Últimas Notícias
Destaques

OPINIÃO - Agronegócio: a importância de mais investimentos e crédito para o setor em 2024

* Por Henrique Galvani Com o desafio de alimentar 10 bilhões de pessoas até 2050 e o Brasil atingindo a marca de US$ 339 bilhões em exportações, o agronegócio entra em 2024 com a missão de ser cada vez mais produtivo, sustentável e tecnológico. Desta forma, torna-se essencial tornar o ecossistema de crédito mais democrático e acessível, para que seja possível investir cada vez mais em pesquisa e tecnologia no campo. Não há dúvidas que a agricultura evoluiu muito, afinal, em 40 anos, o Brasil saiu do âmbito de importador de alimentos para um dos principais exportadores do mundo. Dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) mostraram que o país registrou um superávit de US$ 98,8 bilhões em 2023, maior valor desde o início da série histórica, que começou em 1989. Apesar disso, ainda há pontos a serem melhorados na profissionalização do campo, na gestão da propriedade, sustentabilidade, “tecnologização” e, como não poderia deixar de citar, o acesso ao crédito. A conta é simples: com o crescimento e a importância do agronegócio para o PIB do Brasil, aumenta também a necessidade dos produtores de terem mais dinheiro em caixa, seja para custeio de produção ou para investimentos em novas áreas, maquinários, tecnologia, armazenagem e etc. Assim, o crédito se torna fundamental para que os produtores e o agronegócio brasileiro continuem alimentando o mundo e sendo protagonistas da nossa economia. Cenário do crédito em 2023 e expectativa para 2024 Marcado pelas dificuldades econômicas e orçamentos reduzidos, sobretudo para as operações oficiais de crédito, o ano de 2023 registrou diversos momentos em que os programas de crédito rural se encontravam suspensos, sem a possibilidade de acesso por parte dos produtores de grande porte, bem como, para os pequenos agricultores familiares. Com essas frequentes suspensões e dificuldades de acesso, o mercado privado foi o grande aliado do produtor. Os Fundos de Investimentos nas Cadeias Agroindustriais (Fiagros) tiveram um salto de investimento de 126% entre os meses de setembro de 2022 e de 2023, enquanto as Cédulas de Produto Rural (CPR) aumentaram 54% em estoque no mesmo período. Alguns produtores também recorreram a plataformas de crowdfunding e peer-to-peer lending. O expressivo aumento na utilização das ferramentas privadas mostra que a parceria entre o agronegócio e o mercado financeiro privado deu muito certo e tende a crescer. Com a previsão de que a Selic permaneça próxima aos 9,00%, ao final de 2024, os produtores irão demandar ainda mais recursos com taxas de juros competitivas ao crédito rural. Os desafios fiscais e monetários que o país enfrentou em 2023, e continuará enfrentando em 2024, podem colocar algumas políticas agrícolas em risco. No último plano safra as taxas de juros variaram entre 7% a 12,5% ao ano (subvencionada), contudo, a realidade é que esse orçamento não é suficiente para o tamanho do agronegócio brasileiro. Como alternativa, alguns produtores recorrem a outras fontes de financiamento, para ajudá-los na produção. Atualmente, os produtores encontram taxas de mercado (não subvencionadas) próximas a 15% ao ano para o crédito rural, o que para muitas atividades agropecuárias, ainda é possível encaixar em suas margens. Nessa linha, a tese de equity crowdfunding (investimento coletivo) no agronegócio, começa a ser vista como um importante parceiros para que produtores consigam investir mais em suas operações, aumentando a eficiência e produtividade. Agro em constante desenvolvimento Nesta circunstância, em que crédito rural tem sido um instrumento importante para promover a produtividade e o aumento de renda no Brasil, a política criou programas voltados para o apoio e desenvolvimento do agronegócio brasileiro. Com maiores investimentos em tecnologia, aumentou-se a produção agrícola e compreensão das melhores práticas de manejo e aplicação de fertilizantes e defensivos, impactando diretamente na produtividade agrícola, melhorando a eficiência dos recursos e insumos. No entanto, o acesso a capital ainda é um desafio para o avanço e prosperidade do agro, é necessário mais dinheiro para quem contribui muito para economia. Em 2023, o Brasil registrou superávit recorde na balança comercial do agro – o maior da série histórica, que começa em 1989, e não podemos permitir que o desperdício, a falta de tecnologia, investimentos e gestão deixem de alimentar pessoas no Brasil e no mundo. Estamos com a faca e o queijo na mão. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Paulista, Henrique Galvani é CEO e cofundador da Arara Seed, primeira plataforma de investimentos coletivos do setor do Agronegócio. Com uma atuação de 10 anos nesse segmento, o executivo tem passagens por empresas como Grupo BLB Brasil e BLB Ventures. Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias Agro Rural


« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário