Vítimas de trabalho análogo a escravidão em MT são homens, pardos e com baixa escolaridade



As vítimas de trabalho análogo a escravidão em Mato Grosso, em sua maioria, são homens, pardos e com baixa escolaridade, segundo um perfil elaborado pelo Observatório Digital do Trabalho Escravo no Brasil. No total, 4.302 pessoas foram resgatadas em municípios do estado desde 2003, quando a instituição começou a estudar o tema.

De acordo com os dados, a maioria absoluta das vítimas resgatadas é homem, possui idade entre 18 e 35 anos e se autodeclaram pardos, mulatos ou mestiços.

No quesito escolaridade, grande parte dos trabalhadores resgatados em Mato Grosso não completaram o 5º ano escolar. Apenas duas pessoas encontradas em situação análoga à escravidão possuíam ensino superior completo.

As vítimas trabalham, majoritariamente, em propriedades rurais e funções ligados a agropecuária, como operador de moto-serra e trabalhador geral.

Ainda segundo o relatório, os setores mais relacionados com situações análogas a escravidão são o cultivo de arroz, a criação de boi para corte e a construção de edifícios.
Ranking nacional

O município de Confresa, lidera o ranking nacional de resgate de trabalhadores em situação análoga à escravidão no país.

De acordo com o levantamento, os resgates de trabalhadores em Confresa representam 31,33% do total dos casos no estado e 3,10% do total do país.

No ranking nacional, aparecem os municípios de Ulianópolis (PA), Brasilândia (MS), Campos dos Goytacazes (RJ) e São Desidério (BA) com maior número de casos.

Mato Grosso é o segundo colocado no ranking nacional no número de resgates. De 2003 a 2017 foram resgatados 4.302 trabalhadores no estado. Os outros municípios do estado que aparecem na lista do estudo são Poconé (346), Campos de Júlio (284), Vila Rica (167), Tapurah (163).

A maior ação de resgate no estado foi realizada em 2005. Naquele ano, segundo o superintendente regional do Trabalhado de Mato Grosso, Amarildo Borges, mais de mil trabalhadores foram retirados da propriedade de uma usina onde eram mantidos em más condições de trabalho.




FONTE AGENCIA DA NOTICIA
    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2015. Mídia Rural - Todos os Direitos Reservados
Um Projeto: Du Pessoa© Web Sites e Marketing Digital (69) 9366 7066 WhatsApp* | www.dupessoa.com.br