Publicidade:

Estudo avaliou produção orgânica no mundo



O estudo selecionou 14 países em 5 continentes, buscando compará-los

Um estudo conduzido por pesquisadores da Embrapa buscou avaliar, compreender e comparar a produção orgânica de alimentos em diferentes pontos do mundo. Foram selecionados 14 países, de cinco continentes: na África – Quênia, Tanzânia, Gana e Ruanda; na Ásia – China e Índia; na Europa – Itália, Espanha e Dinamarca; na América Latina – Brasil, México e Chile; Na América do Norte – Estados Unidos e na Oceania – Austrália.

 O estudo apontou a evolução constante do sistema de produção que hoje conta com 72,9 milhões de hectares de área cultivada, tendo alcançado em 2019 um mercado de 106,4 bilhões de euros em 2019. Está presente em 187 países, com 3.1 milhões de produtores em todo o mundo. “Esse é o maior nível já registrado”, aponta a  pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente e líder da pesquisa, Lucimar Santiago de Abreu.

Os dados também mostraram que, comparativamente, a produção brasileira em termos de toneladas por hectare se situa ainda bem abaixo da média dos países estudados, exceto, no caso do açúcar orgânico que ocupa posição de destaque internacionalmente.

Dentre os países mais representativos nesse mercado encontram-se os Estados Unidos, que em 2019 movimentou 44,7 milhões de euros e a Europa, com 41,4 milhões de euros. Já no Brasil, o segmento movimentou R$ 5,8 bilhões em 2020, valor 30% superior ao de 2019, segundo a Organis.

Para a cadeia produtiva de produtos orgânicos é importante destacar quais são os principais produtos produzidos no Brasil. De acordo com dados preliminares do Censo Agropecuário de 2017, dos 68.716 estabelecimentos agropecuários certificados para a produção orgânica, 39.643 se dedicavam à produção vegetal, 18.215 à produção animal e 10.858 estabelecimentos tinham produção vegetal e animal orgânicos. Neste sentido, dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em seu Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos, que registra produtores orgânicos certificados – pessoas físicas ou jurídicas – constam, em setembro de 2021, 25.097 produtores, distribuídos em todas as regiões brasileiras.

Com relação à área agrícola ocupada pela produção orgânica, dados do FiBL/IFOAM estimam cerca de 1,3 milhão de hectares, ou cerca de 0,5% da área agricultável brasileira. Além desta área, explica Soares, calcula-se que há ainda 1,7 milhão de terras consideradas orgânicas destinadas à apicultura e extrativismo, dedicadas à produção de castanhas, açaí, palmito, plantas medicinais e aromáticas. 

A produção orgânica brasileira dos principais produtos de origem animal era de 550 mil cabeças de frango, 720 mil dúzias de ovos, 6,8 milhões de litros de leite e 13,8 mil cabeças de gado abatidas ao ano em 2012. De acordo com IPEA, com relação à produção apícola, o Brasil é apontado como o detentor do maior número de colmeias orgânicas do mundo, com quase 900.000 unidades.
 
Hortaliças

Ao se analisar a cadeia de hortaliças, observou-se que a produção da China (3.071.587 toneladas) é 11,5 vezes maior que a do Brasil (267,385 toneladas), a da Espanha (1.146.027,6 toneladas é 4,3 vezes maior que a do Brasil. Já a produção da Itália (1.698.548,7 toneladas), da Índia (1.295.795,2 toneladas) são 6,4 e 4,8% vezes maiores que a do Brasil, respectivamente. Por outro lado, a produção do Brasil é 3,2 vezes maior que a do México (83.050 toneladas) e 1,3 vezes maior que a da Dinamarca (209.683,3 toneladas). 
 
Frutas tropicais

Ao se avaliar a produção orgânica de frutas tropicais da China (732.988,8 toneladas), é 10,2 vezes maior que a do Brasil (71.728 toneladas), a da Índia (603.197,8 toneladas) é 8,4 vezes maior que a do Brasil, mostrando as maiores diferenças em produção na cadeia de frutas tropicais. Já a produção da Espanha (196.836,5 toneladas) e da Itália (181.236 toneladas) é menor que dos outros países citados, sendo 2,7 e 2,5 vezes maiores que a do Brasil, respectivamente. Contudo, a produção do Brasil é 1,1 vezes maior que a do México (63.965,9 toneladas) e 3,5 vezes maior que a dos Estados Unidos (20.553,3 toneladas). 
 
