Publicidade:

Sete dicas para corrigir a deficiência de potássio na cana



A deficiência de potássio é um grave problema nos canaviais, já que ela pode trazer sérios impactos para a produtividade

A deficiência de potássio é um grave problema nos canaviais, já que ela pode trazer sérios impactos para a produtividade e a qualidade da cultura. Para evitar esses problemas, o agricultor precisa contar não somente com a aplicação de dosagens adequadas de potássio na lavoura, mas como também adotar outras práticas e ferramentas de maneira integrada no seu sistema produtivo. 

 Quais as funções do potássio nas plantas de cana-de-açúcar? 

A cana-de-açúcar é uma cultura que responde intensamente à aplicação de potássio, já que esse nutriente exerce diversas funções muito importantes para cultura, como evidenciado pela Embrapa: 

Estimula a vegetação e o perfilhamento;  
Aumenta o teor de carboidratos, óleos, lipídeos e proteínas; 
Promove o armazenamento de açúcar e amido;  
Ajuda na fixação do nitrogênio;  
Regula a utilização da água pela planta; 
Aumenta a resistência da cultura à seca, geada e outros tipos de estresses. 

Ou seja, a limitação desse nutriente no solo pode gerar sérios impactos para produtividade, qualidade e resistência da cultura a estresses. Assim, é preciso entender sobre as principais práticas e ferramentas capazes de corrigir a deficiência de potássio na cana: 

1.     Adotar uma abordagem preventiva  

Para evitar prejuízos, a correção de deficiência de potássio na cana-de-açúcar deve ser identificada o mais cedo possível. Isso porque a limitação desse nutriente no solo pode gerar sérios impactos para cultura, como evidenciado no artigo Fontes de potássio na adubação da cana-de-açúcar: KCl e K2SO4. 

Nesse estudo, Jose Orlando Filho e outros pesquisadores constataram, por exemplo, que a deficiência de potássio provocou diminuição no diâmetro médio e altura dos colmos. Nesse sentido, o agricultor deve adotar uma abordagem mais preventiva, contando mais com a interpretação das análises de solo e foliares, do que com a observação dos sintomas visuais. Isso é importante, uma vez que, quando os sintomas visuais de deficiência de potássio na cana-de-açúcar se manifestam, os parâmetros de produtividade, qualidade e resistência já foram afetados. 

2.     Adequar as análises de solo de potássio  

As análises de solo de potássio para cana-de-açúcar são uma das principais ferramentas para identificar e orientar as correções do solo. Entretanto, a recomendação de adubação potássica baseada nessas análises só será efetiva se elas refletirem o mais fielmente possível o estado de fertilidade do solo. 

Para que uma análise de solo seja capaz de refletir o estado de fertilidade do solo para culturas de safra mais longa, como a cana-de-açúcar, ela deve mostrar não apenas o potássio prontamente disponível na solução do solo. Essas análises também precisam mostrar a fração de potássio não-trocável, que é disponibilizado mais lentamente e retido em minerais. Como o ciclo produtivo da cana-de-açúcar é mais longo, as raízes tem mais tempo para acessar o potássio retido na superfície e nas intermacadas dos minerais do solo.  

E isso, precisa ser levado em consideração tanto para ajuste das dosagens, quanto para a escolha das fontes de potássio a serem aplicadas. 

3.     Investir em fontes de potássio de liberação gradual 

Se a cana-de-açúcar é uma cultura que consegue acessar e aproveitar o potássio disponibilizado de forma mais lenta, então a deficiência de potássio a longo prazo pode ser evitada com a aplicação de fontes de potássio de liberação gradual. 

Como o próprio nome sugere, as fontes de liberação gradual de potássio, possuem uma taxa gradual de disponibilização dos nutrientes e fazem com que as plantas tenham acesso ao potássio por um tempo prolongado. Essa característica pode ser encontrada principalmente nos fertilizantes potássicos que utilizam alguma fonte mineral de potássio como matéria-prima. 

4.     Se atentar a forma de aplicação de fontes de potássio muito solúveis 

Muitas vezes, a aplicação única de potássio de fontes muito solúveis no sulco de plantio pode favorecer a perda de nutrientes para as camadas mais profundas do solo, uma vez que no início do ciclo da cana-planta o sistema radicular é pouco desenvolvido. Para evitar esse cenário, o agricultor pode parcelar a aplicação dos fertilizantes potássicos, optar pela aplicação de fontes menos solúveis de potássio ou ainda melhorar a qualidade do solo. 

5.     Aumentar os teores de matéria orgânica do solo 

Uma das formas de reduzir as perdas de potássio do solo e aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados é com o aumento dos teores de matéria orgânica do solo. Ela, além de proporcionar o aumento da retenção de água no solo, é também capaz de aumentar a retenção de nutrientes no solo. Isso acontece porque a matéria orgânica possui íons de cargas negativas, que são capazes de se ligar e adsorver nutrientes com cargas positivas, como o potássio (K+).  Assim, a matéria orgânica se torna um importante recurso para reduzir as perdas de nutrientes, através do aumento da capacidade de troca catiônica do solo (CTC). 

6.     Manter os teores de água do solo estáveis 

Diversos estudos já observaram que a baixa umidade do solo pode reduzir a capacidade de movimentação do potássio no solo e consequentemente intensificar as condições de baixa disponibilidade de nutrientes. Mas, estudos recentes também têm evidenciado que a cana-de-açúcar, quando submetida a condições de estresse hídrico, tende a apresentar maiores exigências de potássio. 

No artigo Drought-induced alterations in the uptake of nitrogen, phosphorus and potassium, and the relation with drought tolerance in sugar cane, Thais Ramos da Silva e outros pesquisadores comentam que a razão pela maior exigência de potássio por plantas que estão sob estresse parece estar relacionada a algumas funções do potássio, como a manutenção da fixação do CO2. 

7.     Realizar a correção do solo 

Por fim, o potássio, assim como outros nutrientes, tem sua disponibilidade afetada pelo pH do solo e pela competição com outros elementos. Assim, a correção efetiva da deficiência de potássio só é alcançada quando associada a práticas de correção do solo, como a calagem e a gessagem. 

Enquanto a aplicação de calcário permite a correção da acidez na camada arável do solo, a aplicação de gesso agrícola proporciona a neutralização do alumínio, um elemento tóxico para as plantas que inibe a absorção de potássio através das raízes. Mesmo com tantos aspectos do manejo que podem ser melhorados, como escolher entre as diversas fontes de potássio disponíveis no mercado? 

A escolha de fontes de potássio para cana 

A escolha da fonte de potássio está entre as etapas mais importantes da correção, já que ela pode ter impacto significativo não só na produtividade da cana-planta, mas especialmente na produtividade da cana-soca. 

Para isso, cabe ao agricultor avaliar a melhor fonte para a sua lavoura, dentre os diversos fertilizantes potássicos disponíveis no mercado. Mas, um dos principais aspectos que podem influenciar a escolha é a presença excessiva de cloro na composição desses insumos, que pode prejudicar a rentabilidade, a qualidade e a produtividade da cana-de-açúcar.

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br