Combustíveis terão novo aumento em MT a partir de sábado; álcool sairá R$ 2,61



Resultado de imagem para preco de combustivel alto



Mais um aumento do combustível está previsto em Mato Grosso. Já a partir de sábado (16) as bombas de combustíveis no Estado passarão a registrar um novo preço. O aumento foi autorizado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).
Atualmente o preço médio do Etanol gira em torno de R$ 2,30 a R$ 2,40. Desta vez o preço médio do álcool irá subir para R$ 2,61 por litro. Já a gasolina comum chegará a R$ 4,27 e o óleo diesel estará disponível por R$ 4,05.
Mesmo com o aumento, o etanol em Mato Grosso, que é o estado produtor do combustível, terá o menor preço do país. O mais caro, segundo a Confaz, será no Rio de Janeiro, onde o litro sairá por R$ 3,90.
Devido o fim da safra de cana de açúcar em novembro, a alta no preço do etanol já era esperada. A cana de acúcar é a matéria prima do combustível. Também influencia no preço da gasolina, que utiliza 27% de etanol na composição.
CONFIRA AQUI AS ETAPAS DA FABRICAÇÃO DE COMBUSTÍVEL
1) A maior matéria-prima do etanol brasileiro é a cana-de-açúcar. Ela chega às usinas em caminhões e é descarregada em esteiras rolantes. A primeira etapa da produção é a lavagem da cana, que recebe um banho de água que retira terra, areia e outras impurezas.
2) Após ser lavada, a cana é picada em pequenos pedaços para facilitar a moagem. Aqui ela passa também por baixo de um eletroímã, que se encarrega de retirar materiais ferrosos e outros componentes metálicos que possam danificar as máquinas.
3) O passo seguinte é a moagem, em que a cana é esmagada por rolos trituradores. Após a moagem, 70% da cana vira caldo, no qual está o açúcar de onde se extrai o etanol. Os 30% restantes são de bagaço – que pode ser queimado e gerar energia para a usina.
4) O caldo aqui ainda tem até 1% de impurezas sólidas, como areia, argila e pedacinhos de bagaço. Por isso ele é peneirado e segue para descansar em um tanque, onde, aos poucos, as impurezas se depositam no fundo – formando um lodo que serve como adubo.
5) Quando bem limpo, o caldo passa a ser chamado de caldo clarificado. Ele é aquecido para ser esterilizado e ficar livre das últimas impurezas. Depois é levado para as dornas, grandes tanques onde é misturado com um fermento específico.
6) O tal fermento tem microorganismos que se alimentam do açúcar do caldo, liberando em seguida gás carbônico e álcool. Essa etapa da fermentação dura de 4 a 12 horas, gerando um produto que se chama vinho fermentado.
7) As reações químicas provocadas pelo fermento também liberam energia, o que esquenta o vinho fermentado. Ele, então, precisa ser resfriado com água corrente – que circula em volta dos tanques sem entrar em contato direto com o vinho.
8) O vinho fermentado contém só 10% de álcool – o resto é basicamente água. Por isso, ele precisa ir para a destilação. Em diversos tanques, o vinho é aquecido até evaporar; depois é condensado e volta à forma líquida, mas com seus diversos componentes separados
9) Da destilação sai o álcool hidratado, líquido com 96% de álcool. É ele que será vendido nos postos. Parte dele, porém, ainda passa por um processo de desidratação, virando álcool anidro (mais de 99,5% de álcool), que é misturado à gasolina como aditivo.
10) Os dois tipos de etanol produzidos, o hidratado e o anidro, são armazenados em tanques de grande volume. Lá, aguardam até serem retirados por caminhões-tanque, que levam o etanol para as distribuidoras comercializarem o produto com os postos




fonte vozmt

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br