Últimas Notícias
Destaques

Confira como está o milho no Brasil - No Mato Grosso do Sul os produtores permanecem lentos

No mercado de milho do estado do Rio Grande do Sul, a colheita avançou 4% e o plantio está atrasado em relação ao ano passado, de acordo com a TF Agroeconômica. “Produtores permanecem à espera de um avanço maior da colheita, e rejeitam vendas por hora, buscando um denominador entre a produtividade. Nas indicações, Santa Rosa, Frederico e Três Passos a R$ 65,00; Marau R$ 68,00 e Arroio do Meio a R$ 69,00. Preços de pedra em Panambi a R$ 60,00 a saca”, comenta. Santa Catarina tem negócios a R$ 71,00. “Em conversa com correspondentes do oeste do estado, ouvimos hoje que a região, à despeito da grande quantidade de chuvas do final de ano, se desenvolve bem. Negócios pontuais no meio oeste do estado, com milho tributado a R$71,00 em cerca de mil toneladas. Em Xanxerê, indicações de R$ 68,00; Papanduva a R$ 68,00 e mais ao sul, em Rio Do Sul, manteve-se os a R$ 71,00. Maior parte das ofertas vendedoras iniciando em R$ 72,00 mais ICMS ou R$ 75,00 noCIFdiferido”, completa. Como está o milho na B3? O Paraná tem negócios no porto entre R$ 71,00 a R$73,50. “Novamente, negócios reportados no porto, onde em pelo menos 10 mil toneladas foram pagos preços entre R$ 71,00 a R$ 73,50, a depender do vencimento, com entregas se iniciando em fevereiro.Tradings realizam esforço para completarem embarcações, porém a este ponto, encontrar milho disponível é tarefa difícil. No interior, ofertas que se iniciam em R$ 68,00 até R$ 72,00. Indicações em Ponta Grossa a R$70,00;Londrina a R$ 69,00; Maringá R$ 68,50 e Cascavel a R$ 67,00”, indica. No Mato Grosso do Sul os produtores permanecem lentos. “Diferença entre intenções de compra e venda permanecem entre R$ 3,00 a R$ 5,00 no estado, onde compradores, com dificuldade na logística devido ao preço dos fretes, não recuam mas também não conseguem avançar naquilo que é oferecido. Indicações em Maracaju a R$ 55,00; Ponta Porã e São Gabriel a R$ 54,00 e Sidrolândia R$ 53,50”, conclui. AGROLINK -Leonardo Gottems Agrolink Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com


« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário