Javalis destroem plantações e revoltam fazendeiros em MT






No meio da madrugada, um grupo de cem javalis avança em alta velocidade pelo interior de Mato Grosso. Com animais de até 250 kg, a manada para apenas ao encontrar um local onde possa saborear com calma as espigas.

O rastro de destruição deixado pelas excursões noturnas dos mamíferos causa prejuízo aos agricultores. O problema não é novo, mas se agravou nos últimos anos, de acordo com a associação local do setor. O Estado é o maior produtor de milho do país.

"Eles atacam as plantações durante a noite, causando um estrago imenso. Ao passar correndo, eles derrubam os milhos, e a máquina de colheita não consegue chegar até esses milhos. O prejuízo é muito grande", diz Roseli Giachini, diretora da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso.

A entidade não contabiliza os casos, mas, devido ao aumento do problema, planeja começar a fazer isso a partir da próxima safra.

O produtor rural Guilherme Scarton, que mora em Campo Verde (130 km de Cuiabá), diz que já teve prejuízo de quase R$ 150 mil em 2017 com os animais. "Estou gastando R$ 50 mil para colocar cerca em 85 hectares para ver se diminui os danos", afirma.

O produtor rural Mário Wolf, de Nova Canaã (550 km de Cuiabá), diz que já perdeu até 30% de sua plantação com os ataques dos javalis e que mesmo a instalação de cercas não resolve. "Os javalis pulam e fazem o estrago."

Ele diz que a solução atual é tentar espantar os animais à noite. "O que fazemos para tentar afastá-los é soltar fogos à noite e andar de moto pelas plantações. Coloco um funcionário só para sair de moto para espantá-los."

"Esse animal não é da nossa fauna, vem se reproduzindo e causando danos ao ambiente e aos produtores. Ainda vão trazer doenças nocivas", afirma Ederson Viaro, produtor rural de Lambari D'Oeste (185 km de Cuiabá).

Viaro é um das 247 pessoas autorizadas pelo Ibama no Estado para caça dos javalis. No país, há cerca de 20 mil caçadores cadastrados do animal.

O Ibama planeja divulgar ainda neste ano um plano de controle, prevenção e monitoramento dos javalis.

A caça é liberada porque a espécie não é um animal silvestre e, por isso, não tem predador natural. Ele foi trazido ao país por produtores que pretendiam vender sua carne, ainda nos anos 1990. Como a iniciativa não deu certo, muitos locais de criação fecharam, e os animais foram soltos e se reproduziram.




FOLHA ONLINE
    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2015. Mídia Rural - Todos os Direitos Reservados
Um Projeto: Du Pessoa© Web Sites e Marketing Digital (69) 9366 7066 WhatsApp* | www.dupessoa.com.br