Frutas de clima temperado

Quando foi comparada a produção orgânica de frutas de clima temperado da Itália e da Espanha, essas são 163,3 e 83,7 vezes maior que a do Brasil, respectivamente. Porém a produção da China (812.895,3 toneladas) é 80,7 vezes maior que a do Brasil. Já a produção da Índia (662.753 toneladas) é 65,8 vezes maior que a do Brasil e dos Estados Unidos (94.615,7 toneladas) é 9,4 vezes maior, sendo a produção da Dinamarca (13.912 toneladas), apenas 1,4 vezes maior que a do Brasil. 
 
Citricultura

Para a cadeia da citricultura orgânica observa-se que a produção da Espanha (380.951,6 toneladas) da Itália (289.366,7 toneladas) são 5,2 e 4,0 vezes maior que a do Brasil (72.652,9 toneladas), respectivamente, e ainda a da Índia (100.110 toneladas), 1,4 vezes maior que a do Brasil. A produção do Brasil é 1,9 e 1,7 vezes maior que a dos Estados Unidos (38.139,9 toneladas) e a do México (42.947,5 toneladas). Neste caso, a produção brasileira está bem próxima da média.
 
Açúcar orgânico

Em relação ao açúcar orgânico faltam dados completos da produção e exportação, contudo, a Native, maior produtora com 87.000 toneladas em 2018 e, como no mercado convencional, a maior parte, neste caso, 64.000 toneladas, segue para o exterior. Isso garante à empresa participação de 31% no consumo global, de 280.000 toneladas. Segundo a FG/A, apenas duas outras usinas entraram e ficaram neste segmento, Jales Machado, com 70.000 toneladas e quase 20% do mercado global, e Goiasa, com 35.000 a 40.000 toneladas e participação estimada de 10%. Ou seja, o Brasil detém algo em torno de 61% do mercado global de açúcar orgânico, sendo que o orgânico representa só 0,16% do mercado mundial de 178 milhões de toneladas de açúcar de cana e beterraba. Os importadores são 64 países de diferentes continentes, especialmente da União Europeia.
 
Orgânicos de origem animal

A produção brasileira dos principais produtos orgânicos de origem animal, em 2011 era de 550 mil cabeças de frango, 720 mil dúzias de ovos, 6,8 milhões de litros de leite e 13,8 mil cabeças de gado abatidas ao ano em 2012 que representam produções muito abaixo da Europa e Estados Unidos. Ao se avaliar, por exemplo, a produção global de leite orgânico constata-se que é de 7.1 bilhões de litros, sendo o maior produtor os Estados Unidos, seguido pela Alemanha, Dinamarca, Itália, Suíça e Nova Zelândia.

A contribuição da produção de ovos orgânicos difere consideravelmente entre os estados membros da EU, que aumentou 12,2% na última década. A Dinamarca tem a maior participação, seguida pela Áustria e pelo Reino Unido. Os principais países na produção de ovos com casca são a Espanha, a França e a Itália.
De acordo com a International Egg Commission, galinhas criadas ao ar livre e em sistemas de alojamento orgânico representaram 0,4% do total nos países da América do Norte e Latina, 23,8% do total nos países asiáticos e 14,6 % do total nos países europeus.

Com relação a produção orgânica animal entre 2008 e 2017, o maior aumento foi em aves domésticas (mais de 100%), o que pode ser parcialmente atribuído à alta demanda por ovos. No entanto, bovinos de corte e leite também cresceram substancialmente naquela década (+65%), assim como ovinos (+74%) e suínos (+48%). Para bovinos (4,4 milhões de cabeças na Europa), os maiores números são encontrados na Alemanha, Franca e Áustria. Olhando para os estoques de suínos (um milhão de cabeças), a Alemanha, a Dinamarca e a França têm os números mais altos. 
 
A conclusão da pesquisa mostra que apesar do incremento da produção orgânica no mundo, comparativamente a produção brasileira em termos de toneladas por hectare se situa ainda bem abaixo da média dos países estudados, exceto, no caso do açúcar orgânico que ocupa posição de destaque na cena internacional, portanto, há potencial para o desenvolvimento dos sistemas orgânicos brasileiros e oportunidades para ocupar espaço no mercado internacional. 

Sistemas voltados para a produção de mercado para o abastecimento interno, em especial, vêm sendo também construídos em redes territoriais alternativas de produção e consumo, em regiões onde à questão alimentar é protagonizada por agricultores familiares, agentes de desenvolvimento e consumidores, especialmente em regiões próximas de grandes metrópoles.

Um dos problemas enfrentados para a realização da pesquisa é a falta de informações estatísticas sistematizadas sobre a produção de orgânicos no Brasil. Para além do panorama comparativo geral do sistema global agroalimentar orgânico, torna se importante dar continuidade à pesquisa e investigar as concepções, as práticas e os atores chaves institucionais que compõem e coordenam o crescente sistema global de produção e distribuição de alimentos orgânicos.

fonte: www.agrolink.com.br

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br