Demanda chinesa ainda não chegou com força





As cotações da soja tiveram nesta quarta-feira (11.07) um dia de comportamentos mistos no mercado físico brasileiro, com o Dólar voltando a subir e Chicago despencando. De acordo com os índices do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), apurados junto aos diversos participantes do mercado, o preço de exportação subiu 0,75%, embora o do mercado interno tenha fechado o dia em baixa de 0,49%.



Segundo o analista Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica, ainda não chegou com força a demanda chinesa de soja, que deveria se voltar mais agressivamente para o Brasil pela guerra comercial com os Estados Unidos. As compras asiáticas compensariam, com o aumento dos prêmios, as quedas das cotações da Bolsa de Chicago: “Mas, isto ainda não aconteceu”.
 
A queda das cotações de Chicago entre 10 de abril ($10,59/bushel) e 11 de julho ($ 835/bushel) foi de 224 cents/bushel ou US$ 75/tonelada. No mesmo período os prêmios da soja brasileira passaram de $150/bushel para $236/bushel em Paranaguá, um aumento de 86 cents/bushel ou US$ 29/tonelada. Em Rio Grande o aumento dos prêmios foi de $157/bushel para $225/bushel, um aumento de $68cents/bushel ou de US$ 22/tonelada. 
“Como se percebe, a alta dos prêmios nos principais portos brasileiros não compensou adequadamente, ainda, a enorme queda de Chicago. Mesmo assim, os preços da soja brasileira no interior voltaram aos níveis próximos a R$ 80,00, mas, devido à forte alta do dólar, que passou de R$ 3,40 em abril para R$ 3,90 na semana passada e hoje a R$ 3,88”, diz Pacheco. 
No entender da T&F Agroeconômica, estes patamares deverão permanecer, com leves oscilações até o final do ano, mas, não terão a mesma lucratividade que tem agora, devido aos custos de armazenagem e perdas financeiras do período. Isto significa que R$ 80,0 hoje dá mais lucros que R$ 92,00 em dezembro.
“Além disso, não vemos grandes motivos para uma alta daqui para frente, se bem que os preços, como dissemos acima, deverão permanecer altos, diante da boa demanda da China e do dólar que deve continuar nos patamares próximos aos atuais, até o final da eleição. Por isso, nossa recomendação continua de venda agora (quem seguiu nossa recomendação em abril e maio tem lucro maior ainda)”, conclui. 



FONTE AGROLINK

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br