Blairo diz que BR-163 tem novo atoleiro esse ano e trecho será arrumado em 2019






O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi (PP), afirma que o grande atoleiro de caminhões registrado em 2017 na BR-163 – conhecida como Rodovia Cuiabá-Santarém - deverá se repetir nesse ano. Ele explica que o cronograma das obras de asfaltamento das pistas irá atrasar e que os problemas no trecho só deverão ser resolvidos em 2019.


“Muito provavelmente a gente vai ter (atoleiro) esse ano, embora em menos volume. Porque lá hoje já tem uma estrutura de governo. A Polícia Rodoviária Federal e o Exército estão tomando conta para não haver aquela tranca. Mas infelizmente ainda é um assunto que esse ano vai estar lá e ano que vem eu espero que a gente consiga resolver isso”, comenta.
Blairo comentou sobre a questão ontem (16) durante uma coletiva sobre o resultado da balança comercial do agronegócio. O ministro lamenta a situação da rodovia, que é uma das principais rotas de escoamento da produção de grãos mato-grossense para os portos do Norte do país, e argumenta que todos os segmentos do setor produtivo acabam sendo afetados e sofrem prejuízos financeiros.
A rodovia é alvo de fortes críticas há algum tempo e mais ainda no ano passado, quando um trecho de cerca de 50 km ficou travado para o tráfego de caminhões após um grande volume de chuvas. Cerca de 5 mil veículos chegaram a ficar atolados na região, gerando caos e perda financeira para produtores.
O senador licenciado argumenta, ainda, que nunca faltou dinheiro para a conclusão das obras e que a questão se estende desde o governo do ex-presidente Lula (PT), passando pela gestão da presidente impedida Dilma Roussef (PT) até chegar ao atual governo Michel Temer (MDB).
“O problema todo dessa rodovia nasceu da licitação. Os preços de referência foram baixos e as grandes empresas não compareceram e as médias e pequenas compareceram nesse certame e ganharam. À hora em que elas começaram a fazer o serviço, viram que não dava para fazer com os preços que eles pegaram. E aí começou um verdadeiro calvário”, relata.
Histórico
A BR-163 é uma importante via para Mato Grosso porque leva parte da produção agrícola do Estado para os portos de Miritituba e Santarém, no Pará. De lá, a produção é escoada para os países compradores dos insumos brasileiros.
A BR-163 começou a ser construída na década de 70 no estado, mas hoje se estende do município gaúcho de Tenente Portela até o Pará. Ao todo, são 3.470 km de extensão. Em março de 2014, dois trechos foram privatizados, um em Mato Grosso do Sul e outro em Mato Grosso.
A rodovia é toda pavimentada, à exceção do Pará, onde a falta de asfalto causa prejuízos ao escoamento da produção agrícola de Mato Grosso, o maior produtor de grãos do país. Os altos índices pluviométricos da região contribuem para dificultar os trabalhos de asfaltamento. Em 2017 foram investidos R$ 128,5 milhões do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil para as obras.
Em novembro, o secretário nacional de política agrícola do Mapa, Neri Geller (PP), havia afirmado que as obras terminariam no segundo semestre de 2018, sendo que em julho ele mesmo havia dito que o prazo seria até o final de 2017.




fonte rdnews

    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br