Pedro Afonso decreta situação de emergência devido a áreas produtivas afetadas pela estiagem



Seca atinge áreas e diminui produtividade de soja Fred Alves Pedro Afonso decretou situação de emergência nas áreas produtivas afetadas pela estiagem. A falta de chuvas provoca o stress hídrico das lavouras e pastagens e já causa prejuízos a produtores de soja e criadores de gado. O problema também pode comprometer a produção de cana de açúcar. O decreto tem validade de 90 dias e foi assinado na manhã desta segunda-feira, 22 de fevereiro, pelo prefeito Jairo Mariano (PDT), durante reunião com o presidente do Sindicato Rural de Pedro Afonso, Edmar Correa, o presidente da Coapa (Cooperativa Agroindustrial do Tocantins), Ricardo Khouri, e produtores de grãos. O documento autoriza a mobilização de todos os órgãos municipais a realizarem ações de combate à estiagem; bem como convocar voluntários para reforçar o trabalho de assistência à população afetada pela seca. Para embasar o decreto, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil vai produzir um relatório técnico com dados sobre o volume de chuvas, laudo técnico das áreas, memorial fotográfico, entre outras informações relevantes. O Decreto de Situação de Emergência pode garantir reparações legais aos produtores rurais quanto ao cumprimento de seus compromissos com compradores e bancos financiadores, por exemplo, pois trata-se de um prejuízo provocado por questões climáticas. Além disso, o documento possibilita ao Município, caso haja necessidade, solicitar ajuda financeira ao Governo Federal. Queda na produtividade Ainda não há números oficiais de produtores afetados com a seca, mas a estiagem tem causado problemas em propriedades que ocupam uma área de aproximadamente 50 mil hectares e tem causado queda significativa na produtividade. O presidente da Coapa, Ricardo Khoui, alerta para a grande preocupação que os produtores da região estão tendo com a permanência do veranico (estiagem) que poderá gerar perdas de produtividade que há muito tempo não ocorre na região. “Estamos apreensivos, as chuvas estão muito abaixo da média e compromete o desenvolvimento das plantas”, diz Khouri “Nunca vi um ano como esse, com tão poucas chuvas”, conta o produtor Ronaldo Maranhão de Sá. Segundo ele, na propriedade da família onde foram plantados 1.212 hectares de soja, a previsão é que neste ano sejam colhidas 14 mil sacas a menos do que na última safra. O produtor Edmar Correa cultivou 1.700 hectares de soja, no município de Bom Jesus do Tocanttins, e estima ter uma queda na produção de 10 mil sacas em relação ao ano passado. Problema afeta região Outros municípios da região Centro-Norte também sofrem com a estiagem e podem ter situação de emergência declarada: Guaraí, Santa Maria do Tocantins, Tupirama, Bom Jesus do Tocantins e Rio dos Bois.  
    Comente usando o Google
    Comente usando o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018 Mídia Rural. Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa Agência Digital (73) 9 8888 1488 WhatsApp www.dupessoa.com.br