Conecte-se Conosco

Pecuária

Vacinação Contra Raiva de Herbívoros em Goiás Entra na Etapa Final

Publicado

em

Divulgação

A Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) alerta os pecuaristas que o prazo para a vacinação contra a raiva de herbívoros em Goiás termina neste sábado, 15 de junho. Todos os animais das espécies bovina, bubalina, equídea (equina, muar, asinina), caprina e ovina, independentemente da idade, devem ser imunizados nos 119 municípios classificados como de alto risco para a raiva. Esta campanha segue o calendário estabelecido pela Portaria nº 182, de 10 de abril de 2024.

Em Goiás, a vacinação é realizada em duas etapas: a primeira ocorre de 1º de maio a 15 de junho, e a segunda de 1º de novembro a 15 de dezembro. O presidente da Agrodefesa, José Ricardo Caixeta Ramos, enfatiza a importância da vacinação como principal método de controle da raiva entre herbívoros. “A imunização do rebanho é a melhor forma de prevenir a raiva, uma zoonose com alta letalidade que pode causar sérios prejuízos sanitários e econômicos ao Estado. Por isso, é crucial que os produtores sigam rigorosamente o calendário de vacinação”, reforça Ramos.

Procedimentos para Comprovação da Vacinação

A Portaria nº 182 determina que os produtores adquiram as vacinas em revendas cadastradas e façam a declaração da vacinação até 30 de junho de 2024 no Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás (Sidago). A responsabilidade pelo controle da comercialização e do estoque de vacinas recai sobre o responsável legal da revenda, que deve utilizar o Sidago para registrar a entrada e a venda de vacinas. Além disso, o armazenamento e a refrigeração adequada das vacinas são obrigatórios.

Publicidade

Controle de Morcegos Hematófagos

Além da vacinação, a Agrodefesa realiza o controle da população de morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus, principais transmissores da raiva ao rebanho. Este controle é parte do Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), que inclui a captura e o tratamento dos morcegos com uma pasta anticoagulante. “Essa ação visa reduzir a população de morcegos, prevenindo a disseminação da raiva em Goiás”, explica o diretor de Defesa Agropecuária da Agrodefesa, Augusto Amaral.

Declaração de Rebanho

Os produtores também devem ficar atentos ao prazo para a declaração de rebanho, que se encerra em 30 de junho, em todos os 246 municípios goianos. No Sidago, devem ser informados a quantidade de animais, mortes, nascimentos e a evolução de todas as espécies na propriedade. Este ano, a declaração deve incluir a idade detalhada dos bovinos e bubalinos entre zero e 12 meses.

Para auxiliar os produtores, a Agrodefesa disponibilizou um manual explicativo para a emissão da declaração de rebanho e vacinação contra a raiva, acessível em: Manual de Declaração 2024.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Mídia Rural, sua fonte confiável de informações sobre agricultura, pecuária e vida no campo. Aqui, você encontrará notícias, dicas e inovações para otimizar sua produção e preservar o meio ambiente. Conecte-se com o mundo rural e fortaleça sua

Continue Lendo
Publicidade
Clique Para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pecuária

Desafios das Bicheiras em Bovinos: Impactos na Saúde e na Economia das Fazendas

Publicado

em

Divulgação

As bicheiras, conhecidas também como miíases cutâneas, representam uma séria ameaça à saúde dos bovinos e à rentabilidade das fazendas pecuárias no Brasil. Estima-se que os prejuízos causados pela doença cheguem a R$ 500 milhões por ano, conforme dados da Embrapa. “Essas infestações comprometem significativamente o bem-estar dos animais e resultam em custos elevados com tratamentos e perdas na produtividade”, alerta Thales Vechiato, gerente de produtos para grandes animais da Pearson Saúde Animal.

A Cochliomyia hominivorax, mosca responsável pelas bicheiras, afeta os bovinos, causando lesões na pele, secreções purulentas, febre e perda de apetite. Em casos graves, pode levar a complicações sérias como septicemia, colocando em risco a vida dos animais. Segundo o Ministério da Agricultura, cerca de 30% das perdas econômicas diretas na pecuária brasileira são atribuídas a problemas sanitários, incluindo as miíases.

