Aumenta ociosidade em frigoríficos no Estado



A ociosidade das indústrias frigoríficas instaladas em Mato Grosso passou de 38,9% em 2015 para 40,8% em 2016. Para este ano, a expectativa é que o nível de atividade melhore com a nova alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrada na saída de bovinos para outros estados. A partir de 1º de abril serão cobrados 12% de ICMS nas operações de venda do boi em pé de Mato Grosso para outros estados. Desde 2015, o imposto incidente nessas operações é de 7%. A alteração foi aprovada pelo governo do Estado por meio do Decreto 777, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), de 28 de dezembro, e desagradou os pecuaristas. No dia 17 de janeiro, a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) formalizou pedido ao Executivo para redução na alíquota cobrada na saída de bovinos vivos do Estado. Para a Acrimat, a elevação do imposto representa forte intervenção governamental na comercialização. O presidente da Acrimat, Marco Túlio Soares, afirma que a manutenção da alíquota possibilita aos pecuaristas, principalmente das regiões Sul e Leste de Mato Grosso, melhores condições na negociação da produção. Contudo, durante a posse da nova diretoria da Acrimat na última terça-feira (24), o governador Pedro Taques defendeu o ajuste na alíquota. Para ele, a mudança na cobrança do imposto permitirá a reabertura de unidades, já que atualmente 23 dos 41 frigoríficos aptos a exportar carne estão fechados no Estado. Para o vice-presidente do Sindicato das Indústrias Frigoríficas (Sindifrigo/MT), Paulo Bellincanta, o Estado será beneficiado com a redução da ociosidade das indústrias, que conseguirão produzir mais e assim gerar mais empregos e aumentar a arrecadação estadual. Fonte: A Gazeta (foto: assessoria/arquivo)
    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br