Seca deve estimular abate na Argentina





A seca na Argentina deve levar pecuaristas a abaterem mais animais neste ano, aumentando a atividade em 3,6% ante o registrado em 2017, para 13 milhões de cabeças, afirma o adido do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) no país, em relatório. "A temporada de seca está forçando criadores a enviar vacas e bezerros para o abate mais cedo e mais magros, para aliviar as pastagens", diz. 
O adido projeta que o país deve produzir 14,3 milhões de bezerros este ano, 500 mil cabeças a menos do que o projetado oficialmente pelo USDA. "Embora muito difícil de medir neste momento, o clima severo experimentado nos últimos três meses deve afetar negativamente a produtividade". "Se esse padrão climático continuar nos próximos meses (alguns meteorologistas locais estão prevendo isso), espera-se que o número de bezerros caia ainda mais", relata. O rebanho local deve ficar em 54 milhões de cabeças em 2018.
Em relação à carne bovina, o maior abate deve elevar a produção para 2,930 milhões de tonelada equivalente carcaça (TEC), ante 2,830 milhões de t em 2017, um crescimento de 3,5% nas projeções do adido.
Em 2018, espera-se que a China continue a ser o principal mercado no exterior, com aproximadamente 50% das exportações totais. "A China tornou-se a chave para o setor de exportação local, pois paga preços altos para carne de vaca a qual, em geral, a Argentina tem dificuldades para obter bons valores", diz. Outros mercados importantes em 2018 devem ser a União Europeia, com a cota Hilton projetada para ser cumprida inteiramente.
Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br