Para combater eficazmente as bicheiras, produtos como o Bertac, da Pearson Saúde Animal, desempenham um papel crucial. “Bertac atua como larvicida e antisséptico, sendo eficaz no tratamento tanto de miíases superficiais quanto profundas em bovinos e equinos. Ele elimina as larvas causadoras das infestações e previne novos casos, proporcionando proteção contínua aos animais contra futuros problemas de saúde”, explica Vechiato.

“A utilização de soluções eficazes não apenas acelera o tratamento e reduz os custos associados ao manejo das bicheiras, mas também assegura a saúde e o bem-estar dos animais. Proteger os bovinos contra as bicheiras não só preserva sua qualidade, mas também contribui para a valorização dos animais”, conclui o médico-veterinário.

Publicidade

Fonte: Portal do Agronegócio

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Continue Lendo

Pecuária

Participação de fêmeas no abate fica abaixo de 50% pela primeira vez no ano

Publicado

em

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural Mato Grosso

 

Mato Grosso enviou para o abate em junho 600,74 mil bovinos. Deste volume, 49,72% dos animais eram fêmeas. A menor participação registrada em 2024.

O volume total de bovinos enviados ao gancho em junho, segundo dados do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), compilados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), é 4,26% inferior ao registrado em maio.

O levantamento mostra que em relação aos abates de fêmeas, a quantidade enviada ao gancho no sexto mês do ano é, inclusive, 1,78 ponto percentual inferior do registrado em junho de 2023.

Publicidade

“Assim, a variação anual dos abates de fêmeas no estado no último mês também reduziu, ficando em +11,57% (ante junho de 2023). Ao passo que no mesmo período de 2023 o indicador girava em torno dos 36%. Isso significa dizer que, apesar de a participação de fêmea em 2024 estar acima da média histórica, a intensidade nos abates tem reduzido. Essa retração na participação de fêmeas e na variação anual reforça a transição do ciclo pecuário neste ano”, pontua o Imea.

O Imea salienta ainda que a expectativa no curto prazo é que a intensidade da oferta de animais nas indústrias de Mato Grosso reduza.

Viviane Petroli

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo

Pecuária

ABHB e Embrapa Pecuária Sul inovam na Prova de Eficiência Alimentar

Publicado

em

Objetivo do projeto é identificar animais mais eficientes na utilização do alimento – Foto: Ricardo Móglia Pedra/Divulgação

 

A Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) e a Embrapa Pecuária Sul anunciaram o novo formato da Prova de Eficiência Alimentar (PEA), que representa um avanço significativo na estrutura já existente. Esta evolução marca uma nova e promissora fase da parceria entre as entidades.

O objetivo do projeto continua o mesmo, identificar animais mais eficientes na utilização do alimento. As melhorias visam contribuir para o aumento da produtividade na propriedade. “Os custos de alimentação representam até 70% dos custos totais de um sistema de produção. Nesse sentido, é fundamental identificar os animais que vão transmitir para a sua progênie uma maior eficiência no uso desses alimentos para convertê-los em carne de alta qualidade. Identificando e multiplicando esses animais nós vamos tornar os sistemas viáveis economicamente, mas também mais sustentáveis, porque eles vão aproveitar melhor os recursos e vão emitir menos gases de efeito estufa por quilo de carne produzido”, destacou o chefe geral da Embrapa Pecuária Sul, Fernando Flores Cardoso.

Dentre as modificações, ficou definido que a próxima edição será no início do ano de 2025. É importante destacar que as vagas serão limitadas, para no máximo 30 animais de cada raça, Hereford e Braford, e já estão disponíveis para reserva. Ao longo do processo será feita a divulgação das propriedades confirmadas, indicando quantas vagas ainda estão disponíveis.

Publicidade

A partir de agora, a prova também contará com um banco de dados que inclui informações genéticas coletadas ao longo dos anos pela ABHB. Com esses dados de desempenho dos animais disponíveis, será possível alimentar o banco de dados para permitir que, no futuro, os pesquisadores da Embrapa possam desenvolver uma DEP para característica de eficiência alimentar a partir de uma população de referência.

“Convido a todos os produtores a participarem desta excelente oportunidade que a Embrapa nos proporciona, uma maneira de testar a nossa genética para buscar linhagens de animais mais eficientes na parte alimentar”, comentou o presidente da ABHB, Eduardo Soares.

Texto: Lauren Brasil/ABHB

Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com

Publicidade
Continue Lendo

Tendência