Últimas Notícias
Destaques

Chocolate amargo: cacau acumula alta de 50% em 12 meses e pode subir mais

O cacau, ingrediente essencial na confecção de delícias que vão desde o chocolate até sorvetes e produtos de panificação, viveu uma alta constante no mercado futuro de Nova York no último ano. Na sessão de terça-feira da ICE Futures dos EUA, o contrato de uma tonelada de cacau com entrega em dezembro atingiu seu maior valor em 12 anos, chegando a US$ 3.697. Apenas neste ano, os investidores do produto nos EUA obtiveram um retorno de 40%. Em 12 meses, essa valorização gerou um retorno de 56%. Normalmente, o cacau tem preços mais elevados quando a demanda cresce antes das épocas festivas, quando os doces e produtos de panificação são mais procurados. Outro fator relevante para os preços é quando o mau tempo prejudica as plantações do fruto. Ambos os fatores estão acontecendo neste momento. Os especialistas atribuem a valorização do cacau no último ano a um aumento na demanda pós-covid por produtos de chocolate, especialmente na China. O fenômeno climático La Niña também trouxe um excesso de umidade e doenças aos cacaueiros. O prêmio expressivo acumulado por essa commodity pode resultar em um aumento no preço das guloseimas que tanto apreciamos. A Starbucks (NASDAQ: SBUX) aumentou os preços do seu cardápio em 5% durante um período de 12 meses, encerrado em dezembro de 2022. Sterling Smith, diretor de Pesquisa Agrícola da AgriSompo North America, sediada em Omaha, Nebraska, explicou ao Investing.com: “Temos uma combinação de fatores em jogo. A demanda internacional por cacau aumentou de forma rápida e expressiva. Muitos países que tradicionalmente não eram consumidores de cacau agora estão se tornando compradores, o que está elevando os preços. Também temos enfrentado problemas na safra.” Ele atribuiu, em parte, o aumento na demanda à nova preferência chinesa por chocolate, apesar da desaceleração aparente da segunda maior economia do mundo. “Podemos dizer que estamos presenciando um boom pós-pandemia no consumo de chocolate, e a China é um dos principais motores desse fenômeno”, afirmou Smith. “Os chineses não consumiam muito cacau nem mesmo no início dos anos 2000. Agora, com sua população, mesmo um pequeno aumento percentual tem um grande impacto na demanda por cacau.” Embora os dados mais recentes sobre as importações chinesas de chocolate não estejam disponíveis, as estatísticas de 2021 fornecidas pelo banco de dados de comércio OEC mostram que o país importou US$ 518 milhões em produtos de chocolate em 2021, tornando-se o 15º maior importador desse tipo de mercadoria. Jake Scoville, analista-chefe de safras da Price Futures Group, com sede em Chicago, revelou que os dois maiores produtores de cacau do mundo, Costa do Marfim e Gana, ambos localizados na África Ocidental, estão enfrentando uma grave escassez de grãos de cacau. Fonte: Investing.com Foto: Divulgação Colaborou: Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com


« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário