Bovinocultura aumenta contribuição sobre agro de MT





Um cenário de conjunturas mais favoráveis tem feito a bovinocultura de corte responder de forma rápida aos estímulos interno e externo e assim aumentar sua contribuição na geração de receita dentro do agronegócio mato-grossense. A atividade deve ampliar o faturamento em mais 10% sobre o ano passado e fechar 2019 com R$ 14,5 bilhões. Confirmadas as projeções, o segmento estará participando com quase 19% de toda a receita estadual agropecuária projetada para esse ano, em R$ 78 bilhões.
Como explicam os analistas do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), dados da 3ª estimativa do Valor Bruto da Produção (VBP) da pecuária de 2019 em Mato Grosso, divulgados recentemente pelo órgão, demostraram um aumento de 9,5% no VBP da atividade em relação à 2ª estimativa e de 15,9% em relação a 2018.
A expansão apontada à bovinocultura de corte, “foi impulsionada pela valorização dos preços da arroba do boi e da vaca gorda que, no comparativo anual, registram um aumento de 6,7% e 6,8%, respectivamente. Outro fator que também contribuiu para a alta do VBP foi o aumento do abate de bovinos no início deste ano, principalmente das fêmeas, que, segundo estimativas da conjuntura econômica do Instituto, até o final do ano pode chegar a 10,1%. Diante disso, demonstra-se que a pecuária de corte tem aumentado a sua contribuição para o agronegócio do Estado”. O VBP é um indicador que traduz em cifras a dinâmica do campo da porteira para dentro, projetando a receita de cada atividade e cultura. O VBP leva em conta o volume produzido e os preços médios apurados para cada produto em períodos determinados.Ainda sobre o VBP da pecuária, os analistas destacam que a atividade da bovinocultura de corte (+10,9%) e suinocultura (+10,0%), puxaram o aumento de 9,5%, se comparado a estimativa passada, pautada, principalmente, pelo aumento do abate de bovinos e melhora nos preços dos bovinos e suínos.
No mês passado, o Imea atualizou a terceira estimativa do VBP de 2019 para Mato Grosso. A nova projeção trouxe um avanço de 4,3% ante o valor anterior divulgado, e de 12% perante ao ano de 2018, passando a valer R$ 78,1 bilhões.
“Na agricultura esse acréscimo foi influenciado pelo aumento da produção de algodão na safra 2018/19 e a valorização do preço da pluma, que ocasionaram a alta de 470% no VBP da cultura, além do avanço de 14,6% no VBP do milho, que foi favorecido pelo adiantamento da colheita da soja, contribuindo para o crescimento da área do cereal e, consequentemente, maior produção. Já para a pecuária, a bovinocultura de corte apresentou aumento de 16,8% em seu VBP, quando comparado a 2018, proveniente do aumento no descarte de fêmeas e melhora nos preços dos bovinos, o que resultou em uma elevação de 15,9% no VBP da pecuária no mesmo período”, explicam os analistas.
CONSUMO – Ao comparar o fechamento do primeiro semestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado, observa-se que os preços do atacado e varejo, em termos nominais, apresentaram significativo acréscimo de 9,10% e de 9,74%, respectivamente. No entanto, quando se analisa somente o comportamento dos seis meses de 2019, nota-se que a demanda no mercado interno vem perdendo fôlego. Isso porque, quando se compara junho 2019 com janeiro 2019 verifica-se certa estagnação na média dos preços de cortes nos mercados atacadista e varejista: a cotação da carcaça casada, por exemplo, aumentou apenas 0,21% no período e a média dos cortes do varejo, 0,92%, limitada, principalmente, pela queda nos cortes dianteiros.
Segundo informantes do Imea, este cenário ficou mais intenso a partir do final de junho, uma vez que o consumidor tem demandado mais cortes traseiros apenas para o final de semana, além do início do período de férias e do frio. Assim, aliado com a oferta de animais ainda satisfatória, o momento precisa de um maior impulso para aumento da arroba.
REVISÃO PARA CIMA – Os valores do VBP referentes a 2018 também foram revisados, sendo a sétima estimativa para o período. Vale ressaltar que o VBP da pecuária para 2018 já foi consolidado na previsão anterior. Para os valores de agricultura e floresta houve alta de 0,2% ante a sexta projeção, em decorrência do incremento de 0,4% no VBP da cultura da soja no mesmo período, movimento este justificado pela revisão e acréscimo na área da cultura. Logo, o VBP total de 2018 foi atualizado para R$ 69,2 bilhões, aumento de 0,2%, se comparado à estimativa anterior.
“Ainda, se comparado ao ano de 2017, o VBP da agricultura obteve avanço de 7%. Este movimento foi resultado dos melhores preços do milho na safra 2017/18, que no ano anterior sofreu com a safra recorde e desvalorização dos preços do cereal. Outro ponto relevante foi o aumento de 27,5% na produção de algodão na safra 2017/18 ante a 2016/17. Por fim, com a aproximação da consolidação do VBP agropecuário é possível ver o avanço apresentado pelo setor em 2018”, completam os analistas.





fonte cuiabanonews

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br