo na Tasmânia, com a inauguração de seu primeiro berçário em Whale Point.

Henrique Batista, CEO da Huon, destacou que “o projeto reforça o perfil inovador e pioneiro da Huon. O salmão passará a maior parte do seu ciclo produtivo em terra, fortalecendo nossa capacidade instalada. Além disso, o investimento permitirá que o índice de reuso de água na unidade alcance 99%. O percentual restante é utilizado em outras etapas da produção: os resíduos são tratados e aplicados como adubo na produção de cerejas por agricultores locais.”

Durante a construção do novo incubatório, serão gerados 150 empregos. Atualmente, a Huon emprega mais de 1.000 pessoas na Austrália. A companhia mantém um compromisso com a economia circular, transformando resíduos do processamento em rações, petiscos para animais de estimação e fertilizantes, e destacando-se pelo monitoramento rigoroso das suas operações.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – [email protected]

Continue Lendo

Tendência