Publicidade:

China quer transformar emissões em ração animal





Medida poderia reduzir a dependência do país de matérias-primas como a soja

A China anunciou o desenvolvimento da primeira síntese de proteína de monóxido de carbono em grande escala. Isso sugere transformar as emissões da indústria em ração animal. O anúncio foi feito pelo Instituto de Pesquisa de Alimentos da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas e Shougang Langze New Energy Technology Co., Ltd. de Pequim. 

 A tecnologia envolve a síntese da exaustão industrial que contém monóxido de carbono, dióxido de carbono e nitrogênio em proteínas utilizando a Clostridium autoethanogenum, uma bactéria usada para fazer etanol. A capacidade de produção industrial seria de 10 mil toneladas. Este movimento rompe as limitações da síntese de proteína natural de plantas, o que pode reduzir a dependência do país de matérias-primas importadas, como a soja. A China importa acima de 80% do que precisa para fazer rações e o ano mais alto de importações da oleaginosa ultrapassou 100 milhões de toneladas. 

De acordo com o Dr. Xue Min, o cientista-chefe do projeto, a síntese natural de proteínas é geralmente obtida por meio de ciclos naturais em plantas ou microorganismos específicos com fixação de nitrogênio funções nas plantas, e o processo envolve expressão genética complexa e síntese bioquímica, regulação fisiológica e outros processos vitais. A reação é lenta, a eficiência de conversão de material e energia é baixa e o conteúdo final de proteína acumulado é baixo. O uso artificial de fontes naturais de monóxido de carbono e nitrogênio (amônia) para a biossíntese de proteínas em grande escala não é limitado por isso. Portanto, a proteína sintetizada artificialmente tem sido considerada pela pesquisa como uma tecnologia revolucionária.

Foram mais de seis anos de pesquisa. Dai Xiaofeng, diretor do Instituto Feedstuff, disse que a promoção da tecnologia é significativa para garantir a segurança alimentar nacional e o desenvolvimento sustentável. “O novo recurso de proteína alimentar auto-desenvolvido reduzirá e gradualmente substituirá nossa dependência da proteína de soja de grãos de soja importados“, disse Dai.

Com base na produção industrial 10 milhões de toneladas de proteína de etanolato de Clostridium (teor de proteína de 83%), é equivalente a 28 milhões de toneladas de soja importada (teor de proteína de 30%). A descoberta é considerada uma nova forma de produzir proteína alimentar de alta qualidade, baixo custo e uso de recursos animais e vegetais não tradicionais, podendo reduzir as emissões de dióxido de carbono em 250 milhões de toneladas.

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br