Transitar pela MT 322, um desafio quase intransponível.



A MT 322 antiga BR 080 sempre foi um trajeto problemático, neste início de ano com as chuvas intensas que caem na região a situação se agravou e muito, existem trechos onde transitar é praticamente uma “missão impossível”.

Mesmo assim devido as empresas e fazendas que ficam ao longo da rodovia há corajosos motoristas que ousam enfrentar esse desafio, segundo relatos de alguns desses motoristas eles chegam a ficar 15 dias avançando pouco a pouco para vencer os 274km entre o trevo de Matupá até a cidade de São José do Xingu.

A Reportagem da Agência da Notícia percorreu o trecho mais complicado da rodovia, e em registros fotográficos mostra um pouco da realidade de como está a situação.

Há casos onde motoristas literalmente abandonaram seus caminhões e buscaram abrigo em pequenas e simples lanchonetes que ficam ao longo do trecho até que as chuvas cessem para que as máquinas e caminhões do Governo do Estado resolvam os pontos mais críticos.

Por se falar em manutenção, podemos observar maquinários encostados em pontos da rodovia, praticamente todo o trecho estão sim cascalhados, mas com o as chuvas intensas que vem caindo nos últimos dias, em alguns lugares chegando a mais de 300MM, vários pontos sucumbiram pelo solo encharcado e o trânsito pesado.

Fazendeiros da região se solidarizam com o sofrimento dos motoristas e por algumas vezes mandam seus tratores para desatolar caminhões e assim liberar a passagem.

A situação se agrava também no trecho que liga o Posto do Arno até São José do Xingu, caminhões fazem filas porque não conseguem passar pela estrada que está totalmente detonada. No trecho que liga São José do Xingu até o Natanael a situação não é diferente, e no trecho da MT 430 que liga Santo Antônio do Fontoura até o Natanael a situação também é precária. “Infelizmente não tem o que fazer, a chuva não cessa, e o trabalho é grande, existe a união entre a Prefeitura e os produtores, mas está praticamente impossível esse trabalho”, disse o Secretário de Obras de São José do Xingu Ludio Barros ao Agência da Notícia.

A Solução

Realmente vê-se a intenção do Governo do Estado de manter um trabalho de manutenção da estrada que liga duas importantes regiões, visto que as máquinas estão por lá, porém há de reconhecer em loco que a única solução para resolver de vez essa situação de isolamento é o asfalto, 60km de asfalto foi feito ligando o trevo de Matupá/BR163 até o Distrito de União Do Norte, agora resta torcer para que o Governo consiga colocar em seu orçamento recursos para concluir esse trecho e assim melhorar a economia e até promover o desenvolvimento a uma região que tem tudo para se tornar o novo “Berço da produção de grãos do Estado”.

No Estradeiro (Ação do Governo que Transitou pela MT322) foi dito pelo Secretário de Infraestrutura e Logística do Estado, em março de 2015, que iria ser solicitado a Federalização da rodovia voltando assim a ser BR 080 tirando dos cofres do Estado a responsabilidade de arcar com o alto custo da pavimentação do trecho.

A população espera pacientemente pela ação imediata, que algum dos Governos (Federal ou Estadual) repasse recursos para asfaltar e assim solucionar o grande entrave do desenvolvimento agrícola desta importante região.

A única proposta que já virou realidade foi a reforma da Balsa indígena que faz a travessia do Rio Xingu, uma nova balsa foi entregue e tem o nome de Estradeiro 2 na lateral, a bonita e agitada agua doce do rio contrasta com o preço salgado da travessia, 50 reais para moto indo até a 200 reais para travessar uma carreta.




FONTE AGENCIA DA NOTICIA
    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2015. Mídia Rural - Todos os Direitos Reservados
Um Projeto: Du Pessoa© Web Sites e Marketing Digital (69) 9366 7066 WhatsApp* | www.dupessoa.com.br