Diretoria da ACCS é reconduzida ao cargo





Dar continuidade aos trabalhos, fortalecer metas ligadas à sanidade animal, à rentabilidade no campo, à sucessão familiar e também levantar bandeiras da luta dos suinocultores estão entre os planos de trabalho da atual diretoria da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS). A chapa, reeleita em outubro, foi empossada na noite de sexta-feira (12) em solenidade em Concórdia, no Oeste do Estado, onde fica a sede da entidade. O grupo ficará à frente dos trabalhos pelo período de quatro anos.
 
A solenidade de posse foi marcada pela presença de suinocultores de vários municípios, autoridades políticas e representantes das entidades mais importantes do país no setor do agronegócio. Isso porque nos últimos quatro anos a ACCS – que hoje representa cerca de 10 mil suinocultores – despontou entre as melhores do país, com resultados inéditos na área de produção, genética, bem-estar e sanidade animal, além de outros tantos avanços nas esferas públicas e privadas.

Reconduzido ao cargo de presidente pelo voto da maioria dos associados, Losivanio Luiz de Lorenzi encara a continuidade dos trabalhos como um desafio constante à frente da entidade que hoje é considerada a mais representativa do país no setor. “A avaliação é muito positiva, pois tivemos toda a representatividade de produtores, entidades, lideranças políticas. E isso mostra o quanto a Associação Catarinense de Criadores de Suínos é visível e representativa”, frisa. “Temos um aval muito grande sobre as propostas que são levadas ao governo para serem atendidas, as discussões que a gente faz também sobre os custos de produção junto às indústrias, por isso a participação também nesse momento das agroindústrias, das cooperativas é muito importante”.
 
Losivanio salienta que todo o planejamento é necessário pela forma como a associação cresceu nos últimos anos. “Temos uma equipe muito competente, uma diretoria de elite que sempre está à par de todas as questões da suinocultura, do agronegócio para que as coisas possam ser feitas com plenitude e dar respostas ao campo. É claro que não conseguimos intervir em preços pagos ao produtor, mas as políticas que fizemos são voltadas para que haja a melhor renda no campo”.
 
Os debates, conforma o presidente da ACCS, precisam ser contínuos. “Os desafios são constantes e haverá mudanças nos próximos quatro anos, especialmente no sistema de produção, por conta da preocupação com o bem-estar animal. Acredito que a grande maioria das propriedades vai se adequar e a ACCS vai trabalhar muito para que os produtores não paguem essa conta sozinhos”.
 
Plano de trabalho
 
Vastamente apresentado durante a campanha pela reeleição da chapa que continua à frente da ACCS pelos próximos quatro anos, o plano de trabalho da diretoria é bastante amplo e contempla principalmente desafios ligados à manutenção da sanidade, já que Santa Catarina ocupa um lugar privilegiado na preferência dos consumidores de vários países e tem resultados positivos nas exportações. “Temos que melhorar cada vez mais essa sanidade. Um grande trabalho que teremos neste próximo ano é com relação à mudança da instrução normativa de fábricas de rações, para que o pequeno e o médio produtor, a mini-integradora não tenham que ter as mesmas condições das empresas que exportam”, frisa de Lorenzi.​ 
 
Quanto às conquistas já colecionadas pela atual diretoria, o presidente da ACCS destaca a evolução no campo genético da suinocultura, citando a construção da Central de Difusão Genética (CDG-ACCS). “Cada vez mais estamos trabalhando, atendendo outras regiões, melhorando a genética das granjas e a rentabilidade dos produtores”, diz, completando: “Também temos vários convênios, parcerias, e cada vez mais vamos fortalecer os laços técnicos e a qualidade de vida no campo”.
 
Outra meta que está nos planos de trabalho da diretoria reconduzida ao cargo é o fortalecimento das discussões em torno do futuro do agronegócio, especialmente nos próximos dez anos. O trabalho já foi iniciado junto às industrias, cooperativas, entidades e o governo do Estado para evitar que medidas drásticas cheguem ao campo sem antes passar por debates que envolvam todas as engrenagens que mantêm o setor em funcionamento.
 
Segurança para a sucessão familiar, tecnologias a serviço do produtor e sustentabilidade às granjas também estão entre as metas de trabalho da atual gestão. A entidade ainda deve continuar acompanhando as discussões rotineiras, além de apoiar a criação da Rota do Milho, para tornar a rentabilidade ainda maior aos produtores catarinenses.
 
“Estou seguro em partilhar decisões”, diz Colombo
 
O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, não pode comparecer à posse por conta das enchentes que atingem cidades do litoral catarinense. Mesmo assim, fez questão de enviar uma mensagem aos suinocultores e cumprimentar o êxito dos trabalhos atribuídos à diretoria reconduzida ao cargo.
 
“Quero reconhecer o grande trabalho da associação em favor de Santa Catarina. O crescimento do setor, o desenvolvimento, a geração de empregos e também o grande trabalho do seu presidente neste período. Tivemos desafios, muitas dificuldades, mas também tivemos vitórias importantes. Tenho certeza que esse trabalho produzirá frutos para todo o setor, em parceria com o governo. Sinto-me seguro em partilhar decisões e superar obstáculos juntos”, garante Colombo, em referência ao trabalho realizado pela ACCS.
 
Democracia no diálogo
 
Uma das premissas do grupo que conduz a ACCS é manter o diálogo aberto com lideranças políticas e indústrias, discutindo ações que melhorem todo o setor de forma igualitário, posição que conforme a diretoria reeleita, será mantida para os próximos quatro anos.
 
 
“Apesar de defender os pleitos da categoria, a ACCS entende também os momentos de dificuldades que muitas vezes as indústrias e o governo atravessam e sempre dialoga com respeito com todos os elos do setor. Isso demonstra o trabalho sério e responsável liderado pelo presidente Losivanio”, enfatiza o presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri.
 
Parceria duradoura com o Estado
 
Durante a cerimônia da diretoria da ACCS, o secretário-adjunto de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, ministrou palestra sobre o atual cenário do agronegócio catarinense e reiterou a parceria do Governo de Santa Catarina com a entidade. “A ACCS é uma parceira de longa data do nosso agronegócio, principalmente porque traz as preocupações dos produtores. Com o diálogo aberto o governo consegue tomar muito mais ações corretas. A ACCS faz muito bem essa mediação entre a classe produtiva e governo. Essa união vai permanecer para que possamos vencer os desafios constantes que surgem”.
 
Tags:
 
Fonte: ACCS

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br